Compartilhar
Publique nesta revista
Informação da revista
Vol. 94. Núm. 4.Julho - Agosto 2018
Páginas 337-454
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
202
Vol. 94. Núm. 4.Julho - Agosto 2018
Páginas 337-454
Editorial
DOI: 10.1016/j.jpedp.2018.03.005
Post‐infectious bronchiolitis obliterans in children: is general quality of life the right measure?
Bronquiolite obliterante pós‐infecciosa em crianças: a qualidade de vida geral é a medida certa?
Visitas
202
David Gozal
University of Chicago, Biological Sciences Division, Pritzker School of Medicine, Department of Pediatrics, Sections of Pediatric Pulmonology and Sleep Medicine, Chicago, Estados Unidos
Conteúdo relacionado
J Pediatr (Rio J).2018;94:374-910.1016/j.jpedp.2017.12.009
Edgar E. Sarria, Eduardo Mundstock, Denise G. Machado, Helena T. Mocelin, Gilberto B. Fischer, Silvana P. Furlan, Ivan C.F. Antonello, Ricardo Stein, Rita Mattiello
Este item recebeu
202
Visitas
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Nos últimos anos, a sobrevida de longo prazo de muitas doenças pulmonares progressivas crônicas aumentou e, com esse progresso, a atenção também mudou de foco estrito em medições fisiológicas da função pulmonar e outras características físicas para incorporação de avaliações da qualidade de vida (QV), essa reflete um grau de interdependência com a gravidade da condição respiratória. Por exemplo, em pacientes com fibrose cística (FC), fatores como índice de massa corporal, correlação do estado nutricional e VEF1, um relato da limitação do fluxo expiratório geral e o envolvimento brônquico surgiram como importantes fatores que contribuem para a QV.1 Da mesma forma, a frequência de internações hospitalares para medições das exacerbações pulmonares, qualidade do sono, adesão, depressão e atividade física também é um grande fator de contribuição para a QV na FC.2–7 Da mesma forma, QV reduzida é relatada por crianças com doenças bronquiectásicas sem FC8 e ferramentas para medição da QV específicas para as doenças foram desenvolvidas para avaliar crianças asmáticas,9–11 o que reforça ainda mais a importância de uma avaliação abrangente que ateste o funcionamento integrativo no contexto de doença crônica, ao mesmo tempo em que possivelmente atua como um instrumento de acompanhamento objetivo e monitoramento longitudional.12

Nesse contexto, Sarria et al. relatam seus achados de QV entre 34 crianças que sofrem de bronquiolite obliterante pós‐infecciosa (BOPI) em comparação com 34 controles.13 A BOPI é uma doença pulmonar obstrutiva frequentemente irreversível caracterizada por inflamação subepitelial e estreitamento fibrótico das vias aéreas menores após infecção do trato respiratório inferior durante a primeira infância. Apesar do histórico típico e dos exames clínicos, o diagnóstico é caracteristicamente confirmado por avaliações histopatológicas de biópsia juntamente com achados radiológicos relevantes, que consistem em alterações heterogêneas da perfusão vascular juntamente com aprisionamento de ar com ou sem bronquiectasias.14,15 De fato, como os testes da função pulmonar não são viáveis ou exigem ambientes especializados em crianças pequenas, a implantação dessas abordagens para diagnóstico de BOPI infelizmente é, na melhor das hipóteses, insuficiente.16–20 Como seria previsto de pacientes que sofrem de sintomas respiratórios obstrutivos crônicos propensos a afetar sua capacidade de prática de atividade física, bem como outras funções durante o dia e noite,21 a QV geral foi reduzida em pacientes com BOPI em ambos os domínios relacionados a saúde e escolares do instrumento bem validado que foi usado.22 Assim, os achados confirmam o impacto significativo relativamente raro, mas importante, que o diagnóstico impõe sobre as condições de vida.

Algumas limitações desse estudo merecem ser comentadas como incitadores de pesquisa futura. Primeiro, seria interessante explorar as possíveis associações entre as medições espirométricas disponíveis e as médias de QV. Segundo, a inclusão de um teste de atividade física, como teste de caminhada de seis minutos (TC6), seria muito interessante, pois seria uma avaliação com polissonografia noturna, e as possíveis contribuições independentes do desempenho na TC6 e os achados da polissonografia para a QV podem fornecer ideias adicionais quanto aos principais determinantes de QV. Por fim, e conforme levantado pelos investigadores, avaliações longitudinais periódicas e concomitantes das medições clínicas, radiológicas, funcionais e de QV podem trazer informações sobre o valor possivelmente importante de avaliar a QV como uma ferramenta prontamente disponível e cujo escore é de fácil obtenção que forneça conhecimentos sobre a gravidade da doença, a resposta à terapia e o monitoramento prognóstico.

De forma resumida e não surpreendente, semelhantemente a muitas doenças respiratórias crônicas, a BOPI afeta negativamente a QV das crianças. Esse trabalho interessante deve servir para nos lembrar de que o termo “sopro de vida” é significativo e não deve ser dado como certo.

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesses.

Referências
[1]
Habib A-RR,J. Manji,P.G. Wilcox,A.R. Javer,J.A. Buxton,B.S. Quon
A systematic review of factors associated with health‐related quality of life in adolescents and adults with cystic fibrosis
Ann Am Thorac Soc, 12 (2015), pp. 420-428 http://dx.doi.org/10.1513/AnnalsATS.201408-393OC
[2]
H. Hebestreit,S. Kriemler,T. Radtke
Exercise for all cystic fibrosis patients: is the evidence strengthening?
Curr Opin Pulm Med, 21 (2015), pp. 591-595 http://dx.doi.org/10.1097/MCP.0000000000000214
[3]
C.T. Solem,M. Vera-Llonch,S. Liu,M. Botteman,B. Castiglione
Impact of pulmonary exacerbations and lung function on generic health‐related quality of life in patients with cystic fibrosis
Health Qual Life Outcomes, 14 (2016), pp. 63 http://dx.doi.org/10.1186/s12955-016-0465-z
[4]
K. Vandekerckhove,M. Keyzer,J. Cornette,I. Coomans,F. Pyl,F. De Baets
Exercise performance and quality of life in children with cystic fibrosis and mildly impaired lung function: relation with antibiotic treatments and hospitalization
Eur J Pediatr, 176 (2017), pp. 1689-1696 http://dx.doi.org/10.1007/s00431-017-3024-7
[5]
M. Vandeleur,L.M. Walter,D.S. Armstrong,P. Robinson,G.M. Nixon,R.S. Horne
Quality of life and mood in children with cystic fibrosis: associations with sleep quality
J Cyst Fibros, (2017 Dec 24),
pii:S1569‐1993(17)30978‐5
[6]
M. van Horck,B. Winkens,G. Wesseling,K. de Winter-de Groot,I. de Vreede,Q. Jöbsis
Factors associated with changes in health‐related quality of life in children with cystic fibrosis during 1‐year follow‐up
Eur J Pediatr, 176 (2017), pp. 1047-1054 http://dx.doi.org/10.1007/s00431-017-2928-6
[7]
K.B. Knudsen,T. Pressler,L.H. Mortensen,M. Jarden,M. Skov,A.L. Quittner
Associations between adherence, depressive symptoms and health‐related quality of life in young adults with cystic fibrosis
[8]
A.M. Nathan,J.A. de Bruyne,K.P. Eg,S. Thavagnanam
Review: quality of life in children with non‐cystic fibrosis bronchiectasis
Front Pediatr, 5 (2017), pp. 84 http://dx.doi.org/10.3389/fped.2017.00084
[9]
C. Roncada,R. Mattiello,P.M. Pitrez,E.E. Sarria
Specific instruments to assess quality of life in children and adolescents with asthma
J Pediatr (Rio J), 89 (2013), pp. 217-225
[10]
R.S. Everhart,B.H. Fiese
Asthma severity and child quality of life in pediatric asthma: a systematic review
Patient Educ Couns, 75 (2009), pp. 162-168 http://dx.doi.org/10.1016/j.pec.2008.10.001
[11]
C.F. Chiou,M.R. Weaver,M.A. Bell,T.A. Lee,J.W. Krieger
Development of the multi‐attribute Pediatric Asthma Health Outcome Measure (PAHOM)
Int J Qual Health Care, 17 (2005), pp. 23-30 http://dx.doi.org/10.1093/intqhc/mzh086
[12]
E.F. Juniper
How important is quality of life in pediatric asthma?
Pediatr Pulmonol Suppl, 15 (1997), pp. 17-21
[13]
E.E. Sarria,E. Mundstock,D.G. Machado,H.T. Mocelin,G.B. Fischer,S.P. Furlan
Health‐related quality of life in patients with bronchiolitis obliterans
J Pediatr (Rio J), 94 (2018), pp. 374-379
[14]
L. Zhang,K. Irion,N. da Silva Porto,F. Abreu e Silva
High‐resolution computed tomography in pediatric patients with postinfectious bronchiolitis obliterans
J Thorac Imaging, 14 (1999), pp. 85-89
[15]
R. Mattiello,E.E. Sarria,J. Mallol,G.B. Fischer,H. Mocelin,R. Bello
Post‐infectious bronchiolitis obliterans: can CT scan findings at early age anticipate lung function?
Pediatr Pulmonol, 45 (2010), pp. 315-319 http://dx.doi.org/10.1002/ppul.21115
[16]
A.J. Colom,A.M. Teper
Clinical prediction rule to diagnose post‐infectious bronchiolitis obliterans in children
Pediatr Pulmonol, 44 (2009), pp. 1065-1069 http://dx.doi.org/10.1002/ppul.21080
[17]
R.A. Mosquera,S.S. Hashmi,S.E. Pacheco,A. Reverdin,J. Chevallier,G.N. Colasurdo
Dysanaptic growth of lung and airway in children with post‐infectious bronchiolitis obliterans
Clin Respir J, 8 (2014), pp. 63-71 http://dx.doi.org/10.1111/crj.12037
[18]
S. Cazzato,V. Poletti,F. Bernardi,L. Loroni,L. Bertelli,S. Colonna
Airway inflammation and lung function decline in childhood post‐infectious bronchiolitis obliterans
Pediatr Pulmonol, 43 (2008), pp. 381-390 http://dx.doi.org/10.1002/ppul.20784
[19]
V. Aguerre,C. Castanos,H.G. Pena,M. Grenoville,P. Murtagh
Postinfectious bronchiolitis obliterans in children: clinical and pulmonary function findings
Pediatr Pulmonol, 45 (2010), pp. 1180-1185 http://dx.doi.org/10.1002/ppul.21304
[20]
E. Lee,J. Yoon,H.J. Cho,S.J. Hong,J. Yu
Respiratory reactance in children aged three to five years with postinfectious bronchiolitis obliterans is higher than in those with asthma
Acta Paediatr, 106 (2017), pp. 81-86 http://dx.doi.org/10.1111/apa.13632
[21]
R. Mattiello,E.E. Sarria,R. Stein,G.B. Fischer,H.T. Mocelin,S.S. Barreto
Functional capacity assessment in children and adolescents with post‐infectious bronchiolitis obliterans
J Pediatr (Rio J), 84 (2008), pp. 337-343
[22]
D.A. Klatchoian,C.A. Len,M.T. Terreri,M. Silva,C. Itamoto,R.M. Ciconelli
Quality of life of children and adolescents from São Paulo: reliability and validity of the Brazilian version of the Pediatric Quality of Life Inventory TM version 4.0 Generic Core Scales
J Pediatr (Rio J), 84 (2008), pp. 308-315

Como citar este artigo: Gozal D. Post‐infectious bronchiolitis obliterans in children: is general quality of life the right measure? J Pediatr (Rio J). 2018;94:340–1.

Ver artigo de Sarria et al. nas páginas 374– 9.

Copyright © 2018. Sociedade Brasileira de Pediatria
Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Taxa de publicaçao Publication fee
Os artigos submetidos a partir de 1º de setembro de 2018, que forem aceitos para publicação no Jornal de Pediatria, estarão sujeitos a uma taxa para que tenham sua publicação garantida. O artigo aceito somente será publicado após a comprovação do pagamento da taxa de publicação. Ao submeterem o manuscrito a este jornal, os autores concordam com esses termos. A submissão dos manuscritos continua gratuita. Para mais informações, contate assessoria@jped.com.br. Articles submitted as of September 1, 2018, which are accepted for publication in the Jornal de Pediatria, will be subject to a fee to have their publication guaranteed. The accepted article will only be published after proof of the publication fee payment. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. Manuscript submission remains free of charge. For more information, contact assessoria@jped.com.br.
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.