Compartilhar
Informação da revista
Vol. 94. Núm. 6.Novembro - Dezembro 2018
Páginas 571-692
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
173
Vol. 94. Núm. 6.Novembro - Dezembro 2018
Páginas 571-692
Editorial
DOI: 10.1016/j.jpedp.2018.03.012
Open Access
Pacifier and bottle nipples: the targets for poor breastfeeding outcomes
Chupeta e mamadeira: os alvos para os desfechos desfavoráveis da amamentação
Visitas
173
Emily Zimmerman
Northeastern University, Department of Communication Sciences & Disorders, Boston, Estados Unidos
Este item recebeu
173
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

O ato de alimentar um bebê é extremamente complexo. A alimentação exige que a criança coordene cinco nervos cranianos, múltiplos segmentos da coluna vertebral na parede torácica e 30 pares de músculos em vários sistemas fisiológicos (oral, faríngeo, laríngeo e respiratório).1,2 Além disso, uma alimentação bem‐sucedida depende do estado de saúde da criança e das interações positivas do cuidador. Recentemente, Goldfield, Perez e Engsteler descreveram a alimentação dos recém‐nascidos como um sistema dinâmico complexo, se considerarmos todos os componentes críticos que isso implica.3 Esse sistema dinâmico complexo entra em ação especialmente durante a mais desafiadora das tarefas de alimentação infantil, a amamentação.

A amamentação é considerada o padrão‐ouro na alimentação infantil, pois fornece a nutrição ideal para o bebê.4,5 De fato, a Organização Mundial da Saúde6 recomenda a amamentação exclusiva desde o nascimento até os seis meses de vida. Se considerarmos os muitos benefícios para a mãe e o bebê oferecidos pela amamentação, várias campanhas têm sido feitas para aumentar as taxas de amamentação em mulheres. Uma dessas campanhas foi a Breast is Best (O Peito é Melhor em tradução livre), concebida para educar as comunidades sobre a importância da amamentação; tem sido amplamente anunciada em consultórios médicos e em toda a literatura dirigida às mães. Em resposta a esse movimento, muitas mulheres relataram sentir‐se oprimidas pela pressão da sociedade para amamentar e até mesmo terem sofrido bullying ao usar uma mamadeira para alimentar seu bebê. Recentemente, uma organização sem fins lucrativos foi criada, Fed is Best (Alimentar é Melhor, em tradução livre), com a ideia de que um bebê alimentado é um bebê feliz, com o objetivo final de reduzir a alimentação insuficiente de recém‐nascidos alimentados exclusivamente através do aleitamento materno. Mesmo com o foco cada vez maior na amamentação, ainda não está claro para pesquisadores, médicos e pais se e a que extensão o uso de um bico artificial (chupeta ou mamadeira) afeta negativamente os resultados e práticas de amamentação.

O artigo de Batista et al.7 é um estudo transversal original que aborda a associação entre o uso de chupeta e mamadeira e comportamentos desfavoráveis durante a amamentação. Neste estudo, 427 mães receberam um questionário sobre seu nível sociodemográfico, dados perinatais e informações sobre o uso de bico artificial (sim/não). Em seguida, uma sessão de amamentação foi observada por um único avaliador treinado entre a díade mãe‐bebê e avaliada por meio do Formulário de Observação de Alimentação B‐R‐E‐A‐S‐T, que avalia dificuldades na posição, resposta do bebê, estabelecimento de laços afetivos, anatomia da mama e comportamentos de sucção.

As classificações da escala são boas, razoáveis ou ruins. A maioria dos lactentes incluídos no estudo (85,50%) tinha mais de 28 dias e 14,50% da coorte tinham menos de 28 dias no momento do estudo. Os critérios de inclusão foram bebês nascidos a termo, com cinco a 120 dias de vida. O estudo excluiu bebês com anomalias craniofaciais, neuropatias congênitas, gestações gemelares e mães que não podiam amamentar devido a doença ou traumatismo mamilar que impossibilitavam a sucção. O estudo mostrou que bebês que usavam chupetas e/ou mamadeiras apresentavam percentuais mais elevados de comportamentos ruins e razoáveis na amamentação. O aumento do número de comportamentos desfavoráveis em relação à posição, afetividade, comportamento de sucção e resposta do lactente foi associado de forma independente ao uso de chupeta e mamadeira, enquanto a anatomia da mama foi independentemente associada apenas com o uso de mamadeira. Os autores sugerem que o uso de chupetas e/ou mamadeira pode estar associado a comportamentos desfavoráveis durante a amamentação.

Os autores merecem ser elogiados ao examinar essa questão de pesquisa tão necessária de maneira prospectiva e incluir exposições anteriores a bicos artificiais no questionário. Um dado que proporcionaria conhecimentos adicionais teria sido a frequência de uso do bico artificial. Os autores coletaram essa informação como uma variável categórica (sim/não), mas não examinaram quantas vezes por dia um bebê usava mamadeira ou chupeta. Essa informação poderia ajudar a determinar se aqueles que usam bicos artificiais exibem mais frequentemente um aumento nos comportamentos desfavoráveis durante a amamentação. Além disso, observar várias sessões de amamentação ou incluir outro avaliador para a observação do aleitamento materno teria permitido obter dados sobre a confiabilidade inter‐ e intra‐avaliador, já que essas observações geralmente são relativamente subjetivas. Também seria bom saber se o observador treinado estava cegado em relação aos dados do questionário sobre o uso de chupeta/mamadeira.

Enquanto o artigo de Batista et al. concentrou‐se adequadamente em um grupo homogêneo de bebês nascidos a termo e excluiu aqueles com neuropatias cromossômicas ou congênitas, os autores não perguntaram às famílias se seu filho tinha experimentado dificuldades de alimentação e deglutição. Isso nos permitiria compreender melhor o raciocínio relacionado ao uso de mamadeiras e chupetas. Simplificando, esses utensílios são a causa raiz ou a solução para um problema de amamentação? Frequentemente, os pais e médicos usam chupetas e frascos para fornecer apoio à amamentação ou para ajudar o bebê a praticar as habilidades necessárias para a amamentação. Uma revisão do meu laboratório8 mostrou que uma das principais questões em estudos que avaliam bicos artificiais e amamentação é determinar a causalidade. Esta revisão encontrou evidências emergentes que apoiam a noção de confusão de bico (definida como a dificuldade ou preferência de um bebê por um mecanismo de alimentação em relação a outro após exposição a bicos artificiais), pois se relacionava com a alimentação através de mamadeira, mas encontrou poucas evidências quanto ao uso da chupeta. A revisão concluiu que não há dados suficientes para determinar se mamadeiras e chupetas fazem com que a criança recuse o peito ou se elas são simplesmente marcadores de outras características maternas/infantis que estão em jogo na tarefa dinâmica extremamente complexa que é a alimentação. A maioria das pesquisas que analisam esse tópico relata a correlação ou associação, não a relação causal, e até que isso seja estudado a resposta permanece relativamente desconhecida.

Como sabemos que a questão da alimentação é extremamente complexa, tem havido uma série de outras variáveis ligadas aos resultados da amamentação além da fisiologia mãe‐bebê. Por exemplo, a imagem corporal materna e o índice de massa corporal pré‐gravidez foram altamente relacionados à iniciação, intenção e duração da amamentação,9,10 destaca‐se ainda mais a complexidade da alimentação. Pesquisas anteriores até mesmo descobriram que a intenção de amamentar é determinada antes do nascimento da criança e que essa intenção está associada à duração da amamentação após o nascimento.11 Isso poderia, potencialmente, entre outras variáveis, estar relacionado à causalidade da amamentação deficiente.

Embora a culpa pelos desfechos desfavoráveis da amamentação seja frequentemente colocada no uso de bicos artificiais, deve‐se observar que chupetas, em particular, proporcionam muitos benefícios para crianças pequenas. Foi demonstrado que o uso da chupeta melhora os resultados clínicos essenciais, tais como crescimento, amadurecimento e motilidade gástrica.12‐14 A sucção não nutritiva da chupeta resulta em escores mais altos de desempenho na alimentação,13 reduz o tempo de transição para a alimentação oral completa,15 tem um efeito positivo sobre o início e a duração da primeira sucção nutritiva,16 resulta em lactentes que estão prontos para serem alimentados com mamadeira mais cedo17 e em bebês que aceitaram a mamadeira em menor tempo.17 Além de acalmar um bebê, as chupetas são essencialmente a prática para a difícil tarefa de alimentação. Embora a maioria desses estudos acima tenha sido feita em recém‐nascidos prematuros que apresentam riscos de atrasos na sucção e alimentação, os resultados positivos podem ser generalizados para bebês mais velhos também.

Finalmente, é importante notar que a pesquisa mostra que bebês saudáveis sem problemas de alimentação geralmente são capazes de sugar e se alimentar com qualquer chupeta, bico de mamadeira ou peito. A pesquisa mostrou que, embora várias propriedades das chupetas (rigidez e formato do bico e da base) resultem em diferentes padrões de sucção, essas diferentes propriedades não impediram o início da sucção, mas o padrão da sucção se adaptou.18 Esse tipo de modulação sensorial também foi demonstrado na literatura sobre a alimentação, na qual vários fluxos de bicos de mamadeira não alteram significativamente a taxa de transferência de leite para o bebê (prematuro/ a termo).19‐21 Isso sugere que os bebês podem adaptar suas taxas e pressões de sucção conforme necessário.19 A organização da sucção no tronco cerebral permite que a criança saudável nascida a termo adapte a sucção em resposta às propriedades específicas presentes em cada uma das chupetas/mamadeiras usadas. Os resultados podem ser diferentes em lactentes com história de dificuldades de alimentação, deficiências neurológicas e/ou complicações médicas que podem prejudicar seu feedback sensorial para esses mecanismos do tronco encefálico e, portanto, sua capacidade de modular sua sucção e alimentação.

Em resumo, a alimentação é um processo complexo e dinâmico e devemos nos lembrar disso como pesquisadores e clínicos. É um processo multifatorial e até que esses grupos sejam totalmente compreendidos e estudados de forma prospectiva, como Batista et al., inclusive os muitos fatores materno‐infantis, não entenderemos a causalidade. Até que isso aconteça, devemos ter em mente que a mudança da prática clínica – sem saber a história completa – pode reduzir a capacidade desses bebês, como os que nasceram prematuramente ou aqueles com problemas de alimentação, a ter acesso a esses utensílios ou fazer com que os pais se sintam envergonhados ao usá‐los quando necessário como apoio da nutrição total. Embora, naturalmente, o ideal seria que todas as mães amamentassem, sabemos que a amamentação é complicada para algumas díades. É evidente que uma investigação mais prospectiva nessa área se faz necessária. Os pesquisadores devem continuar a adicionar bicos artificiais como uma variável de interesse para que possamos entender melhor a causalidade relacionada aos resultados desfavoráveis da amamentação.

Financiamento

Os autores declaram que não há relações financeiras a serem divulgadas em relação a este artigo.

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
A.J. Miller
Deglutition
Physiol Rev, 62 (1982), pp. 129-184 http://dx.doi.org/10.1152/physrev.1982.62.1.129
[2]
K. Matsuo,J.B. Palmer
Anatomy and physiology of feeding and swallowing: normal and abnormal
Phys Med Rehabil Clin N Am, 19 (2008), pp. 691-707 http://dx.doi.org/10.1016/j.pmr.2008.06.001
vii
[3]
E.C. Goldfield,J. Perez,K. Engstler
Neonatal feeding behavior as a complex dynamical system
Semin Speech Lang, 38 (2017), pp. 77-86 http://dx.doi.org/10.1055/s-0037-1599105
[4]
A.I. Eidelman,R.J. Schanler,M. Johnston,S. Landers,L. Noble,K. Szucs
Breastfeeding and the use of human milk
Pediatrics, 129 (2012), pp. e827-e841 http://dx.doi.org/10.1542/peds.2011-3552
[5]
A.S. Goldman
Evolution of immune functions of the mammary gland and protection of the infant
Breastfeed Med, 7 (2012), pp. 132-142 http://dx.doi.org/10.1089/bfm.2012.0025
[6]
World Health Organization (WHO). Health topics: breastfeeding. Available from: http://www.who.int/topics/breastfeeding/en/ [accessed 31.01.18].
[7]
C.L. Batista,V.S. Ribeiro,M.D. Nascimento,V.P. Rodrigues
Association between pacifier use and bottle‐feeding and unfavorable behaviors during breastfeeding
J Pediatr (Rio J), 94 (2018), pp. 596-601
[8]
E. Zimmerman,K. Thompson
Clarifying nipple confusion
J Perinatol, 35 (2015), pp. 895-899 http://dx.doi.org/10.1038/jp.2015.83
[9]
J.M. Wojcicki
Maternal prepregnancy body mass index and initiation and duration of breastfeeding: a review of the literature
J Womens Health (Larchmt), 20 (2011), pp. 341-347
[10]
N. Ramji,S. Challa,P.A. Murphy,J. Quinlan,J.M. Crane
A comparison of breastfeeding rates by obesity class
J Matern Fetal Neonatal Med, (2017), pp. 1-6 http://dx.doi.org/10.1080/14767058.2018.1536742
[11]
D. Thulier,J. Mercer
Variables associated with breastfeeding duration
J Obstet Gynecol Neonatal Nurs, 38 (2009), pp. 259-268 http://dx.doi.org/10.1111/j.1552-6909.2009.01021.x
[12]
S. Abbasi,E. Sivieri,N. Samuel-Collins,J.S. Gerdes
Effect of non‐nutritive sucking on gastric motility of preterm infants
Annual meeting of the Pediatric Academic Society, 5840.22, pp. 213
[13]
R.H. Pickler,K.E. Higgins,B.D. Crummette
The effect of nonnutritive sucking on bottle‐feeding stress in preterm infants
J Obstet Gynecol Neonatal Nurs, 22 (1993), pp. 230-234
[14]
S. Fucile,E. Gisel,C. Lau
Effect of an oral stimulation program on sucking skill maturation of preterm infants
Dev Med Child Neurol, 47 (2005), pp. 158-162
[15]
S. Fucile,E. Gisel,C. Lau
Oral stimulation accelerates the transition from tube to oral feeding in preterm infants
J Pediatr, 141 (2002), pp. 230-236 http://dx.doi.org/10.1067/mpd.2002.125731
[16]
R.H. Pickler,H.B. Frankel,K.M. Walsh,N.M. Thompson
Effects of nonnutritive sucking on behavioral organization and feeding performance in preterm infants
Nurs Res, 45 (1996), pp. 132-135
[17]
S.K. Sehgal,O. Prakash,A. Gupta,M. Mohan,N.K. Anand
Evaluation of beneficial effects of nonnutritive sucking in preterm infants
Indian Pediatr, 27 (1990), pp. 263-266
[18]
E. Zimmerman,J. Forlano,A. Gouldstone
Not all pacifiers are created equal: a mechanical examination of pacifiers and their influence on suck patterning
Am J Speech Lang Pathol, 26 (2017), pp. 1202-1212 http://dx.doi.org/10.1044/2017_AJSLP-16-0226
[19]
C.E. Scheel,R.J. Schanler,C. Lau
Does the choice of bottle nipple affect the oral feeding performance of very‐low‐birthweight (VLBW) infants?
Acta Paediatr, 94 (2005), pp. 1266-1272 http://dx.doi.org/10.1080/08035250510027255
[20]
O.P. Mathew
Nipple units for newborn‐infants – a functional comparison
Pediatrics, 81 (1988), pp. 688-691
[21]
K.E. McGrattan,D.H. McFarland,J.C. Dean,E. Hill,D.R. White,B. Martin-Harris
Effect of single‐use, laser‐cut, slow‐flow nipples on respiration and milk ingestion in preterm infants
Am J Speech Lang Pathol, 26 (2017), pp. 832-839 http://dx.doi.org/10.1044/2017_AJSLP-16-0052

Como citar este artigo: Zimmerman E. Pacifier and bottle nipples: the targets for poor breastfeeding outcomes. J Pediatr (Rio J). 2018;94:571–73.

Ver artigo de Batista et al. nas páginas 596‐601.

Copyright © 2018. Sociedade Brasileira de Pediatria
Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Taxa de publicaçao Publication fee
Os artigos submetidos a partir de 1º de setembro de 2018, que forem aceitos para publicação no Jornal de Pediatria, estarão sujeitos a uma taxa para que tenham sua publicação garantida. O artigo aceito somente será publicado após a comprovação do pagamento da taxa de publicação. Ao submeterem o manuscrito a este jornal, os autores concordam com esses termos. A submissão dos manuscritos continua gratuita. Para mais informações, contate assessoria@jped.com.br. Articles submitted as of September 1, 2018, which are accepted for publication in the Jornal de Pediatria, will be subject to a fee to have their publication guaranteed. The accepted article will only be published after proof of the publication fee payment. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. Manuscript submission remains free of charge. For more information, contact assessoria@jped.com.br.
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.