Compartilhar
Informação da revista
Vol. 92. Núm. 2.
Páginas 156-167 (Março - Abril 2016)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 92. Núm. 2.
Páginas 156-167 (Março - Abril 2016)
Artigo original
DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.01.006
Open Access
Association of eating frequency with anthropometric indices and blood pressure in children and adolescents: the CASPIAN‐IV Study
Associação da frequência de alimentação com índices antropométricos e pressão arterial em crianças e adolescentes: o Estudo CASPIAN‐IV
Visitas
...
Roya Kelishadia, Mostafa Qorbanib,c, Mohammad Esmaeil Motlaghd, Ramin Heshmatc, Gelayol Ardalana, Maryam Bahreyniane,
Autor para correspondência
bahreynian@hlth.mui.ac.ir

Autor para correspondência.
a Departamento de Pediatria, Child Growth and Development Research Center, Research Institute for Primordial Prevention of Non‐communicable Disease, Isfahan University of Medical Sciences, Isfahan, Irã
b Departamento de Medicina Comunitária, Alborz University of Medical Sciences, Karaj, Irã
c Departamento de Epidemiologia, Chronic Diseases Research Center, Endocrinology and Metabolism Population Sciences Institute, Tehran University of Medical Sciences, Teerã, Irã
d Departamento de Pediatria, Ahvaz University of Medical Sciences, Ahvaz, Irã
e Departamento de Nutrição, Child Growth and Development Research Center, Research Institute for Primordial Prevention of Non‐communicable Disease, Isfahan University of Medical Sciences, Isfahan, Irã
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Tabelas (4)
Tabela 1. Características demográficas dos participantes do estudo: o Estudo Caspian‐IV
Tabela 2. Índices antropométricos, atividades no horário de lazer e frequência de pressão arterial elevada em participantes de acordo com sua frequência de alimentação (FA): o Estudo Caspian‐IV
Tabela 3. Características nutricionais dos participantes de acordo com sua frequência de alimentação: o Estudo Caspian‐IV
Tabela 4. Associação entre a frequência de alimentação, índice antropométricos e pressão arterial com diferentes modelos de regressão logística: o Estudo Caspian‐IV
Mostrar maisMostrar menos
Abstract
Objectives

This study was conducted to explore the association of eating frequency (EF) with anthropometric indices and blood pressure (BP) in children and adolescents.

Methods

This nationwide cross‐sectional study was performed on a multi‐stage sample of 14,880 students, aged 6–18 years, living in 30 provinces in Iran. Parents were asked to report dietary intake of children as frequency of food groups and/or items. EF was defined as the sum of the daily consumption frequency of main meals and snacks. Association of EF with weight disorders, abdominal obesity, and elevated BP was assessed using different logistic regression models adjusted for potential confounding factors.

Results

Eating more frequently (≥6 vs. ≤3) was found among students who were at younger age (11.91 vs. 13.29 years) (p<0.001). Students who reported an EF of 4 (OR: 0.67, CI: 0.57–0.79), 5 (OR: 0.74, CI: 0.62–0.87), and 6 (OR: 0.54, CI: 0.44–0.65) had lower odds of being obese compared to those who had EF3. Having EF of 4 (OR: 0.82, CI: 0.71–0.94), 5 (OR: 0.86, CI: 0.74–0.99), and ≥6 (OR: 0.73, CI: 0.63–0.85) was related to lower prevalence of abdominal adiposity.

Conclusion

Higher EF was associated with lower mean values of anthropometric and BP measures, as well as with lower prevalence of generalized and abdominal obesity in children and adolescents. Longitudinal studies are needed to assess the long‐term effects of EF on body composition in the pediatric age group.

Keywords:
Eating frequency
Blood pressure
Anthropometric indices
Obesity
Children and adolescents
Resumo
Objetivos

Este estudo foi feito para explorar a associação da frequência de alimentação (FA) com índices antropométricos e pressão arterial (PA) em crianças e adolescentes.

Métodos

Este estudo transversal nacional foi feito em uma amostra de várias etapas de 14.880 estudantes entre seis e 18 anos de 30 províncias do Irã. Foi pedido que os pais relatassem o consumo alimentar das crianças, como a frequência de grupos e/ou itens alimentares. A FA foi definida como a soma da frequência de consumo diária das principais refeições e lanches. A associação entre FA e disfunções do peso, obesidade abdominal e PA elevada foi avaliada com diferentes modelos de regressão logística ajustados pelos possíveis fatores de confusão.

Resultados

Foi constatada uma alimentação mais frequente (≥ 6 em comparação com ≤ 3) entre estudantes mais novos (11,91 em comparação com 3,29 anos) (P<0,001). Estudantes que relataram quatro [razão de chance (RC): 0,67; intervalo de confiança (IC): 0,57‐0,79], cinco (RC: 0,74; IC: 0,62‐0,87) e seis (RC: 0,54; IC: 0,44‐0.65) refeições apresentaram menores chances de se tornar obesos em comparação com os que apresentaram FAs ≤ 3. FA de quatro (RC: 0,82; IC: 0,71‐0,94), cinco (RC: 0,86; IC: 0,74‐0,99) e ≥ sei (RC: 0,73; IC: 0,63‐0,85) foi associada a menor prevalência de adiposidade abdominal.

Conclusão

A FA mais alta foi associada à redução nos valores médios das medidas antropométricas e de PA, bem como à menor prevalência de obesidade generalizada e abdominal em crianças e adolescentes. São necessários estudos longitudinais para avaliar os efeitos de longo prazo da FA sobre a composição corporal na faixa etária pediátrica.

Palavras‐chave:
Frequência de alimentação
Pressão arterial
Índices antropométricos
Obesidade
Crianças e adolescentes
Texto Completo
Introdução

Está bem documentado que doenças não transmissíveis se originam na infância1 e seus principais fatores de risco, como pressão arterial (PA) elevada e excesso de peso, estão presentes da infância à vida adulta.

A hipertensão é reconhecida como uma das principais possíveis causas de diversos danos graves em órgãos‐alvo.2 A prevalência e nova incidência de PA elevada estão aumentando entre crianças e adolescentes.3 Contudo, foi demonstrado que a PA elevada na infância aumenta o risco de pré‐hipertensão e vida adulta hipertensa.4

A situação do peso corporal é um dos fortes fatores de risco atribuídos à hipertensão.3 A taxa alarmante da prevalência de sobrepeso e obesidade está se tornando agora um problema sério de saúde pública em todo o mundo.5,6

Vários fatores subjacentes, como a elevada interação entre genética e meio ambiente, incluindo componentes da dieta, podem afetar a situação do peso corporal.7 Abordagens dietéticas com foco em nutrientes e alimentos específicos não puderam explicar completamente o estabelecimento da obesidade infantil e suas complicações correspondentes. Assim, é de grande importância se concentrar em padrões dietéticos e comportamentos alimentares como frequência de alimentação (FA).8

Estudos anteriores indicaram que uma FA mais alta está associada ao peso corporal mais saudável e a menor probabilidade de hipertensão entre a população adulta.9,10 Contudo, evidências atuais sobre a relação de FA e adiposidade entre crianças e adolescentes não são conclusivas.11,12 São relatadas algumas associações entre supressão de refeições e aumento do risco de obesidade na juventude,13 ao passo que alguns outros estudos não confirmaram essa relação.14 Portanto, este estudo pretende explorar a associação da FA com índices antropométricos e PA em uma população pediátrica.

Material e métodos

Esta pesquisa transversal multicêntrica foi feita entre 2011‐2012 como a quarta fase de um programa de vigilância de âmbito nacional intitulado Estudo de Vigilância e Prevenção na Infância e Adolescência de Doenças da Vida Adulta Não Transmissíveis (Caspian‐IV).

Os detalhes e protocolos do estudo foram descritos anteriormente.15 Em resumo, a pesquisa Caspian‐IV foi feita em uma amostra probabilística estratificada de várias etapas com 14.880 crianças e adolescentes entre 6‐18 anos que vivem em áreas urbanas e rurais de 30 províncias no Irã. Os comitês de ética de organizações nacionais relevantes aprovaram este estudo (código do comitê de ética: 188092). Foram obtidos o consentimento informado escrito e o consentimento verbal dos pais e participantes.

Prestadores de serviços de saúde treinados mediram índices antropométricos, incluindo estatura (E), peso (P), circunferência da cintura (CC), circunferências do punho e quadril (CQ), segundo os protocolos convencionais, com equipamentos calibrados. A estatura em pé foi medida com um estadiômetro de parede e aproximada para o 0,1cm mais próximo e o peso foi medido com uma balança portátil e aproximado para o 0,1kg mais próximo. A medida da CC foi registrada na circunferência mínima entre a crista ilíaca e a caixa torácica com uma fita não elástica. O índice de massa corporal (IMC) foi então calculado por meio da razão entre P (Kg) e E ao quadrado (m2). As curvas padrão da Organização Mundial de Saúde (OMS) foram usadas para definir o peso abaixo da média, o sobrepeso e a obesidade. A definição de peso abaixo da média teve como base o IMC inferior ao quinto percentil por idade e sexo. Os indivíduos com sobrepeso foram classificados com IMC entre o 85° e 95° percentis e a obesidade foi considerada com IMC superior ao 95° centil por idade e sexo. A razão cintura/quadril (RCQ) e a razão cintura/estatura (RCE) foram calculadas pela divisão da CC pela CQ e pela E, respectivamente. A RCE maior do que 0,5 foi considerada um indicador de obesidade abdominal.16 A avaliação do consumo alimentar de crianças e adolescentes teve como base o relato dos pais como frequência de grupos e/ou itens alimentares. As escolas no Irã funcionam em meio período; portanto, o programa de refeição escolar não é habitual e, assim, os estudantes fazem quase todas as suas refeições em casa; perguntamos aos pais a frequência de consumo das três principais refeições (café da manhã/almoço/jantar) de seus filhos e aos estudantes, perguntamos sobre os lanches.17 Os itens a seguir foram considerados lanches: a) bolos, bolachas, biscoitos, chocolates, doces; b) salgadinhos, chips, pretzels; c) refrigerantes e bebidas açucaradas; d) frutas, sucos naturais, frutas secas; e) leite e laticínios; f) salsichas, pizza e hambúrguer. A FA foi definida como a soma do consumo das principais refeições e de lanches, que ficou entre um e nove e foi categorizada em quatro grupos: FA ≤ 3, FA=4, FA=5 e FA ≥ 6 de acordo com sua distribuição. Os dados sociodemográficos, de atividade física, sono, tempo de tela e hábitos de fumo foram coletados por meio de uma entrevista com os estudantes. A atividade física e o tempo de tela (inclusive assistir TV e usar computador e internet no horário de lazer) foram categorizados como leve, moderado e intenso, com limites de>2h ou ≤ 2h por dia, respectivamente. O escore da situação socioeconômica (SSE) dos participantes foi construído com o método de análise do componente principal e incluiu as variáveis “escolaridade dos pais, trabalho dos pais, posse de carro particular, tipo de escola (pública/particular), tipo de residência (própria/alugada) e posse de computador pessoal em casa. O escore SSE foi categorizado em tercis para formar três níveis de SSE. O primeiro nível foi considerado “SSE baixa”, o segundo, “SSE moderada” e o terceiro, “SSE alta”.

Todas as entrevistas foram feitas em uma atmosfera calma e amigável; os questionários foram preenchidos anonimamente.

Para medir a PA sistólica e diastólica (PAS, PAD), solicitou‐se que os participantes se sentassem silenciosamente, relaxados, com movimentos limitados e respiração normal. A PA foi medida duas vezes com o esfigmomanômetro de mercúrio padronizado e calibrado no braço direito. O manguito tinha um tamanho adequado para a parte superior do braço das crianças e a média de valores medidos (em duplicata, com intervalo de 5 minutos) foi usada para determinar os níveis de PA. As leituras no primeiro som de Korotkoff foram consideradas PAS e as no quinto som foram consideradas PAD. A média das medições em duplicata foi registrada e incluída na análise. O diagnóstico de PA elevada em crianças teve como base o 90° percentil da distribuição de PAS e/ou PAD de acordo com sexo, idade e estatura.18

Análise estatística

Os dados foram analisados com o pacote STATA (Release 12. College Station, STATA Corp LP. Package, TX, EUA). Todas as análises foram feitas com o método de análise de pesquisa. A média, os intervalos de confiança (IC de 95%) e os percentuais foram calculados com relação a variáveis contínuas e categóricas, respectivamente. A média e a prevalência de variáveis contínuas e categóricas em todos os grupos de FA foram avaliadas com os testes qui‐quadrado e de análise de variância (Anova). A associação entre FA e disfunções do peso, obesidade abdominal e PA elevada foi avaliada com diferentes modelos de regressão logística. No Modelo I, foi avaliada a associação bruta; no Modelo II, a análise foi ajustada por idade, sexo e área de residência; no Modelo III, tempo de tela, atividade física, SSE e horas de sono foram ajustados adicionalmente. As análises de PA foram ajustadas pelo IMC no modelo IV. FA ≤ 3 foi considerado o grupo de referência para todos os modelos estatísticos. O resultado da regressão logística é apresentado como razão de chance (RC) e intervalo de confiança (IC) de 95%. A associação da FA com índices antropométricos e nível de PA foi avaliada com diferentes modelos de regressão linear. Todos os ajustes foram os mesmos dos modelos de regressão logística. O resultado da regressão linear é apresentado como Beta (β) e IC de 95%. O nível significativo foi estabelecido no valor de P inferior a 0,05.

Resultados

Em geral, 13486 estudantes completaram o estudo (taxa de participação: 90,6%). A idade média dos participantes era de 12,47 anos (IC de 95%: 12,29; 12,65), 49,2% eram meninas e 75,6% eram de áreas urbanas. As características demográficas e antropométricas dos participantes são apresentadas na tabela 1. Não existiu diferença significativa entre os sexos na idade média (p=0,20). A média geral e o IC de 95% para IMC e CC foram 18,85 (18,71; 18,99) kg/m2 e 67,03 (66,57; 67,48) cm, respectivamente. No total, 19,12% dos estudantes apresentavam obesidade abdominal e 11,89% eram obesos. Uma PA elevada foi documentada entre 3,74% dos estudantes. O café da manhã foi determinado como a principal refeição mais suprimida por crianças e adolescentes (32,08% não tomam café da manhã em comparação a 8,90% que não almoçam e 10,90% que não jantam). Os índices antropométricos, as atividades no horário de lazer e a frequência da pressão arterial elevada estão resumidos na tabela 2. Conforme a idade aumentava, a frequência de alimentação apresentava redução; estudantes de 13,29 anos de idade comiam ≤ 3 refeições e/ou lanches, ao passo que participantes de 11,91 anos comiam ≥ 6 refeições e/ou lanches em um dia (p<0,001). Resultados semelhantes foram observados em meninos e meninas, separadamente. Os índices antropométricos como peso (45,95 em comparação a 39,66kg), cintura (68,75 em comparação a 65,56cm) e IMC (19,61 em comparação a 18,17kg/m2) eram maiores entre aqueles com FA de três ou menos do que três por dia em comparação com estudantes que consumiam seis ou mais de seis refeições e/ou lanches diariamente (todos os valores de p<0,001). Uma FA mais baixa foi relatada entre indivíduos obesos; no total, a obesidade foi documentada em 14,01% dos estudantes que relataram FA<três e em 9,51% daqueles com FA ≥ seis diariamente (p<0,001). A probabilidade de apresentar obesidade abdominal era maior entre os meninos que apresentavam FA<três diariamente (22,01%) em comparação com suas contrapartes com FA ≥ seis (18,30%) (p=0,030). A PAS elevada foi documentada entre participantes com FA mais baixa do que seus pares com FA mais alta (p<0,001). Os mesmos resultados foram observados em meninos (p<0,001) e em meninas (p<0,001) também. Indivíduos com FA<três eram mais suscetíveis a apresentar PAD mais elevada em comparação com aqueles com FA ≥ seis diariamente (p=0<0,001). Chances mais baixas de PA elevada foram observadas entre aqueles que apresentaram FA mais alta (≥ seis) em comparação com aqueles que comiam menos refeições (EF<três) (p=0,040).

Tabela 1.

Características demográficas dos participantes do estudo: o Estudo Caspian‐IV

  Total  Meninos  Meninas  Valor de p 
Idadea(ano)  12,47 (12, 29; 12, 65)  12,36 (12,12; 12,61)  12,58 (12,34; 12,82)  0,20 
Estaturaa(cm)  146,99 (146,10; 147,88)  148,17 (146,84; 149,51)  145,77 (144,70; 146,86)  0,005 
Pesoa(Kg)  42,40 (41,64; 43,16)  43,07 (41,93; 44,21)  41,71 (40,77; 42,65)  0,06 
IMCa(kg/m2)  18,85 (18,71; 18,99)  18,74 (18,54; 18,94)  18,97 (18,76; 19,17)  0,11 
CCa(cm)  67,03 (66,57; 67,48)  67,83 (67,15; 68,52)  66,19 (65,63; 66,76)  <0,001 
Cinturaa(cm)  80,78 (80,16; 81,40)  80,06 (79,21; 80,91)  81,53 (80,65; 82,40)  0,02 
Pulsoa(cm)  14,76 (14,69; 14,84)  15,01 (14,89; 15,14)  14,51 (14,42; 14,60)  <0,001 
RCEa  0,456 (0,454; 0,458)  0,458 (0,456; 0,461)  0,455 (0,452; 0,457)  0,03 
RCQa  0,186 (0,185;187)  0,191 (0,189; 0,192)  0,181(0,180; 0,183)  <0,001 
Duração do sonoa(hora)  9,01 (8,97; 9,06)  9,03 (8,97; 9,09)  8,99 (8,93; 9,06)  0,41 
Obesidade abdominal (%)  19,12 (18,22;20,06)  20,41 (19,09;21,79)  17,79 (16,56;19,09)  0,006 
Sobrepeso (%)  9,66 (9,14;10,21)  9,28 (8,56;10,05)  10,06 (9,30;10,86)  0,16 
Obesidade (%)  11,89 (11,22;12,59)  13,58 (12,59;14,63)  10,15 (9,278;11,09)  <0,001 
Escolaridade do pai (%)
Analfabeto  11,24 (10,46; 12,06)  11,66 (10,46; 12,92)  10,8 (9,76; 11,94)  0,61
Formado  74,77 (73,69; 75,83)  74,39 (72,8; 75,91)  75,17 (73,68; 76,61) 
Bacharel e superior  13,99 (13; 15,04)  13,95 (12,55; 15,48)  14,03 (12,67; 15,5) 
Escolaridade da mãe (%)
Analfabeta  16,99 (16,01; 18,01)  17,59 (16,15; 19,14)  16,37 (15,01; 17,81)  0,47
Formada  74,28 (73,22; 75,31)  73,6 (72,05; 75,1)  74,97 (73,5; 76,39) 
Bacharela e superior  8,73 (7,98; 9,55)  8,80 (7,74; 10)  8,66 (7,63; 9,82) 
Tamanho da família (%)
4 pessoas ou menos  48,92 (47,76;50,07)  50,17 (48,43;51,91)  47,64 (45,83;49,45)  0,06
Mais de 4 pessoas  51,08 (49,93;52,24)  49,83 (48,09;51,57)  52,36 (50,55;54,17) 
SSE (%)
Baixa  33,47 (32,04; 34,94)  33,18 (31,14; 35,29)  33,77 (31,73; 35,87,)  0,57
Moderada  33,09 (32,01; 34,19)  32,67 (31,13; 34,24)  33,52 (32,03; 35,06) 
Alta  33,44 (31,82; 35,09)  34,15 (31,81; 36,57)  32,71 (30,45; 35,04) 
Atividade física (%)
Leve  34,11 (32,66;35,58)  28,75 (26,86;30,72)  39,61 (37,54; 41,72)  <0,001
Moderada  36,78 (35,66;37,92)  35,62 (34,11;37,17)  37,97 (36,36; 39,61) 
Intensa  29,11 (27,79;30,47)  35,62 (33,66;37,63)  22,42 (20,82; 24,1) 
Alta frequência de uso da TV (%)  50,66 (49,49;51,82)  51,18 (49,55;52,81)  50,11 (48,47;51,76)  0,36 
Alto uso de computador e internet  9,63 (8,99;10,32)  12,27 (11,24;13,38)  6,94 (6,25; 7,69)   
Grande atividade de tempo de tela (%)  18,62 (17,71;19,57)  21,93 (20,53;23,4)  15,22 (14,12;16,4)  <0,001 
PASa(mmHg)  101,52 (101,02; 102,02)  102,79 (102,04; 103,55)  100,21 (99,60; 100,83)  <0,001 
PADa(mmHg)  64,88 (64,45; 65,30)  65,58 (64,96; 66,20)  64,15 (63,59; 64,72)  0,001 
HT (%)  3,74 (3,27; 4,28)  4,53 (3,79; 5,41)  2,93 (2,30;,3,74)  0,007 
PAS Alta (mmHg) (%)  0,92 (73,09;115,8)  1,25 (96,64;162,1)  0,58 (36,17;92,14)  0,004 
PAD Alta (mmHg) (%)  3,08 (2,65; 3,58)  3,65 (2,97; 4,46)  2,49 (1,90; 3,27)  0,04 
Histórico familiar de HT (%)  53,64 (52,62; 54,67)  52,4 (50,97; 53,82)  54,92 (53,38;56,45)  0,02 
Histórico familiar de dislipidemia (%)  44,07 (43,08; 45,05)  43,51 (42,09; 44,93)  44,64 (43,22; 46,06)  0,28 
Histórico familiar de obesidade (%)  45,47 (44,38; 46,57)  43,34 (41,85; 44,84)  47,66 (46,07; 49,26)  0,0001 
Histórico familiar de diabetes (%)  37,26 (36,32; 38,21)  36,53 (35,14; 37,93)  38 (36,59; 39,43)  0,16 
Não tomam café da manhã (%)  32,08 (26,99; 29,83)  28,39 (30,99; 33,2)  35,89 (34,27; 37,55)  <0,001 
Não almoçam (%)  8,90 (8,23; 9,62)  8,58 (7,71; 9,54)  9,23 (8,22;10,35)  0,36 
Não jantam (%)  10,9 (10,21;11,62)  8,75 (7,91;9,67)  13,1 (12,05;14,23)  <0,001 

Obesidade abdominal: razão cintura estatura>0,5; Alta frequência de uso da TV:>2h/dia; alto uso de computador:>2h/dia; alto tempo de tela:>2h/dia.

IMC, índice de massa corporal; CC, circunferência da cintura; RCE, razão cintura/estatura; SSE, situação socioeconômica; RCQ, razão cintura/quadril; PAS, pressão arterial sistólica; PAD, pressão arterial diastólica; HT, hipertensão.

a

Os valores são apresentados como a média e o desvio padrão (DP).

Tabela 2.

Índices antropométricos, atividades no horário de lazer e frequência de pressão arterial elevada em participantes de acordo com sua frequência de alimentação (FA): o Estudo Caspian‐IV

  TotalValor de p
  FA ≤ 3  FA=FA=FA ≥ 6 
Idadea(ano)  13,29 (3,26)  12,47 (3,30)  12,21 (3,34)  11,91 (3,34)  <0,001 
Pesoa(Kg)  45,95 (17,35)  42,36 (16,98)  41,44 (16,85)  39,66 (16,16)  <0,001 
CCa(cm)  68,75 (12,32)  67,18 (11,92)  66,74 (11,65)  65,56 (11,41)  <0,001 
Cinturaa(cm)  83,14 (19,40)  81,17 (19,40)  80,28 (13,55)  78,71 (12,98)  <0,001 
Pulsoa(cm)  15,11 (1,87)  14,73 (1,84)  14,65 (1,86)  14,53 (1,84)  <0,001 
RCEa  0,457 (0,065)  0,457 (0,063)  0,458 (0,060)  0,454 (0,062)  0,06 
RCQa  0,186 (0,037)  0,185 (0,031)  0,185 (0,028)  0,187 (0,027)  0,04 
IMCa(kg/m2)  19,61 (4,68)  18,80 (4,36)  18,68 (4,23)  18,17 (4,04)  <0,001 
Sobrepeso (%)  9,91 (8,93,10,99)  10,15 (9,05,11,37)  9,56 (8,51,10,72)  8,84 (7,83,9,96)  0,35 
Obesidade (%)  14,01 (12,79,15,33)  10,83 (9,66,12,12)  12,45 (11,15,13,88)  9,51 (8,326,10,84)  <0,001 
Obesidade abdominal (%)  20,59 (19,11,22,16)  18,42 (16,81,20,15)  20,05 (18,39,21,82)  17,31 (15,7,19,05)  0,01 
Atividade física (%)
Baixa  39,74 (37,55,41,98)  34,25 (32,03,36,53)  30,6 (28,47,32,81)  29,16 (26,98,31,44)  <0,001
Moderada  36,38 (34,5,38,3)  36,91 (34,88,38,99)  37,12 (35,15,39,14)  37,34 (35,25,39,48) 
Alta  23,88 (22,05,25,8)  28,85 (26,77,31,01)  32,28 (30,15,34,48)  33,5 (31,25,35,83) 
Duração do sono
Menos de 5 horas  0,78(0,52, 1,16)  0,64(0,40, 1,01)  0,58(0,35, 0,97)  0,56(0,33, 0,94)  0,0007
5‐8 horas  25,25 (23,52,27,06)  22,86 (21,09,24,73)  21,58 (19,9,23,36)  20,31 (18,57,22,18) 
Mais de 8 horas  73,97 (72,13,75,73)  76,5 (74,61,78,3)  77,83 (76,03,79,54)  79,13 (77,24,80,89) 
           
Alto tempo de tela (%)  17,23 (15,76,18,82)  16,88 (15,38,18,5)  18,33 (16,76,20,01)  20,19 (18,57,21,91)  0,008 
SSE (%)
Baixa  39,24 (36,9,41,64)  32,37 (30,18,34,64)  30,18 (28,32,45)  29,73 (27,53,32,02)  <0,001
Moderada  32,83 (30,96,34,75)  34,27 (32,26,36,34)  32,09 (30,1,34,14)  34,09 (32,14,36,11) 
Alta  27,93 (25,8,30,16)  33,36 (31,01,35,8)  37,74 (35,24,40,31)  36,18 (33,71,38,72) 
Fumante atual (%)  3,44 (2,79, 4,23)  2,76 (2,19,3,47)  1,92 (1,45,2,55)  2,3 (1,75, 3,02)  0,002 
Fumante anterior (%)  47,37 (45,33,49,43)  44,8 (42,85,46,77)  41,91 (39,82,44,03)  41,2 (39,23,43,2)  <0,001 
PASa(mmHg)  102,91 (13,61)  101,28 (13,41)  101,09 (13,08)  100,52 (13,42)  <0,001 
PADa(mmHg)  65,64 (11,82)  64,82 (11,58)  64,59 (11,02)  64,59 (11,35)  0,0006 
HT (%)  4,78 (3,39, 4,49)  3,91 (3,15, 4,85)  3,43 (2,73, 4,30)  3,37 (2,68, 4,23)  0,04 
PAS Alta (mmHg) (%)  1,15 (0,80, 1,65)  0,89 (0,58, 1,36)  0,84 (0,52, 1,34)  0,88 (0,57, 1,35)  0,60 
PAD Alta (mmHg) (%)  3,87 (3,002, 4,98)  3,43 (2,65, 4,21)  2,66 (2,07,3,42)  2,77 (2,15, 3,57)  0,06 
  MeninosValor de p
  FA ≤ 3  FA=FA=FA ≥ 6 
Idadea(ano)  13,18 (3,36)  12,34 (3,33)  12,20 (3,33)  11,83 (3,40)  <0,001 
Pesoa(Kg)  46,40 (18,56)  42,81 (18,60)  42,94 (17,99)  40,31 (17,60)  <0,001 
CCa(cm)  69,61 (12,93)  68,05 (13,08)  67,87 (12,53)  66,22 (12,48)  <0,001 
Cinturaa(cm)  81,87 (14,43)  80,55 (24,02)  80,24 (13,49)  78,04 (13,26)  <0,001 
Pulsoa(cm)  15,41 (2,07)  14,97 (2,07)  14,99 (1,99)  14,76 (2,01)  <0,001 
RCEa  0,459 (0,067)  0,459 (0,068)  0,460 (0,063)  0,456 (0,066)  0,23 
RCQa  0,192 (0,036)  0,189 (0,032)  0,189 (0,032)  0,191 (0,029)  0,14 
IMCa(kg/m2)  19,32 (4,62)  18,54 (4,42)  18,87 (4,23)  18,11 (4,07)  <0,001 
Sobrepeso (%)  9,16 (7,82,10,7)  9,05 (7,59, 10,75)  9,64 (8,18, 11,32)  9,46 (8,05, 11,08)  0,95 
Obesidade (%)  14,81 (13,02,16,79)  11,85 (10,1, 13,84)  16,13 (14,12, 18,37)  10,78 (9,21, 12,58)  0,0001 
Obesidade abdominal (%)  22,01 (19,81,24,38)  19,44 (17,05,22,08)  22,28 (19,92,24,82)  18,30 (16,16,20,65)  0,03 
Atividade física (%)
Baixa  34,2 (31,12,37,41)  29,07 (26,05, 32,29)  27,11 (24,27, 30,15)  23,87 (21,18, 26,78)  <0,001
Moderada  35,43 (32,79,38,16)  35,87 (33,03, 38,8)  34,63 (32,03, 37,34)  36,49 (33,6, 39,48) 
Alta  30,37 (27,5,33,41)  35,06 (31,89, 38,38)  38,25 (35,14, 41,47)  39,64 (36,46, 42,92) 
Duração do son
Menos de 5 horas  0,39(0,17, 0,86)  0,80 (,45, 1,44)  0,57 (0,26, 1,23)  0,52 (0,24, 1,14)  0,17
5‐8 horas  24,37 (21,96,26,95)  23,14 (20,57,25,92)  20,96 (18,68,23,43)  20,89 (18,52,23,48) 
Mais de 8 horas  75,24 (72,63,77,68)  76,06 (73,25,78,66)  78,47 (75,95,80,8)  78,58 (75,99,80,96) 
           
Alto tempo de tela (%)  21,73 (19,44,24,21)  19,62 (17,30,22,17)  21,92 (19,55,24,5)  23,07 (20,77,25,54)  0,20 
SSE (%)
Baixa  39 (35,72, 42,38)  32,97 (29,88, 36,22)  30,59 (27,56, 33,79)  29,29 (26,3,32,46)  <0,001
Moderada  31,24 (28,59,34,03)  33,98 (31,07,37,02)  30,43 (27,74,33,27)  35,43 (32,64,38,32) 
Alta  29,76 (26,61,33,11)  33,05 (29,62,36,67)  38,98 (35,38,42,7)  35,29 (31,92,38,81) 
Fumante atual (%)  4,31 (3,29, 5,63)  3,49 (2,58, 4,70)  3,25 (2,39, 4,39)  3,01 (2,14, 4,22)  0,23 
Fumante anterior (%)  46,33 (43,36, 49,33)  45,63 (42,76, 48,52)  43,05 (40,14, 46,01)  41,79 (38,98, 44,66)  0,058 
PASa(mmHg)  104,29 (14,70)  102,52 (13,89)  102,62 (13,62)  101,75 (14,13)  <0,001 
PADa(mmHg)  66,51 (12,25)  65,56 (11,87)  65,43 (11,36)  65,36 (11,49)  0,02 
HT (%)  6,03 (4,65, 7,79)  4,46 (3,32, 5,95)  4,83 (3,68, 6,31)  4,03 (3,004, 5,38)  0,08 
PAS Alta (mmHg) (%)  1,55 (1,003, 2,40)  1,17 (0,68,2)  1,13 (0,63, 2,05)  1,25 (0,75, 2,07)  0,78 
PAD Alta (mmHg) (%)  4,99 (3,73,6,65)  3,72 (2,70, 5,11)  3,69 (2,74,4,967)  3,17 (2,28, 4,39)  0,07 
  MeninasValor de p
  FA ≤ 3  FA=FA=FA ≥ 6 
Idadea(ano)  13,39 (3,18)  12,60 (3,26)  12,23 (3,36)  12,01 (3,27)  <0,001 
Pesoa(Kg)  45,54 (16,14)  41,93 (15,28)  39,85 (15,40)  38,93 (14,33)  <0,001 
CCa(cm)  67,96 (11,67)  66,34 (10,65)  65,54 (10,51)  64,82 (10,01)  <0,001 
Cinturaa(cm)  84,32 (23,03)  81,75 (13,64)  80,33 (13,62)  79,48 (12,62)  <0,001 
Pulsoa(cm)  14,84 (1,62)  14,49 (1,56)  14,29 (1,64)  14,28 (1,60)  <0,001 
RCEa  0,456 (0,064)  0,455 (0,057)  0,455 (0,056)  0,452 (0,057)  0,28 
RCQa  0,181 (0,037)  0,180 (0,029)  0,180 (0,023)  0,182 (0,025)  0,38 
IMCa(kg/m2)  19,87 (4,73)  19,04 (4,30)  18,49 (4,22)  18,25 (4,01)  <0,001 
Sobrepeso (%)  10,62 (9,22,12,19)  11,19 (9,61,12,98)  9,47 (8,05,11,12)  8,13 (6,77,9,74)  0,03 
Obesidade (%)  13,27 (11,63,15,1)  9,87 (8,36,11,61)  8,57 (7,11,10,31)  8,06 (6,37,10,14)  <0,001 
Obesidade abdominal (%)  19,28 (17,28,21,45)  17,45 (15,34,19,78)  17,7 (15,45,20,21)  16,19 (13,8,18,91)  0,25 
Atividade física (%)
Baixa  44,87 (41,88, 47,9)  39,14 (36,05, 42,33)  34,28 (31,17, 37,53)  35,18 (31,93, 38,56  <0,001
Moderada  37,25 (34,67, 39,91)  37,9 (35,03, 40,85)  39,75 (36,88, 42,68)  38,31 (35,45, 41,26) 
Alta  17,88 (15,79, 20,18)  22,96 (20,43, 25,7)  25,97 (23,2, 28,95)  26,51 (23,62, 29,62) 
Duração do son
Menos de 5 horas  1,14 (0,72, 1,81)  0,48(0,23, 1,01)  0,60(0,30, 1,19)  0,60(0,30,1,19)  0,0008
5‐8 horas  26,07 (23,66,28,62)  22,59 (20,24,25,13)  22,24 (19,84,24,84)  19,66 (17,23,22,33) 
Mais de 8 horas  72,79 (70,18,75,26)  76,92 (74,34,79,32)  77,16 (74,53,79,6)  79,75 (77,05,82,2) 
Alto tempo de tela (%)  13,07 (11,3,15,08)  14,28 (12,43,16,35)  14,54 (12,61,16,71)  16,92 (14,8,19,27)  0,04 
SSE (%)
Baixa  39,47 (36,1,42,94)  31,79 (28,74,35,02)  29,74 (26,78,32,89)  30,23 (27,06,33,6)  <0,001
Moderada  34,28 (31,71,36,96)  34,55 (31,8,37,4)  33,81 (31,01,36,73)  32,58 (29,87,35,4) 
Alta  26,25 (23,36,29,35)  33,66 (30,46,37,01)  36,44 (33,06,39,97)  37,2 (33,66,40,87) 
Fumante atual (%)  2,63 (1,89, 3,64)  2,07 (1,45, 2,95)  0,52 (0,25,1,09)  1,49 (0,95, 2,34)  0,0001 
Fumante anterior (%)  48,34 (45,51,51,17)  44,01 (41,31,46,75)  40,71 (37,8,43,68)  40,53 (37,75,43,37)  <0,001 
PASa(mmHg)  101,64 (12,38)  100,10 (12,83)  99,46 (12,29)  99,12 (12,42)  <0,001 
PADa(mmHg)  64,84 (11,35)  64,13 (11,26)  63,72 (10,59)  63,73 (11,15)  0,02 
HT (%)  3,61 (2,38, 5,44)  3,40 (2,45,4,68)  1,95 (1,30, 2,91)  2,63 (1,77, 3,88)  0,08 
PAS Alta (mmHg) (%)  0,78 (0,41, 1,49)  0,6233 (0,30, 1,27)  0,5251 (0,25, 1,09)  0,45 (0,20, 0,99)  0,58 
PAD Alta (mmHg) (%)  2,83 (1,69, 4,70)  2,98 (2,10, 4,20)  1,575 (0,99, 2,48)  2,33 (1,52, 3,55)  0,18 

Obesidade abdominal: razão cintura estatura>0,5; alto tempo de tela:>2h/dia.

IMC, índice de massa corporal; CC, circunferência da cintura; RCE, razão cintura/estatura; SSE, situação socioeconômica; RCQ, razão cintura/quadril; PAS, pressão arterial sistólica; PAD, pressão arterial diastólica; HT, hipertensão.

a

As variáveis contínuas são apresentadas como média (DP).

Conforme mostrado na tabela 3, o consumo de leguminosas e soja foi mais elevado entre os que apresentaram FA ≥ seis em comparação com aqueles com FA<três (p=0,002). O mesmo padrão foi relatado em meninos (p=0,08) e meninas (p=0,01).

Tabela 3.

Características nutricionais dos participantes de acordo com sua frequência de alimentação: o Estudo Caspian‐IV

  TotalValor de p
  FA ≤ 3  FA=FA=FA ≥ 6 
Laticínios com alto teor de gordura (diariamente)  24,4 (22,69; 26,2)  32,6 (30,62;34,63)  35,91 (33,92;37,94)  42,06 (40,02;44,12)  <0,001 
Laticínios com teor regular de gordura (diariamente)  52,21 (50,11;54,31)  63,56 (61,56;65,52)  66,99 (64,97;68,95)  70,84 (68,97;72,65)  <0,001 
Leguminosas e soja (diariamente)  17,58 (16,05;19,22)  18,96 (17,34;20,69)  21,22 (19,52;23,03)  21,06 (19,32;22,92)  0,002 
Salsichas, pizza, hambúrguer (diariamente)  1,46 (1,07; 1,99)  1,89 (1,32; 2,70)  2,11 (1,62; 2,73)  3,46 (2,83; 4,22)  <0,001 
Carne vermelha, frango, peixe (diariamente)  25,86 (24,02;27,8)  33,07 (31,03;35,18)  35,71 (33,64;37,83)  40,04 (37,84;42,27)  <0,001 
Miúdos (diariamente)  1,55 (1,16; 2,08)  1,63 (1,14; 2,35)  1,85 (1,40; 2,45)  2,34 (1,74; 2,88)  0,26 
Pão (diariamente)  95,93 (95,13;96,61)  97,23 (96,52;97,80)  97,82 (97,17; 98,32)  98,25 (97,67;98,69)  <0,001 
Arroz (diariamente)  64,86 (62,7,66,96)  71,65 (69,71,73,50)  74,23 (72,18,76,17)  76,03 (74,04,77,9)  <0,001 
Batata cozida ou frita (diariamente)  16,07 (14,69;17,55)  17,98 (16,42;19,65)  19,69 (18,04;21,46)  21,44 (19,75;23,24)  <0,001 
Bolos, bolachas, biscoitos, chocolates, doces (diariamente)  27,69 (25,93;29,52)  38,53 (36,55;40,55)  44,67 (42,59;46,76)  56,01 (53,87;58,13)  <0,001 
Salgadinhos, chips, pretzels (diariamente)  11,71 (10,49;13,05)  13,22 (11,91;14,65)  14,81 (13,38;16,36)  23,24 (21,4;25,19)  <0,001 
Refrigerantes (diariamente)  5,009 (4,27; 5,87)  6,49 (5,55; 7,57)  7,13 (6,23; 8,15)  11,9 (10,65;13,28)  <0,001 
Frutas, sucos naturais, frutas secas (diariamente)  38,36 (36,38;40,38)  53,36 (51,2;55,51)  62,67 (60,62;64,68)  69,51 (67,46;71,49)  <0,001 
Vegetais cozidos ou crus (diariamente)  36,39 (34,42;38,4)  44,22 (42,22;46,25)  47,73 (45,63;49,83)  53,17 (51,08;55,24)  <0,001 
Nozes ou sementes (diariamente)  8,35 (7,35; 9,47)  9,32 (8,28;10,47)  12,65 (11,33;14,09)  14,70 (13,29;16,23)  <0,001 
Alimentos fritos (diariamente)  16,89 (15,49;18,4)  18,12 (16,63;19,71)  19,19 (17,58;20,91)  22,08 (20,36;23,9)  <0,001 
  MeninosValor de p
  FA ≤ 3  FA=FA=FA ≥ 6 
Laticínios com alto teor de gordura (diariamente)  25,24 (22,82;27,83)  34,48 (31,63;37,46)  36,03 (33,31;38,85)  43,06 (40,32;45,85)  <0,001 
Laticínios com teor regular de gordura (diariamente)  53,66 (50,7;56,6)  63,01 (60,65;93)  65,98 (63,08;68,77)  70,33 (67,66;72,86)  <0,001 
Leguminosas e soja (diariamente)  16,86 (14,85;19,08)  17,84 (15,63;20,28)  19,18 (16,97;21,59)  20,46 (18,07;23,07)  0,08 
Salsichas, pizza, hambúrguer (diariamente)  1,81 (1,22;2,7)  2,34 (1,55; 3,53)  2,27 (1,60;,3,21)  4,21 (3,26; 5,42)  0,0005 
Carne vermelha, frango, peixe (diariamente)  24,09 (21,56;26,82)  30,66 (27,75;33,73)  33,90 (31,04;36,88)  38,21 (35,19;41,32)  <0,001 
Miúdos (diariamente)  1,74 (1,16; 2,61)  2,12 (1,43; 3,13)  2,05 (1,39;3,02)  2,37 (1,69; 3,30)  0,69 
Pão (diariamente)  96,19 (95,06;97,07)  97,88 (96,83;98,59)  97,51 (96,49;98,25)  98,29 (97,43;98,87)  0,003 
Arroz (diariamente)  65,98 (62,81, 69,01)  72,28 (69,26, 75,1)  73,48 (70,49, 76,26)  74,14 (71,27, 76,82)  <0,001 
Batata cozida ou frita (diariamente)  16,79 (14,72;19,08)  17,48 (15,42;19,76)  19,80 (17,52;22,29)  22,08 (19,80;24,55)  0,001 
Bolos, bolachas, biscoitos, chocolates, doces (diariamente)  26,28 (23,85;28,86)  37,96 (35,13;40,87)  41,51 (38,57;44,50)  53,81 (50,70;56,89)  <0,001 
Salgadinhos, chips, pretzels (diariamente)  11,29 (9,65;13,17)  12,37 (10,56;14,44)  13,85 (11,91;16,05)  22,05 (19,65;24,65)  <0,001 
Refrigerantes (diariamente)  5,955 (4,83; 7,32)  6,97 (5,66; 8,55)  7,31 (6,07;8,80)  12,02 (10,37;13,9)  <0,001 
Frutas, sucos naturais, frutas secas (diariamente)  35,82 (33,06;38,67)  51,61 (48,37;54,83)  59,70 (56,73;62,60)  68,53 (65,61;71,31)  <0,001 
Vegetais cozidos ou crus (diariamente)  33,23 (30,49;36,08)  40 (37,18;42,89)  45,35 (42,41;48,33)  51,65 (48,71;54,57)  <0,001 
Nozes ou sementes (diariamente)  8,17 (6,81; 9,77)  8,90 (7,46;10,60)  11,43 (9,79;13,29)  13,71 (11,94;15,70)  <0,001 
Alimentos fritos (diariamente)  17,67 (15,62; 19,92)  17,75 (15,58; 20,15)  18,25 (16,06; 20,67)  22,19 (19,65; 24,95)  0,009 
  MeninasValor de p
  FA ≤ 3  FA=FA=FA ≥ 6 
Laticínios com alto teor de gordura (diariamente)  23,62 (21,29;26,11)  30,81 (28,22;33,52)  35,78 (33,38;65)  40,92 (38,43;9)  <0,001 
Laticínios com teor regular de gordura (diariamente)  50,87 (47,86;53,87)  64,08 (61,36;66,72)  68,06 (65,23;70,76)  71,43 (68,73;73,98)  <0,001 
Leguminosas e soja (diariamente)  18,24 (16,20;72)  20,03 (17,75;22,52)  23,38 (20,83;26,13)  21,75 (19,29;24,42)  0,01 
Salsichas, pizza, hambúrguer (diariamente)  1,14 (0,69; 1,88)  1,46 (0,91; 2,33)  1,94 (1,31; 2,86)  2,61 (1,90; 3,59)  0,02 
Carne vermelha, frango, peixe (diariamente)  27,5 (24,86;30,31)  35,37 (32,43;38,42)  37,6 (34,59;40,71)  42,11 (38,95;45,34)  <0,001 
Miúdos (diariamente)  1,38 (0,89; 2,12)  1,18 (0,68; 2,02)  1,64 (1,09; 2,46)  2,09 (1,41; 3,08)  0,28 
Pão (diariamente)  95,69 (94,46;96,66)  96,61 (95,53;97,43)  98,14 (97,23;98,75)  98,21 (97,33;98,80)  <0,001 
Arroz (diariamente)  63,83 (60,65,66,89)  71,05 (68,21,73,74)  75,02 (72,06,77,76)  78,16 (75,27,80,80)  <0,001 
Batata cozida ou frita (diariamente)  15,41 (13,63; 17,37)  18,45 (16,23;20,89)  19,58 (17,2;,22,16)  20,72 (18,29;23,38)  0,004 
Bolos, bolachas, biscoitos, chocolates, doces (diariamente)  28,99 (26,55;31,56)  39,07 (36,34;41,87)  47,99 (45,08;50,90)  58,49 (55,57;61,35)  <0,001 
Salgadinhos, chips, pretzels (diariamente)  12,1 (10,3;14,07)  14,03 (12,22;16,05)  15,82 (13,76;18,12)  24,59 (21,84;27,56)  <0,001 
Refrigerantes (diariamente)  4,13 (3,22; 5,29)  6,04 (4,83;7,521)  6,94 (5,71; 8,41)  11,77 (9,97;13,84)  <0,001 
Frutas, sucos naturais, frutas secas (diariamente)  40,72 (37,87;43,63)  55,03 (52,06;57,97)  65,8 (62,95;68,54)  70,63 (67,8;73,31)  <0,001 
Vegetais cozidos ou crus (diariamente)  39,32 (36,57;42,14)  48,23 (45,41;51,07)  50,22 (47,28;53,16)  54,89 (51,94;57,81)  <0,001 
Nozes ou sementes (diariamente)  8,51 (7,11;10,15)  9,71 (8,28;11,37)  13,92 (11,97;16,13)  15,82 (13,7;18,2)  <0,001 
Alimentos fritos (diariamente)  16,18 (14,26;18,3)  18,47 (16,45;20,69)  20,18 (17,86;22,71)  21,96 (19,74;24,35)  0,001 

A tabela 4 apresenta a relação da FA com obesidade abdominal, distúrbios de peso e PA. Foi observada uma relação significativa entre FA e obesidade; estudantes que relataram quatro [razão de chance (RC): 0,67; IC: 0,57‐0,79], cinco (RC: 0,74; IC: 0,62‐0,87) e seis (RC: 0,54; IC: 0,44‐0,65) refeições apresentaram uma probabilidade mais baixa de ser obesos em comparação com queles que apresentavam FA<três. As chances de obesidade abdominal apresentaram uma associação inversa com a FA diária; FA de quatro (RC: 0,82; IC: 0,71‐0,94), cinco (RC: 0,86, IC: 0,74‐0,99) e ≥ seis (RC: 0,73; IC: 0,63‐0,85) diminuíram a RC da adiposidade abdominal. Alimentar‐se cinco vezes por dia foi relacionado a um risco menor de PAD (RC: 0,68; IC: 0,49‐0,94). A princípio, porém, depois de controlar as variáveis de confusão, essa associação não era mais significativa (RC: 0,85; IC: 0,60‐1,20). As mesmas associações foram observadas para PA elevada e FA=cinco no modelo 1 (RC: 0,71; IC: 0,53‐0,95) e no modelo cru da PA elevada e FA ≥ seis (RC: 0,69; IC: 0,51‐0,95); essas associações não eram mais significativas depois do ajuste adicional por possíveis covariáveis.

Tabela 4.

Associação entre a frequência de alimentação, índice antropométricos e pressão arterial com diferentes modelos de regressão logística: o Estudo Caspian‐IV

  Abaixo do peso  Sobrepeso  Obesidade  Obesidade abdominal  PAS Elevada  PAD Elevada  PA Elevada 
  RC (IC de 95%)  RC (IC de 95%)  RC (IC de 95%)  RC (IC de 95%)  RC (IC de 95%)  RC (IC de 95%)  RC (IC de 95%) 
FA=4/FA<=3
Modelo Ia  1,13 (0,96; 1,32)  1,03 (0,87; 1,21)  0,74 (0,64; 0,87)  0,87 (0,76; 0,99)  0,77 (0,46; 1,27)  0,86 (0,64; 1,15)  0,81 (0,62; 1,05) 
Modelo IIb  1,11 (0,95; 1,31)  1,05 (0,89; 1,24)  0,71 (0,61; 0,84)  0,86 (0,75; 0,98)  0,88 (0,52; 1,48)  0,95 (0,71; 1,28)  0,91 (0,70; 1,18) 
Modelo IIIc  1,18 (0,99; 1,39)  1,01 (0,85; 1,20)  0,67 (0,57; 0,79)  0,82 (0,71; 0,94)  0,85 (0,51; 1,43)  0,97 (0,71; 1,31)  0,91 (0,70; 1,20) 
Modelo IVd  ‐  ‐  ‐  ‐  0,86 (0,51, 1,45)  0,98 (0,72, 1,33)  0,94 (0,71, 1,24) 
FA=5/FA<=3
Modelo Ia  0,91 (0,77; 1,08)  0,96 (0,81; 1,13)  0,87 (0,75; 1,02)  0,97 (0,84; 1,11)  0,72 (0,41; 1,29)  0,68 (0,49; 0,94)  0,71 (0,53; 0,95) 
Modelo IIb  0,90 (0,75; 1,07)  0,99 (0,83; 1,17)  0,81 (0,69; 0,95)  0,93 (0,81; 1,07)  0,84 (0,47; 1,50)  0,77 (0,55; 1,06)  0,81 (0,60; 1,08) 
Modelo IIIc  0,96 (0,80; 1,16)  0,91 (0,76; 1,09)  0,74 (0,62; 0,87)  0,86 (0,74; 0,99)  0,74 (0,40; 1,37)  0,83 (0,59; 1,17)  0,86 (0,63; 1,16) 
Modelo IVd  ‐  ‐  ‐  ‐  0,81 (0,44; 1,49)  0,85 (0,60; 1,20)  0,88 (0,65; 1,21) 
FA6/FA<=3
Modelo Ia  1,20 (1,02; 1,41)  0,88 (0,74; 1,05)  0,64 (0,54; 0,77)  0,81 (0,70; 0,93)  0,76 (0,44; 1,29)  0,71 (0,50; 1,01)  0,69 (0,51; 0,95) 
Modelo IIb  1,16 (0,99; 1,36)  0,93 (0,78; 1,11)  0,60 (0,50; 0,72)  0,79 (0,68; 0,91)  0,93 (0,53; 1,63)  0,82 (0,57; 1,18)  0,82 (0,60; 1,13) 
Modelo IIIc  1,19 (1,005; 1,41)  0,87 (0,72; 1,04)  0,54 (0,44; 0,65)  0,73 (0,63; 0,85)  0,79 (0,45; 1,40)  0,80 (0,56; 1,16)  0,80 (0,57; 1,10) 
Modelo IVd  ‐  ‐  ‐  ‐  0,94 (0,53; 1,66)  0,85 (0,58; 1,23)  0,86 (0,61; 1,20) 

RC, razão de chance; IC, intervalo de confiança; FA, frequência de alimentação; PAS, pressão arterial sistólica; PAD, pressão arterial diastólica.

a

Modelos crus, sem ajustes.

b

Ajustado pela idade e sexo e por região.

c

Ajustado adicionalmente pelo tempo de tela, atividade física, situação socioeconômica e duração do sono.

d

Ajustado adicionalmente pelo IMC, PAS elevada, PAD elevada e hipertensão.

p<0,05

FA<=3 foi considerado o grupo de referência para todos os modelos.

Discussão

Este estudo nacional, que, no melhor de nosso conhecimento, é o primeiro de seu tipo, constatou que a FA mais elevada por dia estava inversamente associada ao sobrepeso, à obesidade e aos índices antropométricos, bem como a PA média e elevada. Muitos estudos epidemiológicos anteriores entre adultos relataram associações favoráveis de alimentação frequente com PA; contudo, faltam evidências na faixa etária pediátrica.10

Foi constatada uma alimentação mais frequente (≥ seis em comparação com ≤ três) entre estudantes mais novos. Isso pode ser devido ao maior controle dos pais quanto ao consumo de alimentos de crianças mais novas e, portanto, maior adesão e regularidade de hábitos alimentares saudáveis por crianças jovens.19

Aumentando a FA, os valores médios estimados de medidas antropométricas, incluindo P e CC, bem como a prevalência de sobrepeso, obesidade e obesidade abdominal, diminuíram. Uma redução semelhante foi documentada na média de PAS, PAD e na prevalência de PAS e PAD elevadas. A associação entre alimentação frequente e menor prevalência de obesidade também foi proposta em estudos anteriores.20 Foi pressuposto que uma FA baixa pode promover ganho de peso e consequências desfavoráveis para a saúde que imitam características da síndrome metabólica entre a população adulta. Por outro lado, a FA mais alta poderia levar ao excesso de peso por meio de maior ingestão de calorias durante um dia. Embora controverso, sugeriu‐se que a redução na fome proporcionada pela alimentação regular resultante de FAs mais altas pode ser outro possível mecanismo de controle de peso resultante de FA mais alta.20,21 A proporção do consumo de energia distribuído ao longo de um dia parece ser um fator principal do controle do peso. Também foi proposto que a distribuição do consumo diário de energia padronizado em uma série de FAs pode não levar a uma associação entre FA e peso, ao passo que foi observada uma associação direta com o consumo à vontade.22

A relação entre FA e PA não foi entendida de forma extensa. Neste estudo, a FA mais baixa foi associada a PAS e PAD maiores, em comparação com o grupo com FA mais alta. A mesma associação foi encontrada com relação à PA elevada. Em um exame de manutenção de peso, os indivíduos com uma refeição por dia apresentaram PAS e PAD 6% maior em comparação com aqueles que consumiam três refeições por dia.23 Não foi encontrada associação entre PA e uma ampla gama de FAs, de um a nove, em estudos anteriores,24,25 ao passo que um estudo indicou que a relação da FA diária, principalmente a frequência de lanches, com a PA em crianças de idade escolar dependia inversamente das massas magra e gorda dos participantes.26 Contudo, em nosso estudo, as relações entre FA e PA foram ajustadas pelo IMC e pela CC.

Os mecanismos subjacentes responsáveis pela associação entre FA e PA ainda devem ser determinados, porém podem ser parcialmente explicados pela associação existente entre FA e a adiposidade geral ou central. Algumas evidências sugerem que a FA baixa está associada à obesidade, principalmente a obesidade abdominal.27 Nossos resultados são compatíveis com os achados de um estudo recente que mostrou que a FA mais baixa estava relacionada com o aumento maior nas variações de IMC e CC de 10 anos de meninas adolescentes.28 A obesidade é reconhecida como um fator de contribuição para a morbidez por hipertensão.29 Em nosso estudo, encontramos associações significativas entre FA e obesidade generalizada e abdominal. Além disso, a relação entre FA e PA foi atenuada após o controle do IMC e da CC. Esses achados sugerem que a obesidade abdominal pode ser uma causa subjacente da associação entre FA e PA elevada. Constatamos que indivíduos com FAs mais altas relataram maior ingestão de leguminosas e proteína de soja, aves e peixe, arroz, pão, frutas e sucos naturais. Da mesma forma, os achados anteriores indicaram que indivíduos com FA mais alta eram mais propensos a escolher alimentos saudáveis, o que leva a maior qualidade de sua dieta30 e maior ingestão diária de micronutrientes, incluindo vitamina A, C, E e betacaroteno.10

As limitações deste estudo devem ser abordadas. Primeiro, sua natureza transversal impede suposições sobre as relações de causa e efeito. Além disso, pode ter ocorrido um possível viés de memória das ingestões alimentares devido à coleta de dados retrospectivos. Terceiro, como principal limitação de estudos sobre FA, ainda inexiste uma definição padrão dos principais termos, como ocasiões de alimentação, FA, refeições e lanches. Devido às diferenças substanciais nas definições, pode ser difícil comparar os resultados dos estudos.21 Adicionalmente, não determinamos o consumo e o gasto de energia exatos dos participantes. Contudo, no melhor de nosso conhecimento, este é o primeiro estudo a explorar a associação entre FA, PA e índices antropométricos em uma grande população pediátrica nacional representativa.

Em nosso estudo, a FA mais alta foi associada à redução nos valores médios das medidas antropométricas e na prevalência de obesidade generalizada e abdominal, bem como à redução nas medidas de PA em crianças e adolescentes. São necessários estudos longitudinais para identificar os efeitos da FA sobre a composição corporal, a condição de saúde, o sentimento de fome e saciedade, bem como sobre o equilíbrio hormonal, principalmente em crianças e adolescentes obesos.

Financiamento

Este estudo foi feito como parte de um programa nacional de vigilância.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Agradecimentos

À grande equipe que trabalhou neste projeto, bem como aos estudantes, seus pais e diretores da escola que participaram voluntariamente.

Referências
[1]
R. Kelishadi, P. Poursafa.
A review on the genetic, environmental, and lifestyle aspects of the early‐life origins of cardiovascular disease.
Curr Probl Pediatr Adolesc Health Care, 44 (2014), pp. 54-72
[2]
A. Spagnolo, M. Giussani, A.M. Ambruzzi, M. Bianchetti, S. Maringhini, M.C. Matteucci, et al.
Focus on prevention, diagnosis and treatment of hypertension in children and adolescents.
Ital J Pediatr, 39 (2013), pp. 20
[3]
J.M. Sorof, D. Lai, J. Turner, T. Poffenbarger, R.J. Portman.
Overweight, ethnicity, and the prevalence of hypertension in school‐aged children.
Pediatrics, 113 (2004), pp. 475-482
[4]
X. Chen, Y. Wang.
Tracking of blood pressure from childhood to adulthood: a systematic review and meta‐regression analysis.
Circulation, 117 (2008), pp. 3171-3180
[5]
R. Kelishadi, A.A. Haghdoost, B. Sadeghirad, R. Khajehkazemi.
Trend in the prevalence of obesity and overweight among Iranian children and adolescents: a systematic review and meta‐analysis.
Nutrition, 30 (2014), pp. 393-400
[6]
S. Cavaco, T. Eriksson, A. Skalli.
Life cycle development of obesity and its determinants in six European countries.
Econ Hum Biol, 14 (2014), pp. 62-78
[7]
O. Receveur, K. Morou, K. Gray-Donald, A.C. Macaulay.
Consumption of key food items is associated with excess weight among elementary‐school‐aged children in a Canadian first nations community.
J Am Diet Assoc, 108 (2008), pp. 362-366
[8]
G. Rodríguez, L.A. Moreno.
Is dietary intake able to explain differences in body fatness in children and adolescents?.
Nutr Metab Cardiovasc Dis, 16 (2006), pp. 294-301
[9]
C. Berg, G. Lappas, A. Wolk, E. Strandhagen, K. Torén, A. Rosengren, et al.
Eating patterns and portion size associated with obesity in a Swedish population.
[10]
S. Kim, G.H. Park, J.H. Yang, S.H. Chun, H.J. Yoon, M.S. Park.
Eating frequency is inversely associated with blood pressure and hypertension in Korean adults: analysis of the Third Korean National Health and Nutrition Examination Survey.
Eur J Clin Nutr, 68 (2014), pp. 481-489
[11]
M.J. Chinapaw, M. Yildirim, T.M. Altenburg, A.S. Singh, E. Kovács, D. Molnár, et al.
Objective and self‐rated sedentary time and indicators of metabolic health in Dutch and Hungarian 10‐12 year olds: the Energy‐Project.
[12]
M. Payab, R. Kelishadi, M. Qorbani, M.E. Motlagh, S.H. Ranjbar, G. Ardalan, et al.
Association of junk food consumption with high blood pressure and obesity in Iranian children and adolescents: the Caspian‐IV Study.
J Pediatr (Rio J), 91 (2015), pp. 196-205
[13]
B. Koletzko, A.M. Toschke.
Meal patterns and frequencies: do they affect body weight in children and adolescents?.
Crit Rev Food Sci Nutr, 50 (2010), pp. 100-105
[14]
A.M. Siega-Riz, T. Carson, B. Popkin.
Three squares or mostly snacks – what do teens really eat? A sociodemographic study of meal patterns.
J Adolesc Health, 22 (1998), pp. 29-36
[15]
R. Kelishadi, G. Ardalan, M. Qorbani, A. Ataie-Jafari, M. Bahreynian, M. Taslimi, et al.
Methodology and early findings of the Fourth Survey of Childhood and Adolescence Surveillance and Prevention of Adult Non‐Communicable Disease in Iran: the Caspian‐IV Study.
Int J Prev Med, 4 (2013), pp. 1451-1460
[16]
C. Li, E.S. Ford, A.H. Mokdad, S. Cook.
Recent trends in waist circumference and waist‐height ratio among US children and adolescents.
Pediatrics, 118 (2006), pp. e1390-e1398
[17]
R. Kelishadi, R. Majdzadeh, M.E. Motlagh, R. Heshmat, T. Aminaee, G. Ardalan, et al.
Development and evaluation of a questionnaire for assessment of determinants of weight disorders among children and adolescents: the Caspian‐IV Study.
Int J Prev Med, 3 (2012), pp. 699-705
[18]
Z. Fallah, M. Qorbani, M.E. Motlagh, R. Heshmat, G. Ardalan, R. Kelishadi.
Prevalence of prehypertension and hypertension in a nationally representative sample of Iranian children and adolescents: the Caspian‐IV Study.
Int J Prev Med, 5 (2014), pp. S57-S64
[19]
C. Arcan, D. Neumark-Sztainer, P. Hannan, P. van den Berg, M. Story, N. Larson.
Parental eating behaviours, home food environment and adolescent intakes of fruits, vegetables and dairy foods: longitudinal findings from Project EAT.
Public Health Nutr, 10 (2007), pp. 1257-1265
[20]
M.A. Palmer, S. Capra, S.K. Baines.
Association between eating frequency, weight, and health.
[21]
K. Murakami, M.B. Livingstone.
Associations of eating frequency with adiposity measures, blood lipid profiles and blood pressure in British children and adolescents.
Br J Nutr, 111 (2014), pp. 2176-2183
[22]
D. Gregori, C. Maffeis.
Snacking and obesity: urgency of a definition to explore such a relationship.
J Am Diet Assoc, 107 (2007), pp. 562-563
[23]
K.S. Stote, D.J. Baer, K. Spears, D.R. Paul, G.K. Harris, W.V. Rumpler, et al.
A controlled trial of reduced meal frequency without caloric restriction in healthy, normal‐weight, middle‐aged adults.
Am J Clin Nutr, 85 (2007), pp. 981-988
[24]
H. Bertéus Forslund, S. Klingström, H. Hagberg, M. Löndahl, J.S. Torgerson, A.K. Lindroos.
Should snacks be recommended in obesity treatment? A 1‐year randomized clinical trial.
Eur J Clin Nutr, 62 (2008), pp. 1308-1317
[25]
W.S. Poston, C.K. Haddock, M.M. Pinkston, P. Pace, N.D. Karakoc, R.S. Reeves, et al.
Weight loss with meal replacement and meal replacement plus snacks: a randomized trial.
Int J Obes (Lond), 29 (2005), pp. 1107-1114
[26]
G. Barba, E. Troiano, P. Russo, A. Siani, ARCA Project Study group.
Total fat, fat distribution and blood pressure according to eating frequency in children living in southern Italy: the ARCA project.
Int J Obes (Lond), 30 (2006), pp. 1166-1169
[27]
J.L. Bachman, S. Phelan, R.R. Wing, H.A. Raynor.
Eating frequency is higher in weight loss maintainers and normal‐weight individuals than in overweight individuals.
J Am Diet Assoc, 111 (2011), pp. 1730-1734
[28]
L.D. Ritchie.
Less frequent eating predicts greater BMI and waist circumference in female adolescents.
Am J Clin Nutr, 95 (2012), pp. 290-296
[29]
T.M. Frisoli, R.E. Schmieder, T. Grodzicki, F.H. Messerli.
Beyond salt: lifestyle modifications and blood pressure.
Eur Heart J, 32 (2011), pp. 3081-3087
[30]
K.J. Smith, L. Blizzard, S.A. McNaughton, S.L. Gall, T. Dwyer, A.J. Venn.
Daily eating frequency and cardiometabolic risk factors in young Australian adults: cross‐sectional analyses.
Br J Nutr, 108 (2012), pp. 1086-1094

Como citar este artigo: Kelishadi R, Qorbani M, Motlagh ME, Heshmat R, Ardalan G, Bahreynian M. Association of eating frequency with anthropometric indices and blood pressure in children and adolescents: the CASPIAN‐IV Study. J Pediatr (Rio J). 2016;92:156–67.

Copyright © 2016. Sociedade Brasileira de Pediatria
Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas