Compartilhar
Informação da revista
Vol. 91. Núm. 1.
Páginas 4-5 (Janeiro - Fevereiro 2015)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 91. Núm. 1.
Páginas 4-5 (Janeiro - Fevereiro 2015)
Editorial
DOI: 10.1016/j.jpedp.2014.10.002
Open Access
Protective effects of human milk antimicrobial peptides against bacterial infection
Efeitos de prote????o dos pept??deos antimicrobianos do leite humano contra infec????es bacterianas
Visitas
...
Anders P. Hakanssona,b
a Departamento de Microbiologia e Imunologia, Universidade de Buffalo, State University of New York, Buffalo, Estados Unidos
b Centro Witebsky para Patog??nese Microbiana e Imunologia, Universidade de Buffalo, State University of New York, Buffalo, Estados Unidos
Conteúdo relacionado
J Pediatr (Rio J). 2015;91:36-4310.1016/j.jpedp.2014.05.013
Joanna Baricelli, Miguel A. Rocafull, Desiree V??zquez, Betsi Bastidas, Estalina B??ez‐Ramirez, Luz E. Thomas
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

A amamentação fornece uma abundância de moléculas para desenvolver de forma aprimorada os tecidos e órgãos do neonato. O leite humano contém várias moléculas bioativas que modulam o sistema imunológico, bem como moléculas com atividades antimicrobianas diretas e indiretas que evitam o supercrescimento de micro‐organismos possivelmente patogênicos. A combinação de fatores imunomoduladores e antimicrobianos ajuda a criança a evitar o desenvolvimento de doenças inflamatórias e infecção infantil. Dessa forma, a alimentação de neonatos com fórmulas e outros substitutos está claramente relacionada a uma frequência cada vez maior de doenças inflamatórias, como alergias, colite, diabetes juvenil e câncer infantil, bem como uma frequência cada vez maior de infecções. Apesar de alguns dos mecanismos e moléculas envolvidos na proteção do leite materno contra infecções terem sido bem estudados, o quadro completo da biologia da proteção antimicrobiana do leite materno ainda não está claro.

Em um estudo publicado nesta edição do Jornal de Pediatria,1 um grupo do Instituto Venezuelano de Investigações Científicas (IVIC) em Caracas, Venezuela, conduzido pela Dra. Luz Thomas, apresenta evidências do papel potencial do peptídeo beta‐defensina‐2 (hBD‐2) do leite materno na proteção antimicrobiana contra infecções entéricas e também potencialmente contra outras infecções. Os autores mediram a concentração de hBD‐2 em 100 amostras de leite materno, 61 das quais eram de colostro e as restantes de leite maduro. Semelhantemente ao observado em um estudo anterior,2 as amostras de colostro continham concentrações significativamente maiores de hBD‐2 do que as amostras de leite maduro; contudo, as concentrações observadas aqui foram consideravelmente maiores em relação ao que havia sido previamente descrito, o que sugere uma possível contribuição de defensinas derivadas do leite à defesa antimicrobiana do leite in vivo. Depois, os autores produziram hBD‐2 recombinante e o testaram contra uma ampla gama de organismos entéricos possivelmente patogênicos, incluindo cepas de Salmonella spp. e Escherichia coli, bem como cepas de Serratia marcescens, Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumanii, e mostraram uma sensibilidade desses organismos ao hBD‐2 que fazem com que as concentrações encontradas no leite materno tenham probabilidade de apresentar um efeito sobre esses organismos in vivo. Os resultados representam o primeiro relatório de níveis de defensina no leite de mulheres da América Latina e sugerem uma função para o hBD‐2 na defesa contra infecções entéricas em neonatos. Essas informações estimularão estudos futuros sobre peptídeos antimicrobianos (AMPs) do leite desse e de outros grupos que aumentarão a compreensão da função dos AMPs tanto na modulação imunológica como na atividade antimicrobiana.

Para colocar esse trabalho em perspectiva, há fortes dados epidemiológicos que sugerem uma associação prejudicial entre a alimentação com fórmula e a infecção em neonatos.3‐5 Ao comparar neonatos alimentados com fórmula e amamentados com leite materno, os neonatos amamentados apresentam menores incidências de infecções gastrointestinais, respiratórias, do trato urinário e outras e a taxa de mortalidade infantil é menor.6 As principais moléculas associadas a essa proteção são fatores antimicrobianos do leite materno que atuam indiretamente no bloqueio da aderência de bactérias às superfícies mucosas ou na neutralização de bactérias, como oligossacarídeos, glicoconjugados e imunoglobulinas, ou atuam diretamente matando micróbios, como a lactoferrina, a lisozima, peroxidases, ácidos graxos e outras moléculas.7 A proteção é melhorada ainda pelo fornecimento de fatores que modulam o sistema imunológico,5,8,9 como as citocinas e fatores de crescimento. Além disso, estudos recentes têm mostrado que o leite materno contém o seu próprio microbioma, que, quando fornecido ao neonato, ajuda a criar uma microflora saudável em seu intestino e outros tecidos, o que também ajuda a aprimorar o desenvolvimento do sistema imunológico do neonato e proteger contra o crescimento excessivo de bactérias patogênicas.10,11

O papel do leite como uma fonte de AMPs e na proteção contra infecção não tem sido muito investigado. Estudos iniciais que investigam a expressão de defensinas no epitélio mamário encontraram expressão de hBD‐1, mas não de hBD‐2.12 De fato, o maior peptídeo beta‐defensina produzido no leite parece ser o hBD‐1.2,13 No entanto, Armogida et al. identificaram a expressão do gene hbd‐2 em 15% das células epiteliais mamárias investigadas14 e Wang et al. foram, recentemente, o primeiro grupo a mostrar secreção do hBD‐2 no leite.2

Os AMPs são moléculas multifuncionais de defesa.15 Além de sua atividade antimicrobiana, modulam o sistema imunológico ao ativar células imunes contra organismos patogênicos. Sua importância na defesa contra infecções de revestimentos mucosos, como pele, trato respiratório e intestino, tem sido claramente demonstrada com modelos de animais em que os genes para as defensinas ou catelicidinas do rato foram eliminados ou tiveram sua expressão reduzida. Esses estudos têm mostrado a importância dos AMPs contra várias infecções, incluindo as causadas por E. coli O157:H7, Streptococcus pyogenes e Streptococcus pneumoniae,16‐18 e defensinas e moléculas semelhantes são conhecidas por sua contribuição para a limpeza bacteriana no intestino e pulmão.19 Para concluir, as informações fornecidas por Baricelli et al.1 na atual edição deste jornal devem atuar como intensificadoras de estudos futuros no campo, por várias razões. Primeiro, mais estudos aumentarão nossa compreensão da complexa biologia do leite materno e de seu papel antimicrobiano no intestino e em outros tecidos mucosos e, segundo, o estudo de AMPs, incluindo defensinas, está se tornando cada vez mais interessante porque são potenciais antibióticos em uma era de resistência antibiótica.20

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesse.

Refer??ncias
[1]
J. Baricelli, M.A. Rocafull, D. Vázquez, B. Bastidas, E. Báez-Ramirez, L.E. Thomas.
??‐defensin‐2 in breast milk displays a broad antimicrobial activity against pathogenic bacteria.
J Pediatr. (Rio J), 91 (2015), pp. 36-43
[2]
X.F. Wang, R.M. Cao, J. Li, J. Wu, S.M. Wu, T.X. Chen.
Identification of sociodemographic and clinical factors associated with the levels of human ??‐defensin‐1 and human ??‐defensin‐2 in the human milk of Han Chinese.
Br J Nutr., 111 (2014), pp. 867-874
[3]
M. Beaudry, R. Dufour, S. Marcoux.
Relation between infant feeding and infections during the first six months of life.
J Pediatr., 126 (1995), pp. 191-197
[4]
K.G. Dewey, M.J. Heinig, L.A. Nommsen-Rivers.
Differences in morbidity between breast‐fed and formula‐fed infants.
J Pediatr., 126 (1995), pp. 696-702
[5]
L.A. Hanson, M. Korotkova.
The role of breastfeeding in prevention of neonatal infection.
Semin Neonatol., 7 (2002), pp. 275-281
[6]
C.G. Victora, P.G. Smith, J.P. Vaughan, L.C. Nobre, C. Lombardi, A.M. Teixeira, et al.
Evidence for protection by breast‐feeding against infant deaths from infectious diseases in Brazil.
Lancet, 2 (1987), pp. 319-322
[7]
B. Lönnerdal.
Bioactive proteins in breast milk.
J Paediatr Child Health., 49 (2013), pp. 1-7
[8]
D.S. Newburg, W.A. Walker.
Protection of the neonate by the innate immune system of developing gut and of human milk.
[9]
D. Kelly, A.G. Coutts.
Early nutrition and the development of immune function in the neonate.
Proc Nutr Soc., 59 (2000), pp. 177-185
[10]
E. Civardi, F. Garofoli, C. Tzialla, P. Paolillo, L. Bollani, M. Stronati.
Microorganisms in human milk: lights and shadows.
J Matern Fetal Neonatal Med., 26 (2013), pp. 30-34
[11]
K.M. Hunt, J.A. Foster, L.J. Forney, U.M. Schütte, D.L. Beck, Z. Abdo, et al.
Characterization of the diversity and temporal stability of bacterial communities in human milk.
[12]
C.R. Tunzi, P.A. Harper, B. Bar-Oz, E.V. Valore, J.L. Semple, J. Watson-MacDonell, et al.
Beta‐defensin expression in human mammary gland epithelia.
Pediatr Res., 48 (2000), pp. 30-35
[13]
H.P. Jia, T. Starner, M. Ackermann, P. Kirby, B.F. Tack, P.B. McCray Jr..
Abundant human beta‐defensin‐1 expression in milk and mammary gland epithelium.
J Pediatr., 138 (2001), pp. 109-112
[14]
S.A. Armogida, N.M. Yannaras, A.L. Melton, M.D. Srivastava.
Identification and quantification of innate immune system mediators inhuman breast milk.
Allergy Asthma Proc., 25 (2004), pp. 297-304
[15]
M.H. Metz-Boutigue, P. Shooshtarizadeh, G. Prevost, Y. Haikel, J.F. Chich.
Antimicrobial peptides present in mammalian skin and gut are multifunctional defence molecules.
Curr Pharm Des., 16 (2010), pp. 1024-1039
[16]
M. Chromek, I. Arvidsson, D. Karpman.
The antimicrobial peptide cathelicidin protects mice from Escherichia coli O157:H7‐mediated disease.
[17]
V. Nizet, T. Ohtake, X. Lauth, J. Trowbridge, J. Rudisill, R.A. Dorschner, et al.
Innate antimicrobial peptide protects the skin from invasive bacterial infection.
Nature, 414 (2001), pp. 454-457
[18]
J. Merres, J. Höss, L.J. Albrecht, E. Kress, O. Soehnlein, S. Jansen, et al.
Role of the cathelicidin‐related antimicrobial peptide in inflammation and mortality in a mouse model of bacterial meningitis.
J Innate Immun., 6 (2014), pp. 205-218
[19]
C. Moser, D.J. Weiner, E. Lysenko, R. Bals, J.N. Weiser, J.M. Wilson.
beta‐defensin 1 contributes to pulmonary innate immunity in mice.
Infect Immun., 70 (2002), pp. 3068-3072
[20]
J.D. Steckbeck, B. Deslouches, R.C. Montelaro.
Antimicrobial peptides: new drugs for bad bugs?.
Expert Opin Biol Ther., 14 (2014), pp. 11-14

Como citar este artigo: Hakansson AP. Protective effects of human milk antimicrobial peptides against bacterial infection. J Pediatr (Rio J). 2015;91:4–5.

Ver artigo de Baricelli et al. nas páginas 36–43.

Copyright © 2014. Sociedade Brasileira de Pediatria
Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Taxa de publicaçao Publication fee
Os artigos submetidos a partir de 1º de setembro de 2018, que forem aceitos para publicação no Jornal de Pediatria, estarão sujeitos a uma taxa para que tenham sua publicação garantida. O artigo aceito somente será publicado após a comprovação do pagamento da taxa de publicação. Ao submeterem o manuscrito a este jornal, os autores concordam com esses termos. A submissão dos manuscritos continua gratuita. Para mais informações, contate assessoria@jped.com.br. Articles submitted as of September 1, 2018, which are accepted for publication in the Jornal de Pediatria, will be subject to a fee to have their publication guaranteed. The accepted article will only be published after proof of the publication fee payment. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. Manuscript submission remains free of charge. For more information, contact assessoria@jped.com.br.
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.