Compartilhar
Informação da revista
Vol. 96. Núm. 4.
Páginas 447-455 (Julho - Agosto 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 96. Núm. 4.
Páginas 447-455 (Julho - Agosto 2020)
Artigo Original
DOI: 10.1016/j.jpedp.2019.01.001
Open Access
Factors associated with current tobacco use among adolescents and young students
Fatores associados ao uso atual de tabaco entre adolescentes e jovens escolares
Visitas
...
Samara Barreto Cunhaa, Rodrigo Cappato de Araújob, Jéssica Vanessa Barros de Oliveiraa, Rachel Molaa,c, Ana Carolina Rodarti Pitanguia,c,
Autor para correspondência
carolina.pitangui@upe.br

Autor para correspondência.
a Universidade de Pernambuco (UPE), Programa de Mestrado em Hebiatria, Recife, PE, Brasil
b Universidade de Pernambuco (UPE)/Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Programa Associado de Pós‐graduação em Educação Física, Recife, PE, Brasil
c Universidade de Pernambuco (UPE)/Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Programa Associado de Pós‐graduação em Enfermagem, Recife, PE, Brasil
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Tabelas (4)
Tabela 1. Distribuição do consumo de tabaco entre os adolescentes e jovens. Petrolina‐PE, 2014
Tabela 2. Distribuição dos comportamentos de risco entre os adolescentes e jovens que fizeram uso atual de tabaco, segundo o sexo. Petrolina–PE, 2014
Tabela 3. Associação entre o consumo atual de tabaco e as variáveis independentes estudadas nos adolescentes e jovens, segundo o sexo. Petrolina–PE, 2014
Tabela 4. Regressão de Poisson entre o consumo atual de tabaco e as variáveis independentes estratificadas pelo sexo dos adolescentes e jovens. Petrolina–PE, 2014
Mostrar maisMostrar menos
Abstract
Objectives

To determine the prevalence of current tobacco use and its association with sociodemographic factors and risk behaviors among adolescents and young students, according to gender.

Methods

The sample consisted of students from the state public school network aged between 12 and 24 years, who answered the Brazilian version of the Youth Risk Behavior Survey questionnaire. The data were analyzed in SPSS software (v. 20.0), using Poisson regression to evaluate the prevalence ratio (PR) of the independent variables in relation to the outcome. p<0.05 was established as the significance level.

Results

The final analysis consisted of 1275 adolescents, of whom 716 (56.2%) were girls and 559 (43.8%) were boys. The prevalence of current tobacco use was 6.6% among girls and 9.7% among boys. In females, consuming alcohol in the last 30 days (3.91 [1.54–9.94]) and being 14 years old or younger (0.50 [0.26–0.96]) influenced current tobacco use. In the male gender, tobacco use in the last 30 days was influenced by current alcohol consumption (2.92 [1.21–7.08]) and involvement in physical fighting in the last 12 months (2.32 [1.32–4.09]).

Conclusion

Although the prevalence of current tobacco use was low in both genders, the assessed population still presents a risk, since male involvement in physical fighting and current consumption of alcohol in both genders increased the probability of this population becoming regular tobacco users.

Keywords:
Tobacco
Adolescent
Risk behavior
Resumo
Objetivos

Determinar a prevalência de uso atual do tabaco e sua associação com fatores sociodemográficos e comportamentos de risco entre adolescentes e jovens escolares, segundo o sexo.

Métodos

A amostra foi composta por estudantes da rede estadual entre 12 e 24 anos, que responderam a versão brasileira do questionário Youth Risk Behavior Survey. Os dados foram analisados no SPSS (versão 20.0), por meio da Regressão de Poisson para avaliar a Razão de Prevalência (RP) das variáveis independentes em relação ao desfecho. Foi adotado p < 0,05.

Resultados

A análise final foi composta por 1.275 adolescentes, dos quais 716 (56,2%) eram meninas e 559 (43,8%) meninos. A prevalência de consumo atual do tabaco foi de 6,6% entre as meninas e 9,7% entre os meninos. No sexo feminino, consumir álcool nos últimos 30 dias (3,91 [1,54–9,94]) e ter 14 anos ou menos (0,50 [0,26–0,96]) influenciaram o uso atual de tabaco. No sexo masculino, o uso de tabaco nos últimos 30 dias foi influenciado pelo consumo atual de álcool (2,92 [1,21–7,08]) e envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses (2,32 [1,32–4,09]).

Conclusão

Embora a prevalência de consumo atual do tabaco tenha sido baixa em ambos os sexos, a população estudada ainda exibe risco, pois o envolvimento em luta corporal no sexo masculino e o consumo atual de álcool em ambos os sexos aumentaram a probabilidade da população se envolver com uso atual do tabaco.

Palavras‐chave:
Tabaco
Adolescente
Comportamento de risco
Texto Completo
Introdução

Os adolescentes e jovens fazem parte de um contingente populacional expressivo, atinge cerca de 1,8 bilhão de pessoas entre 10 e 24 anos no mundo.1 As transformações ocorridas ao longo da adolescência envolvem aspectos biológicos e socioculturais que tornam esse grupo populacional mais susceptível a mudanças e experimentações. Assim, influências de fatores como tabaco, álcool, sexo, drogas e dieta podem gerar impactos negativos a saúde.2

O tabaco ocupa o segundo lugar entre as substâncias mais consumidas pelos adolescentes e jovens, fica atrás apenas do consumo de álcool.3 De acordo com dados do último Youth Risk Behavior Survey (YRBS) feito nos Estados Unidos em 2017, a prevalência de adolescentes que já tentaram fumar cigarro alguma vez na vida foi de 28,9%.4 Dados nacionais do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica), feito em 2013‐2014 com estudantes de 12 a 17 anos, revelam que 18,8% dos meninos e 18,3% das meninas já experimentaram o tabaco.5

A exposição ao tabaco provoca inúmeras implicações à saúde do adolescente, tais como afecções respiratórias, patologias bucais e decréscimo na capacidade física.6 Desse modo, esse público merece cuidado especial, pois, além de serem mais vulneráveis à indústria do tabaco, também têm maior o risco de dependência química devido à precoce exposição à nicotina.7 Contudo, a atenção em saúde também deve se estender aos jovens de 19 a 24 anos, pois a transição para a fase adulta encontra‐se praticamente consolidada e as chances de o hábito de fumar permanecer na vida adulta aumentam consideravelmente.8

Estudos apontam que o consumo de tabaco entre adolescentes está associado a outros comportamentos de risco, como o consumo de álcool e outras drogas,9,10 relações sexuais precoces, múltiplos parceiros sexuais e uso inconsistente de preservativos,11 comportamento violento,12,13 problemas de saúde mental14 e ideação suicida.15

Em decorrência da maior vulnerabilidade ao uso de tabaco na adolescência e das repercussões negativas que o consumo dessa substância pode ocasionar à saúde dos adolescentes e jovens, conhecer a prevalência e os fatores que permeiam esse comportamento torna‐se fundamental, pois os hábitos adquiridos nessa faixa etária podem perdurar na vida adulta. Espera‐se que os resultados do presente estudo possam auxiliar na identificação de grupos de risco e servir de subsídio para o direcionamento de estratégias e políticas de promoção e proteção à saúde dos adolescentes e jovens.

Vale destacar que o desenvolvimento de pesquisas com o intuito de explorar o assunto abordado é importante para a Região Nordeste, principalmente no interior, onde as investigações são escassas. Diante disso, o objetivo do estudo foi verificar a prevalência de uso atual do tabaco e sua associação com fatores sociodemográficos, econômicos e comportamentos de risco entre adolescentes e jovens escolares de Petrolina (PE), segundo o sexo.

Métodos

Estudo epidemiológico, de base escolar, com delineamento transversal.16 Feito nas escolas de ensino fundamental e médio da rede pública estadual do município de Petrolina, de março a julho de 2014, após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade de Pernambuco (UPE) sob CAAE: 24288213.2.0000.5207. A pesquisa obedeceu todos os preceitos da Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e as orientações do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A população estudada foi composta por adolescentes e jovens (12 a 24 anos) estudantes das instituições supracitadas. Considerou‐se uma população total de 25.635 estudantes do ensino fundamental e médio da rede estadual de Petrolina (PE).

Os critérios de inclusão para a participação no estudo foram: ser caracterizado adolescente ou jovem, de ambos os sexos; estar devidamente matriculado nas instituições de ensino fundamental e médio localizadas na zona urbana do município de Petrolina incluídas no estudo; saber ler e escrever na língua portuguesa.

Foram excluídos do estudo os adolescentes que apresentaram, por meio de diagnóstico médico, patologias neurológicas ou alteração no estado físico, comportamental e/ou psicológico que impossibilitassem o preenchimento do instrumento de coleta e aqueles que não preencheram corretamente as questões do questionário.

A distribuição foi feita pelo porte das escolas e período de matrícula dos estudantes, para garantir a proporcionalidade amostral. As escolas foram classificadas em três categorias: pequeno porte (menos de 200 alunos); médio porte (200 a 499 alunos); e grande porte (500 alunos ou mais).16 Os alunos matriculados nos períodos da manhã e da tarde foram agrupados em uma única categoria (estudantes do período diurno).

Para seleção da amostra, recorreu‐se ao procedimento de amostragem aleatória por conglomerados em dois estágios, em que “escola” e “turma” representaram as unidades amostrais, respectivamente, no primeiro e no segundo momento. Todas as 29 escolas da rede pública estadual da zona urbana de Petrolina foram consideradas elegíveis para inclusão no estudo. Após todas as etapas, chegou‐se ao número total de nove escolas de ensino fundamental e médio selecionadas, o que representou 31,03% das escolas estaduais da cidade de Petrolina.

Para quantificação da amostra usou‐se o programa WinPepi, considerou‐se uma população de 25.635 estudantes, intervalo de confiança de 95%; erro máximo tolerável de 5 pontos percentuais; perda amostral de 20%, a prevalência estimada usada foi de 50% e o efeito de delineamento de 2.0, total de 948 adolescentes. Foi considerado um número mínimo de 17 alunos por turma. Dessa forma, 1.326 adolescentes foram avaliados.

Para avaliação dos comportamentos de risco foi empregada a versão brasileira do questionário Youth Risk Behavior Survey (YRBS). Trata‐se de um instrumento elaborado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) e aplicado a cada dois anos em amostras representativas de estudantes de todo o território dos Estados Unidos com intuito de monitorar comportamentos de risco à saúde dos adolescentes e jovens.4 O questionário é composto por 87 questões subdivididas em seis domínios relacionados a comportamentos de risco: 1) lesões não intencionais e violência; 2) uso de tabaco; 3) consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas; 4) comportamento sexual voltado à gravidez indesejada e às doenças sexualmente transmissíveis; 5) hábitos alimentares; e 6) prática de atividade física.4

A validação da versão brasileira foi feita por Guedes e Lopes17 e apresentou índice de concordância Kappa entre moderado a substancial com valor médio de 68,6%, indicou a qualidade das propriedades psicométricas do YRBS–2007. Para este estudo foram usados os seguintes domínios do questionário: uso de tabaco (Kappa: 64,9–86,4); lesões não intencionais e violência (Kappa: 43,6–100); bebidas alcoólicas (Kappa: 49,4–66,7); atividade física (Kappa: 37,2 – 79). As questões empregadas foram: uso atual de tabaco, uso de cigarro nos últimos 30 dias, experimentação de cigarro, idade de iniciação do uso de cigarro, uso de cigarro na escola nos últimos 30 dias, quantidade de cigarros por dia que fumou nos últimos 30 dias, como obteve cigarros nos últimos 30 dias, uso diário de cigarros, tentativa de parar de fumar nos últimos 12 meses, sentimento de tristeza excessiva quase todos os dias por duas ou mais semanas, nos últimos 12 meses, ideação/planejamento/tentativa de suicídio nos últimos 12 meses, envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses, uso de álcool nos últimos 30 dias, bebedeira nos últimos 30 dias e ativo fisicamente nos últimos sete dias.

Com o intuito de testar a aplicabilidade do instrumento, fazer correções, identificar possíveis vieses e limitações na execução da pesquisa, foi feito um estudo‐piloto em uma escola da rede pública estadual de ensino fundamental e médio de Petrolina, com uma amostra de 80 adolescentes.

Os dados foram processados no programa Microsoft Excel, através de digitação dupla, e foram analisados com o programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 20.0 (SPSS Inc., Chicago, IL, Estados Unidos da América, Release 16.0.2, 2008). Inicialmente fez‐se a estatística descritiva, com apresentação das frequências absolutas e relativas das variáveis analisadas, e as prevalências foram estimadas com seus respectivos IC95%. As possíveis associações entre as variáveis independentes e o desfecho (uso atual do tabaco) foram calculadas através do teste qui‐quadrado de Pearson ou exato de Fisher.

As variáveis que apresentaram nível de significância de p ≤ 0,20 no teste de qui‐quadrado foram incluídas na análise de regressão de Poisson com variância robusta estratificada por sexo, foram calculadas as razões de prevalência usadas nas análises brutas e ajustadas, permaneceram na análise final apenas as variáveis que se apresentaram associadas ao desfecho com valor de p < 0,05.

Resultados

Dos 1.326 adolescentes que participaram da pesquisa, 51 foram excluídos por apresentar questionários com erros de preenchimento. Portanto, foram incluídos na análise final 1.275 adolescentes. A amostra foi composta por 716 (56,2%) meninas e 559 (43,8%) meninos. A maioria da população estudada teve entre 15 e 24 anos, denominou‐se parda, afirmou ter alguma religião, denominou o estado conjugal solteiro e afirmou não ter filhos. Com relação às informações acerca da escolaridade dos pais e da renda familiar mensal, foi verificado que 18,3% (n = 222) dos estudantes não souberam informar a escolaridade da mãe, 27,3% (n = 330) a escolaridade do pai e 34,1% (n = 392) a renda mensal familiar.

Na tabela 1 estão apresentadas as variáveis relacionadas ao consumo do tabaco, segundo o sexo dos adolescentes. Vale ressaltar que as questões se referem ao consumo de tabaco em algum momento da vida, sem necessariamente o adolescente ter mantido o hábito do tabagismo. Foi verificado que apenas 7,9% (n = 101) da amostra relataram ter fumado nos últimos 30 dias. Dentre esses, 54 (9,7% [IC%7,34–12,42]) eram do sexo masculino e 47 (6,6% [IC% 4,86–8,63]) do feminino. A prevalência de experimentação de cigarros, consumo atual e diário foi semelhante em relação ao sexo dos adolescentes. Entretanto, o uso de cigarro nos últimos 30 dias na escola foi maior entre os meninos. A faixa mais prevalente, em ambos os sexos, para o início do consumo de cigarros foi de 11 a 14 anos e mais de 50% da amostra iniciou o hábito antes dos 15 anos. A maneira para obtenção de cigarros mais citada foi a compra em lojas de conveniência, bar, supermercado ou posto de gasolina. Além disso, a maioria dos estudantes relatou que não tentou parar de fumar no último ano.

Tabela 1.

Distribuição do consumo de tabaco entre os adolescentes e jovens. Petrolina‐PE, 2014

Variáveis  Sexo femininoSexo masculino
  IC 95%  IC 95% 
Experimentação de cigarro
Sim  139  19,4  16,6‐22,5  139  25  21,4‐28,8 
Não  577  80,6  77,5‐83,4  417  75  71,2‐78,5 
Idade de iniciação do uso de cigarro
8 anos ou menos  8,9  4,2‐16,2  13  11,2  6,1‐18,4 
9 – 10 anos  5,0  1,6‐11,2  10  8,6  4,2‐15,3 
11 – 14 anos  58  57,4  47,2‐ 67,2  58  50,0  40,6‐59,4 
15 anos ou mais  29  28,7  20,1‐38,6  35  30,2  22,0‐39,4 
Uso de cigarro na escola nos últimos 30 dias
Sim  0,3  0,0‐1,0  12  2,2  1,1‐3,8 
Não  714  99,7  99,0‐100,0  544  97,8  96,3‐98,9 
Quantidade de cigarros por dia que fumou nos últimos 30 dias
Menos do que 1 cigarro por dia  17  37  23,2‐52,4  14  28,6  16,6‐43,3 
1 cigarro por dia  19  41,3  27,0‐56,8  14  28,6  16,6‐43,3 
2 a 5 cigarros por dia  19,6  9,4‐33,9  12  24,5  13,3‐38.9 
6 a 10 cigarros por dia  ‐  ‐  ‐  6,1  1,3‐16,9 
11 a 20 cigarros por dia  ‐  ‐  ‐  6,1  1,3‐16,9 
Mais do que 20 cigarros por dia  2,2  0,1‐11,5  6,1  1,3‐16,9 
Como obteve cigarros nos últimos 30 dias
Eu comprei em loja de conveniência, bar, supermercado ou posto de gasolina  12  23,5  12,8‐37,5  31  59,6  45,1‐73,0 
Eu dei dinheiro para alguém comprar para mim  9,8  3,3‐21,4  7,7  2,1‐18,5 
Eu peguei emprestado cigarros de alguém próximo a mim  3,9  0,4‐13,5  3,8  0,5‐13,2 
Uma pessoa com 18 anos ou mais deu o cigarro para mim  12  23,5  12,8‐37,5  5,8  1,2‐15,9 
Eu peguei em casa com alguém da minha família  17,6  8,4‐30,9  ‐  ‐  ‐ 
Eu consegui de outra maneira  11  21,6  11,3‐35,3  12  23,1  12,5‐36,8 
Uso diário de cigarro
Sim  11  1,5  0,8‐2,8  19  3,5  2,1‐5,4 
Não  699  98,5  97,2‐99,2  529  96,5  94,6‐97,9 
Tentativa de parar de fumar nos últimos 12 meses
Sim  26  23,2  15,8‐32,1  40  32,5  24,3‐41,5 
Não  86  76,8  67,9‐84,2  83  67,5  58,4‐75,6 

Nota: O número total pode diferir devido aos valores perdidos.

IC 95%, intervalo de confiança 95%.

Na tabela 2 estão apresentadas as prevalências dos comportamentos de risco entre os estudantes que fizeram uso atual do tabaco, de acordo o sexo dos adolescentes. Pode‐se observar que o comportamento mais prevalente entre as meninas e os meninos foi uso de álcool nos últimos 30 dias.

Tabela 2.

Distribuição dos comportamentos de risco entre os adolescentes e jovens que fizeram uso atual de tabaco, segundo o sexo. Petrolina–PE, 2014

Variáveis  Sexo femininoSexo masculino
  IC 95%  IC 95% 
Uso de álcool nos últimos 30 dias
Sim  34  73,9  58,9 – 85,7  36  67,9  53,7 – 80,1 
Não  12  26,1  14,3 – 41,1  17  32,1  19,9 – 46,3 
Bebedeira nos últimos 30 dias
Sim  26  56,5  41,1 – 71,1  30  56,6  42,3 – 70,1 
Não  20  43,5  28,9 – 58,9  23  43,4  29,8 – 57,7 
Sentimento de tristeza excessiva nos últimos 12 meses
Sim  23  50,0  34,9 – 65,1  11  20,8  10,8 – 34,1 
Não  23  50,0  34,9 – 65,1  42  79,2  65,9 – 89,1 
Ideação/planejamento/tentativa de suicídio nos últimos 12 meses
Sim  31  32,6  19,5 – 48,0  25  48,1  28,7 – 56,8 
Não  15  67,4  51,9 – 80,5  27  51,9  37,6 – 66,0 
Envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses
Sim  14  29,8  17,3 – 44,9  34  64,2  49,8 – 76,9 
Não  33  70,2  55,1 – 82,3  19  35,8  23,1 – 50,2 
Ativo fisicamente nos últimos sete dias
Sim  26  56,5  41,1 – 71,1  33  63,5  49,0 – 76,4 
Não  20  43,5  28,9 – 58,9  19  36,5  23,6 ‐ 51,0 

Nota: o número total pode diferir devido aos valores perdidos.

IC 95%, intervalo de confiança 95%.

A tabela 3 apresenta o teste qui‐quadrado de acordo com o sexo dos adolescentes. Para o modelo de regressão do sexo feminino foram selecionadas as variáveis idade em anos, uso de álcool nos últimos 30 dias, bebedeira nos últimos 30 dias, sentimento de tristeza nos últimos 12 meses, ideação/planejamento/tentativa de suicídio nos últimos 12 meses, envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses e ativo fisicamente nos últimos sete dias, por apresentarem p ≤ 0,20. As variáveis que apresentam p ≤ 0,20 no sexo masculino e entraram para a análise de regressão foram: idade em anos, religião, estado conjugal, uso de álcool nos últimos 30 dias, bebedeira nos últimos 30 dias, ideação/planejamento/tentativa de suicídio nos últimos 12 meses e envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses.

Tabela 3.

Associação entre o consumo atual de tabaco e as variáveis independentes estudadas nos adolescentes e jovens, segundo o sexo. Petrolina–PE, 2014

Variáveis independentes  Uso atual do tabaco
  Sexo femininoSexo masculino
  Sim n (%)  Não n (%)  Total n (%)  Valor de p  Sim n (%)  Não n (%)  Total n (%)  Valor de p 
Idade em anos
14 anos ou menos  10 (3,5)  297 (96,5)  289 (100,0)  0,006a  15 (6,6)  211 (93,4)  226 (100,0)  0,044a 
15 anos ou mais  37 (8,7)  389 (91,3)  426 (100,0)    39 (11,8)  292 (82,8)  331 (100,0)   
Religião
Não ter religião  9 (8,4)  98 (91,6)  107 (100,0)  0,383  14 (12,5)  98 (87,5)  112 (100,0)  0,174b 
Ter religião  37 (6,2)  564 (93,8)  601 (100,0)    36 (8,3)  396 (91,7)  432 (100,0)   
Estado conjugal
Não solteiro  4 (10,3)  35 (89,7)  39 (100,0)  0,310  43 (8,3)  472 (91,7)  515 (100,0)  0,012a 
Solteiro  42 (6,3)  628 (93,7)  670 (100,0)    7 (24,1)  22 (75,9)  29 (100,0)   
Possui filhos
Sim  0 (0,0)  10 (100,0)  10 (100,0)  1,000  1 (12,5)  7 (87,5)  8 (100,0)  0,537 
Não  44 (6,4)  639 (93,6)  683 (100,0)    47 (9,1)  472 (90,9)  519 (100,0)   
Escolaridade da mãe
Até oito anos de estudo  24 (6,9)  326 (93,1)  350 (100,0)  0,460  28 (10,1)  249 (89,9)  277 (100,0)  0,205 
Mais de oito anos de estudo  11 (5,3)  197 (94,7)  208 (100,0)    10 (6,5)  144 (93,5)  154 (100,0)   
Escolaridade do pai
Até oito anos de estudo  16 (6,6)  226 (93,4)  242 (100,0)  0,990  19 (9,7)  176 (90,3)  195 (100,0)  0,325 
Mais de oito anos de estudo  16 (6,6)  225 (93,4)  241 (100,0)    14 (7,0)  186 (93)  200 (100,0)   
Renda familiar mensal em SM
Até 3 SM  22 (6,0)  345 (94,0)  367 (100,0)  1,000  20 (7,7)  241 (92,3)  261 (100,0)  0,395 
Mais de 3 SM  4 (6,3)  60 (93,8)  64 (100,0)    7 (10,9)  57 (89,1)  64 (100,0)   
Uso de álcool nos últimos 30 dias
Sim  34 (17,3)  163 (82,7)  197 (100,0)  0,000a  36 (23,8)  115 (76,2)  151 (100,0)  0,000a 
Não  12 (2,3)  502 (97,7)  514 (100,0)    17 (4,2)  387 (95,8)  404 (100,0)   
Bebedeira nos últimos 30 dias
Sim  26 (20,2)  103 (79,8)  129 (100,0)  0,000a  30 (26,3)  84 (73,7)  114 (100,0)  0,000a 
Não  20 (3,4)  562 (96,6)  582 (100,0)    23 (5,2)  419 (94,8)  442 (100,0)   
Sentimento de tristeza nos últimos 12 meses
Sim  23 (11,6)  175 (88,4)  198 (100,0)  0,001a  11 (12,1)  80 (87,9)  91 (100,0)  0,364 
Não  23 (4,5)  490 (95,5)  513 (100,0)    42 (9,0)  423 (91,0)  465 (100,0)   
Ideação/planejamento/tentativa de suicídio nos últimos 12 meses
Sim  31 (10,1)  275 (89,9)  306 (100,0)  0,001a  25 (11,9)  185 (88,1)  210 (100,0)  0,120b 
Não  15 (3,8)  383 (96,2)  398 (100,0)    27 (7,9)  314 (92,1)  341 (100,0)   
Envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses
Sim  14 (15,7)  75 (84,3)  89 (100,0)  0,000a  34 (20,0)  136 (80,0)  170 (100,0)  0,000a 
Não  33 (5,3)  588 (94,7)  621 (100,0)    19 (4,9)  366 (95,1)  385 (100,0)   
Ativo fisicamente nos últimos sete dias
Sim  26 (7,9)  302 (92,1)  328 (100,0)  0,165b  33 (9,5)  315 (90,5)  348 (100,0)  0,991 
Não  20 (5,3)  355 (94,7)  375 (100,0)    19 (9,5)  182 (90,5)  201 (100,0)   

Teste qui‐quadrado.

Nota: o número total pode diferir devido aos valores perdidos.

SM, salários mínimos.

a

p ≤ 0,05 selecionadas para entrar no modelo de Regressão de Poisson.

b

p ≤ 0,20.

Na tabela 4 está apresentada a Regressão de Poisson, podem ser visualizadas as variáveis independentes que permaneceram associadas ao consumo atual de tabaco, depois de estratificadas pelo sexo. As variáveis que permaneceram associadas no modelo final no sexo feminino foram ter 14 anos ou menos e uso de álcool nos últimos 30 dias, no modelo final do sexo masculino, uso de álcool nos últimos 30 dias e envolvimento em luta corporal. Foi observada validade do modelo estatístico com valor do teste de Omnibus significativo nas análises (p < 0,001).

Tabela 4.

Regressão de Poisson entre o consumo atual de tabaco e as variáveis independentes estratificadas pelo sexo dos adolescentes e jovens. Petrolina–PE, 2014

Variáveis Independentes  Uso atual de tabaco
  Sexo femininoSexo masculino
  RP Ajustado(IC95%)  Valor de p  RP Ajustado(IC95%)  Valor de p 
Idade em anos
14 anos ou menos  0,50 (0,26 – 0,96)  0,039a     
15 anos ou mais       
Uso de álcool nos últimos 30 dias
Sim  3,91 (1,54 – 9,94)  0,004a  2,92 (1,21 – 7,08)  0,018a 
Não     
Envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses
Sim      2,32 (1,32 – 4,09)  0,003a 
Não       

Regressão de Poisson.

IC95%, intervalo de confiança de 95%; RP, Razão de Prevalência.

Variável de referência: uso atual de tabaco.

Variáveis com p < 0,20 que permaneceram no modelo de regressão, de acordo ao sexo.

a

p < 0,05.

Discussão

A prevalência de uso atual do tabaco foi de 9,7% no sexo masculino e 6,6% no sexo feminino, não houve diferença do perfil socioeconômico e de consumo entre os sexos. O consumo atual de álcool influenciou o uso atual do tabaco em ambos os sexos, o envolvimento em luta corporal aumentou a probabilidade do uso de tabaco nos últimos 30 dias no sexo masculino, enquanto que ter 14 anos ou menos reduziu essa probabilidade no sexo feminino. Contudo, esses dados devem ser analisados com cautela, uma vez que com estudos transversais não temos como estabelecer o critério temporal para tal.

Assim, cabe destacar a importância do presente estudo em relação à descrição do hábito de fumar na população de adolescentes e jovens. A prevalência de uso atual do tabaco, referente aos rapazes, encontrada neste estudo foi mais alta do que a nacional registrada na última PeNSE entre os alunos do 9° ano18 e no último levantamento feito pelo Erica com alunos de 12 a 17 anos,5 em que as porcentagens para o sexo masculino foram de apenas 5,8% (IC% 5,4‐6,3) e 6,0% (IC% 5,5‐6,7), respectivamente. No entanto, a prevalência observada no presente estudo para sexo feminino se assemelha aos resultados encontrados nesses levantamentos nacionais, em que 5,4% (IC% 4,9‐5,8) das alunas do 9° ano do ensino fundamental fizeram uso atual do tabaco na pesquisa da PeNSE e 5,3% (IC% 4,8‐5,8) no levantamento Erica.

O tabagismo na adolescência está intimamente relacionado ao meio em que o adolescente está inserido, em sua maior parte é social e culturalmente determinado.19 Dessa forma, é possível explicar a prevalência mais alta de uso atual de tabaco nos adolescentes do sexo masculino encontrada em nosso estudo em relação às demais pesquisas nacionais, pois socialmente alguns comportamentos de risco, como por exemplo o uso de tabaco e o consumo de álcool, são mais toleráveis ou até incentivados de forma precoce no sexo masculino do que no sexo feminino no interior do Nordeste. Embora os adolescentes apresentem um padrão de consumo variável,5 o sexo é um fator que pode interferir o consumo, nos motivos e no padrão de uso dessas substâncias. O contexto histórico, familiar, cultural e social configura distintos padrões de contatos com as substâncias psicoativas em cada um dos sexos e isso está relacionado aos fatores envolvidos na construção histórica do conceito e modelo social de comportamento masculino e feminino.20

As proporções de experimentação de tabaco encontradas de acordo ao sexo no nosso estudo foram superiores às verificadas em um estudo desenvolvido na Região Nordeste que apresentou valores de 15,7% (IC% 13,7–18,0) e 14,6% (IC% 13,3–16,0) entre os meninos e as meninas, respectivamente.5 Nem todos os adolescentes e jovens que experimentam cigarros se tornam fumantes, mas a experimentação é o primeiro passo para adesão futura ao consumo regular de tabaco.21

A maioria da amostra iniciou o consumo de tabaco antes dos 15 anos, dado que corrobora outros estudos.22,23 Tais resultados são preocupantes, pois embora inicialmente a sensação ao tragar um cigarro possa ser desagradável, em seguida à experimentação, há a adaptação ao sabor e surge a sensação de prazer que encoraja uma nova experiência com a droga.24 Quanto mais cedo é registrado o primeiro contato com o tabaco, maior é a chance de o adolescente vir a ser dependente a nicotina.7

Esses achados indicam que as políticas de combate ao tabagismo empregadas no país mantêm‐se importantes, mas revela a necessidade de ações direcionadas ao público estudado, pois, mesmo que existam medidas voltadas para redução do tabagismo, elas tendem a ser mais eficazes ou mais bem aplicadas nas capitais e nos grandes centros, o que torna os adolescentes do interior mais vulneráveis. O cumprimento das leis de restrições de venda e consumo de cigarro, a ampliação da maioridade legal para sua aquisição, a promoção de estilos de vida saudáveis, a inclusão da família em programas de prevenção dos hábitos de fumo, o aumento do preço, a implantação de programas antifumo no ambiente escolar e a garantia de tratamento para os fumantes são algumas das ações que poderiam ser adotadas.25

Com relação aos comportamentos de risco, o consumo de álcool nos últimos 30 dias foi o comportamento mais prevalente entre os estudantes que relataram fazer uso atual do tabaco e foi o fator que aumentou a probabilidade para o uso atual de tabaco tanto para os meninos (RP = 2,92) como para as meninas (RP = 3,91). Isso sugere que esses comportamentos são próximos, independentemente do sexo. Esse achado corrobora os dados encontrados por outros autores.9,10

Em um estudo feito por Elicker et al.,23 foi verificado que o consumo de álcool nos últimos 30 dias amentou em 6,7 vezes a probabilidade de os estudantes de Porto Velho (RO) se envolverem com o uso atual tabaco. A coexistência desses comportamentos de risco deve‐se ao efeito multiplicador que o consumo de substâncias psicoativas é capaz de produzir, em que o uso de uma substância aumenta o risco do consumo de outras.26 Outro fator que explica a relação entre o consumo de bebida alcoólica e tabaco é o fácil acesso dessas drogas lícitas em ambientes frequentados pelos adolescentes, como festas, bares ou em suas próprias casas.27 Dessa forma, a ocorrência de lugares em que os jovens podem consumir tais drogas sem detecção vai expô‐los ao consumo de outras substâncias, bem como o envolvimento com outros comportamentos problemáticos.11

No presente estudo, o envolvimento em luta corporal nos últimos 12 meses diferiu entre os sexos, foi mais prevalente entre os meninos que fizeram uso atual do tabaco do que entre as meninas. Kelishadi et al.12 desenvolveram uma pesquisa com estudantes no Iran e verificaram que o envolvimento em luta corporal aumenta as chances de ser fumante ativo. Outro estudo feito com escolares na África do Sul concluiu que a dependência da nicotina está associada com níveis elevados de violência em adolescentes.11 A relação entre luta corporal e tabaco pode ser explicada porque o consumo de substâncias psicoativas provoca um efeito estimulante que faz os adolescentes apresentarem mais agressividade e maior envolvimento em situações de violência.28 No entanto, devido ao delineamento do estudo não temos como inferir o critério temporal entre as variáveis fumo e luta corporal.

Na nossa pesquisa, a associação entre luta e corporal e uso atual de tabaco foi encontrada apenas no sexo masculino. Isso pode ser explicado pelo fato de os comportamentos violentos serem mais aceitáveis socialmente no sexo masculino. Também, por os meninos não perceberem um desincentivo mais forte e por sentirem que a violência é um comportamento tolerável, acabam por se envolver mais em brigas.29

Um fator que reduziu a probabilidade de as meninas se envolverem com o consumo atual de tabaco foi ter 14 anos ou menos. Malbergier et al.30 encontraram que adolescentes do sexo masculino entre 13 e 18 anos estavam mais propensos a consumir álcool, tabaco e drogas ilícitas do que aqueles entre 10 e 12 anos, mas a situação se repetiu no sexo feminino apenas no consumo de álcool e drogas ilícitas. Normalmente, o consumo de tabaco aumenta de acordo a idade,5,9,15,19 ou seja, idades mais baixas conferem fator de proteção ao consumo recente do tabaco, independentemente do sexo dos adolescentes.31

As informações obtidas neste estudo são relevantes, pois apresentam a realidade local e podem servir de parâmetro para a comparação com estudos desenvolvidos com adolescentes e jovens de outros locais. Em adição, indicam a necessidade de desenvolvimento de mais pesquisas sobre a temática abordada, principalmente na região do interior do Nordeste do país. Ainda, serve de subsídio para o desenvolvimento de estratégias em programas que visem a ações em saúde na escola, como o PSE (Programa de Saúde na Escola), uma política nacional construída com o intuito de aproximar a saúde da educação e promover uma população de escolares mais saudáveis.32

Os dados encontrados, no entanto, devem ser considerados com prudência, dadas as limitações relacionadas à população restrita apenas a estudantes de escolas públicas estaduais de uma cidade do interior de Pernambuco, podem não corresponder à realidade dos adolescentes que não frequentam a escola, que geralmente são os mais vulneráveis, e dos escolares de outras localidades. Outra limitação refere‐se ao fato de ter sido usado um instrumento autoaplicado, o que pode apresentar vieses de informação. Além disso, o questionário não traz informações sobre outras situações que podem influenciar o consumo do tabaco, como, por exemplo, o consumo por pais, pares e amigos, a relação no contexto familiar, trabalho, entre outras.

Ademais, algumas variáveis da população foram prejudicadas pelas perdas de informações dos adolescentes e pela baixa prevalência do desfecho em alguns subgrupos, o que reduziu o poder para detectar associações. Por se tratar de um estudo com delineamento transversal, torna‐se impossível determinar o efeito causal dos comportamentos de risco avaliados.33,34 Dessa forma, sugere‐se que sejam feitos estudos com delineamento longitudinal, que analisem estudantes de escolas particulares e públicas, adolescentes e jovens residentes na capital e interior do estado. Pesquisas futuras irão ajudar a enriquecer a temática, a traçar o perfil da população em risco e a direcionar as ações educativas e em saúde para a população de adolescentes e jovens.

Financiamento

Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe).

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
M. Das Gupta, R. Engelman, J. Levy, G. Luchsinger, T. Merrick, J.E. Rosen.
Situação da população mundial 2014. Fundo de População das Nações Unidas.
UNFPA, (2014),
[2]
L.M. Richter.
Studying adolescence.
Science, 312 (2006), pp. 5-1902
[3]
World Health Organization. Social determinants of health and well‐being among young people: Health Behaviour in School‐Aged Children (HBSC) study: international report from the 2009/2010 survey. Currie C, Zanotti C, Morgan A, Currie D, Looze V de, Roberts C, et al., editors. Europa; 2012:272 p.
[4]
Centers for Disease Control and Prevention.
Youth risk behavior surveillance United States, 2017.
MMWR Surveill Summ, 67 (2018), pp. 1-114
[5]
V.C. Figueiredo, A.S. Szklo, L.C. Costa, M.C. Kuschnir, T.L. Da Silva, K.V. Bloch, et al.
ERICA: prevalência de tabagismo em adolescentes brasileiros.
Rev Saude Publ, 50 (2016), pp. 1s-10s
[6]
K.T. Nogueira, C.M. Fumo, M.da. Silva.
Tabagismo em adolescentes numa escola da rede pública do estado do Rio de Janeiro.
Rev Adolescência Saude, 1 (2004), pp. 6-10
[7]
S.M. Barreto, L. Giatti, M. Oliveira-Campos, M.A. Andreazzi, D.C. Malta.
Experimentation and use of cigarette and other tobacco products among adolescents in the Brazilian state capitals (PeNSE 2012).
Rev Bras Epidemiol, 17 (2014), pp. 62-76
[8]
M.N. Abreu.
Prevalência e fatores associados ao tabagismo entre adolescentes e adultos jovens [Thesis].
Universidade Federal de Minas Gerais, (2011),
[9]
S.M. Barreto, L. Giatti, L. Casado, L.De Moura, C. Crespo, D.C. Malta.
Exposição ao tabagismo entre escolares no Brasil.
Cien Saude Colet, 15 (2010), pp. 34-3027
[10]
A.G. Bonilha, A. Ruffino-Netto, M.P. Sicchieri, J.A. Achcar, A.L. Rodrigues-Júnior, J. Baddini-Martinez.
Correlates of experimentation with smoking and current cigarette consumption among adolescents.
J Bras Pneumol, 40 (2014), pp. 42-634
[11]
K. Pahl, D.W. Brook, N.K. Morojele, J.S. Brook.
Nicotine dependence and problem behaviors among urban South African adolescents.
J Behav Med, 33 (2010), pp. 9-101
[12]
R. Kelishadi, A.E. Babaki, M. Qorbani, Z. Ahadi, R. Heshmat, M.E. Motlagh, et al.
Joint association of active and passive smoking with psychiatric distress and violence behaviors in a representative sample of Iranian children and adolescents: the CASPIAN‐IV Study.
Int J Behav Med, 22 (2015), pp. 61-652
[13]
M.L. Lomba, J.L. Apóstolo, D.F. Cardoso.
Violência em ambientes recreativos noturnos de jovens portugueses. Relação com consumo de álcool e drogas.
Esc Anna Nery, 16 (2012), pp. 7-500
[14]
A.M. Menezes, S.C. Dumith, A. Emidio, R. Silva, A.M. Cascaes, F.V. Ferreira, et al.
Mental health problems and smoking among adolescents from Southern Brazil.
Rev Saude Publ, 45 (2011), pp. 5-700
[15]
H. Alwan, B. Viswanathan, V. Rousson, F. Paccaud, P. Bovet.
Association between substance use and psychosocial characteristics among adolescents of the Seychelles.
BMC Pediatr, (2011), pp. 8-111
[16]
R.M. Tassitano, M.V. Barros, M.C. Tenório, J. Bezerra, P.C. Hallal.
Prevalência e fatores associados ao sobrepeso e à obesidade em adolescentes, estudantes de escolas de ensino médio de Pernambuco, Brasil.
Cad Saude Publ, 25 (2009), pp. 52-2639
[17]
D.P. Guedes, C.C. Lopes.
Validation of the Brazilian version of the 2007 Youth Risk Behavior Survey.
Rev Saude Publ, 44 (2010), pp. 50-840
[18]
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015/IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais.
Ministério da Saúde, Ministério da Educação, editors, (2016),
[19]
S.M. Barreto, L. Giatti, L. Casado, L. de Moura, C. Crespo, D. Malta.
Contextual factors associated with smoking among Brazilian adolescents.
J Epidemiol Commun Health, 66 (2012), pp. 9-723
[20]
R.E. Silveira, Santos AdaS, GdeA. Pereira.
Consumo de álcool, tabaco e outras drogas entre adolescentes do ensino fundamental de um município brasileiro.
Rev Enf Ref, serIV (2014), pp. 51-60
[21]
R.A. Borraci, A.H. Mulassi.
Tobacco use during adolescence may predict smoking during adulthood: simulation‐based research.
Arch Argent Pediatr, 113 (2015), pp. 12-106
[22]
S. Azagba, N.B. Baskerville, L. Minaker.
A comparison of adolescent smoking initiation measures on predicting future smoking behavior.
Prev Med Rep, 2 (2015), pp. 7-174
[23]
E. Elicker, Palazzo LdosS, D.R. Aerts, G.G. Alves, S. Câmara.
Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares de Porto Velh‐RO, Brasil.
Epidemiol Serv Saude, 24 (2015), pp. 399-410
[24]
A.J. Araújo.
Tabagismo na adolescência: por que os jovens ainda fumam?.
J Bras Pneumol, 36 (2010), pp. 3-671
[25]
M. Urrutia-Pereira, V.J. Oliano, C.S. Aranda, J. Mallol, D. Solé.
Prevalence and factors associated with smoking among adolescents.
J Pediatr (Rio J), 93 (2017), pp. 7-230
[26]
R.L. Horta, B.L. Horta, R.T. Pinheiro, B. Morales, M.N. Strey.
Tobacco, alcohol, and drug use by teenagers in Pelotas, Rio Grande do Sul state, Brazil: a gender approach.
Cad Saude Publ, 23 (2007), pp. 83-775
[27]
D.C. Dos Reis, T.A. de Almeida, M.M. Miranda, R.H. Alves, A.M. Madeira.
Health vulnerabilities in adolescence: socioeconomic conditions, social networks, drugs and violence.
Rev Latino‐Am Enferm, 21 (2013), pp. 94-586
[28]
S.S. Andrade, R.T. Yokota, N.N. Sá, M.M. Silva, W.N. Araújo, M.D. Mascarenhas, et al.
Association between physical violence, consumption of alcohol and other drugs, and bullying among Brazilian adolescents.
Cad Saude Publ, 28 (2012), pp. 36-1725
[29]
E. Rudatsikira, A.S. Muula, S. Siziya.
Clinical practice and epidemiology variables associated with physical fighting among US high‐school students.
Clin Pract Epidemiol Ment Heal, 16 (2008), pp. 1-8
[30]
A. Malbergier, L.R. Cardoso, R.A. Amaral, V.C. Santos.
Gender parity and drug use: are girls catching up with boys?.
Braz J Psychiatry, 34 (2012), pp. 16-23
[31]
D.C. Malta, M. Oliveira-Campos, R.R. do Prado, S.S. Andrade, F.C. de Mello, A.J. Dias, et al.
Psychoactive substance use, family context and mental health among Brazilian adolescents, National Adolescent School‐based Health Survey (PeNSE 2012).
Rev Bras Epidemiol, 17 (2014), pp. 46-61
[32]
Brasil. Cadernos de Atenção Básica – Saúde na Escola. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, editors. Vol. Série B, n, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília – DF; 2009.
[33]
R. Mola, R.C. Araújo, J. Vanessa, B. Oliveira, S.B. Cunha, G.F. Souza, et al.
Association between the number of sexual partners and alcohol consumption among schoolchildren.
J Pediatr (Rio J), 93 (2017), pp. 9-192
[34]
R. Mola, A.C. Pitangui, S.A. Barbosa, L.S. Almeida, M.R. Sousa, W.P. Pio, et al.
Condom use and alcohol consumption in adolescents and youth.
Einstein, 14 (2016), pp. 51-143

Como citar este artigo: Cunha SB, Araújo RC, Oliveira JV, Mola R, Pitangui AC. Factors associated with current tobacco use among adolescents and young students. J Pediatr (Rio J). 2020;96:447–55.

Copyright © 2019. Sociedade Brasileira de Pediatria
Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Taxa de publicaçao Publication fee
Os artigos submetidos a partir de 1º de setembro de 2018, que forem aceitos para publicação no Jornal de Pediatria, estarão sujeitos a uma taxa para que tenham sua publicação garantida. O artigo aceito somente será publicado após a comprovação do pagamento da taxa de publicação. Ao submeterem o manuscrito a este jornal, os autores concordam com esses termos. A submissão dos manuscritos continua gratuita. Para mais informações, contate assessoria@jped.com.br. Articles submitted as of September 1, 2018, which are accepted for publication in the Jornal de Pediatria, will be subject to a fee to have their publication guaranteed. The accepted article will only be published after proof of the publication fee payment. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. Manuscript submission remains free of charge. For more information, contact assessoria@jped.com.br.
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.