Compartilhar
Informação da revista
Vol. 92. Núm. 5.
Páginas 493-498 (Setembro - Outubro 2016)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
1277
Vol. 92. Núm. 5.
Páginas 493-498 (Setembro - Outubro 2016)
Artigo original
DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.05.003
Open Access
Association between overweight and obesity in schoolchildren with rs9939609 polymorphism (FTO) and family history for obesity
Associação entre sobrepeso e obesidade em escolares com o polimorfismo rs9939609 (FTO) e histórico familiar de obesidade
Visitas
1277
Cézane Priscila Reutera,b,
Autor para correspondência
cezanereuter@unisc.br

Autor para correspondência.
, Miria Suzana Burgosb, Joana Carolina Bernhardb, Debora Tornquistb, Elisa Inês Klingerb, Tássia Silvana Borgesc, Jane Dagmar Pollo Rennerb, Andréia Rosane de Moura Valimb, Elza Daniel de Melloa
a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil
b Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil
c Universidade Luterana do Brasil, Canoas, RS, Brasil
Este item recebeu
1277
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Tabelas (3)
Tabela 1. Caracterização da amostra. Santa Cruz do Sul, 2012
Tabela 2. Relação entre os genótipos do polimorfismo rs9939609, IMC do escolar e histórico familiar de obesidade
Tabela 3. Relação entre o IMC do escolar com o histórico familiar de obesidade, de acordo com os genótipos do polimorfismo rs9939609
Mostrar maisMostrar menos
Abstract
Objective

To determine the association between overweight/obesity in schoolchildren with FTO rs9939609 polymorphism (fatmass and obesity associated) and family history of obesity.

Methods

Cross‐sectional study comprising a sample of 406 children aged 7–17 years in a city in southern Brazil. Overweight/obesity in schoolchildren was assessed by body mass index (BMI), and family history of obesity was self‐reported by parents. Polymorphism genotyping was performed by real time PCR (polymerase chain reaction). The association between the nutritional status of schoolchildren with the presence of family obesity, stratified by polymorphism genotypes (AA [at‐risk for obesity], AT, and TT), was assessed by prevalence ratio values (PR) through Poisson regression.

Results

Among schoolchildren with the AA genotype, 57.4% had overweight/obesity; the percentage was lower for the AT and TT genotypes (33.1% and 28.9%, respectively). Overweight/obesity in schoolchildren was associated with a family history of obesity, especially among children with the AA genotype. The prevalence was higher among those with an obese mother (PR: 1.28; p<0.001), obese maternal or paternal grandmother (PR: 1.22; p=0.047), and obese paternal grandfather (PR: 1.32; p<0.001).

Conclusions

There is an association between the AA genotype of rs9939609 polymorphism and BMI among schoolchildren. The association between overweight/obesity in schoolchildren with a family history of obesity was found mainly among students with the AA genotype.

Keywords:
Obesity
Genetic
Child
Adolescent
Resumo
Objetivo

Verificar se existe relação entre o sobrepeso/obesidade de escolares com o polimorfismo rs9939609, do gene FTO (fat mass and obesity associated), e com o histórico familiar de obesidade.

Métodos

Estudo transversal composto por uma amostra de 406 escolares, de sete a 17 anos, de um município do sul do Brasil. O sobrepeso/obesidade dos escolares foi avaliado(a) por meio do índice de massa corporal (IMC) e o histórico familiar de obesidade por questões autorreferidas pelos pais. A genotipagem do polimorfismo foi feita por PCR (polymerase chain reaction) em tempo real. A associação entre o estado nutricional dos escolares com a presença de obesidade familiar, estratificada pelos genótipos do polimorfismo (AA – risco para obesidade, AT e TT), foi avaliada pelos valores de razão de prevalência (RP), por meio da regressão de Poisson.

Resultados

Entre os escolares com o genótipo AA, 57,4% apresentaram sobrepeso/obesidade; para os genótipos TT e AT, o percentual é inferior (33,1% e 28,9%, respectivamente). O sobrepeso/obesidade do escolar associou‐se com o histórico familiar de obesidade, principalmente entre os escolares portadores do genótipo AA, foi superior entre os que apresentam mãe obesa (RP: 1,28; p<0,001), avó materna e paterna obesas (RP: 1,22; p=0,047) e avô paterno obeso (RP: 1,32; p<0,001).

Conclusões

Há relação entre o genótipo AA, do polimorfismo rs9939609, com o IMC dos escolares avaliados. A relação entre sobrepeso/obesidade do escolar com o histórico familiar de obesidade foi encontrada, principalmente, entre os escolares com o genótipo AA.

Palavras‐chave:
Obesidade
Genética
Criança
Adolescente
Texto Completo
Introdução

A obesidade é uma condição multifatorial, determinada por fatores ambientais e genéticos e facilitadora de outras doenças.1,2 Relacionada às doenças cardiovasculares e alterações metabólicas, condições antes vistas principalmente em adultos, a obesidade infantil, atualmente, se torna um grande problema de saúde pública.3 Alguns polimorfismos do gene FTO (fat mass and obesity associated) têm sido associados com a massa gorda e obesidade, especialmente o polimorfismo rs9939609, há risco maior de obesidade em portadores do alelo A.1 Cada cópia do alelo A com o rs9939609 está associada com um aumento de 0,4kg/m2 no IMC e com maiores chances (1,31 vez) de desenvolvimento da obesidade.4 Berentzen et al.5 e Cecil et al.3 encontraram associação entre um maior percentual de gordura com a presença do genótipo AA em adultos dinamarqueses e crianças escocesas, respectivamente. Berentzen et al.5 observaram que indivíduos da Dinamarca, homozigotos para o alelo A, são mais suscetíveis a apresentar um aumento de 10kg de massa gorda (1,3 vez mais chance) se comparados com os portadores do genótipo TT.

O gene FTO é expresso no núcleo arqueado do hipotálamo, região relevante no comportamento do apetite, e tem efeito sobre a homeostase. Embora sejam desconhecidas as funções e as vias do gene FTO, a análise de sua estrutura demonstra estar envolvido com a modificação pós‐translacional, a reparação do ácido desoxirribonucleico (ADN, o qual protege o genoma de danos que o levam a mutações) e o metabolismo de ácidos graxos.2,6 O FTO foi identificado, pela primeira vez, como um gene suscetível à obesidade por dois estudos com genoma.7 Desde então, estudos têm enfocado a relação do gene FTO com o acúmulo excessivo de gordura e sua interação com fatores comportamentais.2

Por outro lado, sabe‐se que a obesidade é uma condição multifatorial, com forte influência do estilo de vida. A prática de atividade física atua como fator de proteção, independentemente do genótipo do polimorfismo rs9939609.2 Além da prática de atividade física, os hábitos alimentares inadequados estão associados com o desenvolvimento da obesidade, o comportamento dos pais gera grande influência no consumo de alimentos altamente calóricos. Dessa forma, os pais servem como modelos para o comportamento das crianças, influenciam as preferências alimentares dessas desde cedo.8

Diante do exposto, o presente estudo objetiva verificar se existe relação entre sobrepeso/obesidade de escolares com o polimorfismo rs9939609, do gene FTO, e com o histórico familiar de obesidade.

Métodos

O presente estudo transversal contou com a participação de 406 crianças e adolescentes (203 do sexo masculino), entre sete a 17 anos, de seis escolas de Santa Cruz do Sul (RS). No início do estudo, foi estimado um número mínimo de 392, para um erro de 5% e considerando prevalência de sobrepeso e obesidade de 30%,9 para a amostra ser representativa do município.10 Foram incluídos no estudo os escolares que trouxeram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) devidamente assinado pelos pais ou responsáveis. Inicialmente, a amostra contava com 420 escolares; porém, 14 pais não preencheram o questionário do histórico familiar de obesidade e foram excluídos do estudo.

O estudo foi enviado previamente ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) e foi aprovado sob o protocolo número 2.525/10. Todos os pais ou responsáveis pelos escolares assinaram o TCLE e autorizaram a participação. Foram informados, no TCLE, sobre o objetivo do estudo, os procedimentos, os possíveis desconfortos e os benefícios.

A avaliação antropométrica dos escolares compreendeu o índice de massa corporal (IMC), o qual foi obtido por meio dos valores de peso e estatura, avaliados com balança e estadiômetro (Welmy, Santa Bárbara do Oeste, SP, Brasil) por profissional de educação física com experiência nessa avaliação. Quando foi feita o escolar vestia a menor quantidade possível de roupas e estava os pés descalços. No início de cada dia de avaliação, a balança foi calibrada. Posteriormente, aplicou‐se a fórmula: IMC=peso/estatura2. O IMC foi classificado de acordo com as curvas de percentis da Organização Mundial da Saúde,11 de acordo com sexo e idade, e considerou como sobrepeso/obesidade o percentil ≥85. O histórico familiar de obesidade foi avaliado por meio de questões autorreferidas pelos pais. O questionário continha um quadro para os pais assinalarem com um X a presença de obesidade nos seguintes parentes: pai, mãe, irmãos, avô paterno, avó paterna, avô materno e avô materno. A obesidade do irmão não foi incluída nos modelos, pois não se associou com a obesidade da criança e do adolescente. A obesidade, para cada parente, foi classificada em presente, na marcação do X no quadro, ou ausente, sem essa marcação.

O polimorfismo rs9939609 (T>A), do gene FTO, foi escolhido por meio de pesquisa da frequência alélica para a população caucasiana, uma vez que a população estudada é de colonização alemã.12 A pesquisa foi feita com os dados do HapMap (International HapMap Project). Dos escolares avaliados, 74,9% apresentam pele branca. Esse dado, autorreferido pelo escolar, foi usado para ajustar as análises que envolveram o polimorfismo rs9939609.

O sangue foi coletado no Laboratório de Bioquímica do Exercício da Universidade de Santa Cruz do Sul e respeitou as normas de biossegurança. Para a extração do DNA, foi usado sangue total com EDTA, por meio de kits comerciais da Qiagen (QIAamp DNA Blood Mini Kit, Qiagen™, Alemanha). Posteriormente, o DNA foi quantificado em fluorômetro Qubit® 2.0 (Invitrogen, CA, EUA) e diluído para a concentração necessária. Foi usada a técnica de PCR em tempo real para a genotipagem do polimorfismo rs9939609, com placas com 96 poços. As reações foram feitas em duplicata, com 10μL de amostra que continha 10ng de DNA genômico. Foram usadas sondas TaqMan, marcadas com os fluoróforos VIC/FAM (Applied Biosystems, CA, EUA), no equipamento Step One Plus (Applied Biosystems, CA, EUA).

Os dados foram digitados e analisados no programa SPSS (IBM Corp. IBM SPSS Statistics para Windows, versão 23.0. NY, EUA), por meio da estatística descritiva (frequência e percentual). A relação entre os genótipos do polimorfismo rs9939609 com o IMC dos escolares e o histórico familiar de obesidade foi testada com o teste de qui‐quadrado, consideraram‐se diferenças significativas para p<0,05. Foi usada a regressão de Poisson para testar associação entre o IMC do escolar (variável dependente, considerou‐se baixo peso/peso normal versus sobrepeso/obesidade) com o histórico familiar de obesidade, estratificado pelos três genótipos do polimorfismo rs9939609 (TT, AT e AA). A análise foi ajustada para a etnia do escolar. O equilíbrio de Hardy‐Weinberg foi testado com o software GraphPad Prism® 5.0 (GraphPad Software, CA, EUA), considerou‐se p>0,05 na comparação entre os valores esperados com os valores observados.

Resultados

A tabela 1 apresenta as características da amostra, as quais são semelhantes para as variáveis sexo e rede escolar. O percentual de escolares com sobrepeso/obesidade é de 34,5%. A distribuição dos genótipos (AA, AT e TT) e a frequência alélica (alelo A e alelo T) do polimorfismo rs9939609, do gene FTO, indicam que os dados estão em equilíbrio de Hardy‐Weinberg, ou seja, os valores observados são semelhantes aos esperados (p=0,955).

Tabela 1.

Caracterização da amostra. Santa Cruz do Sul, 2012

  n (%) 
Sexo
Masculino  203 (50,0) 
Feminino  203 (50,0) 
Cor da pele
Branca  304 (74,9) 
Negra  36 (8,9) 
Parda/mulata  65 (16,0) 
Amarela  1 (0,2) 
IMC
Baixo peso/peso normal  266 (65,5) 
Sobrepeso/obesidade  140 (34,5) 
Rede escolar
Municipal  202 (49,8) 
Estadual  204 (50,2) 
Idadea  10,9 (2,5) 
FTO (rs9939609)b
AA (genótipo de risco para obesidade)  54 (13,3) 
AT  180 (44,3) 
TT  172 (42,4) 
Alelo A  288 (35,5) 
Alelo T  524 (64,5) 

IMC, índice de massa corporal; FTO, fat mass and obesity associated (gene associado à massa gorda e obesidade).

a

Dado expresso em média (desvio‐padrão).

b

Nível de significância, de acordo com o teste de qui‐quadrado, para avaliação do equilíbrio de Hardy‐Weinberg (p=0,955), na comparação entre os valores esperados (51‐AA; 186‐AT e 169‐TT) e os valores observados (54‐AA; 180‐AT e 172‐TT).

Na tabela 2, observa‐se uma relação significante entre o IMC do escolar com o genótipo de risco para obesidade (AA), do polimorfismo rs9939609. Assim, escolares portadores do genótipo AA apresentam maior percentual de sobrepeso/obesidade (57,4%), em comparação com os escolares portadores dos genótipos AT (28,9%) e TT (33,1%). Além disso, a presença de obesidade do pai e da avó materna associou‐se com o sobrepeso/obesidade do escolar (p=0,003 e p=0,028, respectivamente).

Tabela 2.

Relação entre os genótipos do polimorfismo rs9939609, IMC do escolar e histórico familiar de obesidade

  Classificação do IMC do escolar
  Baixo peso/normal  Sobrepeso/Obesidade  p 
  n (%)  n (%)   
Polimorfismo rs9939609 (FTO)
Genótipo AAa (n=54)  23 (42,6)  31 (57,4)   
Genótipo AT (n=180)  128 (71,1)  52 (28,9)  0,001 
Genótipo TT (n=172)  115 (66,9)  57 (33,1)   
Pai
Sim (n=16)  5 (31,3)  11 (68,8)  0,003 
Não (n=390)  261 (66,9)  129 (33,1)   
Mãe
Sim (n=31)  18 (58,1)  13 (41,9)  0,364 
Não (n=375)  248 (66,1)  127 (33,9)   
Avó materna
Sim (n=28)  13 (46,4)  125 (33,1)  0,028 
Não (n=378)  253 (66,9)  15 (53,6)   
Avô materno
Sim (n=13)  6 (46,2)  7 (53,8)  0,135 
Não (n=393)  260 (66,2)  133 (33,8)   
Avó paterna
Sim (n=22)  13 (59,1)  9 (40,9)  0,514 
Não (n=384)  253 (65,9)  131 (34,1)   
Avô paterno
Sim (n=10)  4 (40,0)  6 (60,0)  0,086 
Não (n=396)  262 (66,2)  134 (33,8)   

IMC, índice de massa corporal.

a Genótipo de risco para obesidade.

Em um modelo de regressão, a relação entre o IMC do escolar com o histórico familiar de obesidade foi encontrada, principalmente, entre os escolares com genótipo de risco para obesidade (AA), para o polimorfismo rs9939609 (FTO). Dessa forma, a prevalência de obesidade em escolares é superior entre os que apresentam mãe obesa (RP: 1,28; p<0,001), avó materna e paterna obesas (RP: 1,22; p=0,047) e avô paterno obeso (RP: 1,32; p<0,001). Entre os escolares com genótipos TT e AT, foi encontrada relação entre sobrepeso/obesidade do escolar com a obesidade do pai e do avô materno (tabela 3).

Tabela 3.

Relação entre o IMC do escolar com o histórico familiar de obesidade, de acordo com os genótipos do polimorfismo rs9939609

Histórico familiar de obesidade  IMC do escolar
  RP (IC 95%)  p 
Genótipo TT
Pai  1,27 (1,00‐1,61)  0,047 
Mãe  1,05 (0,86‐1,28)  0,623 
Avó materna  1,03 (0,83‐1,28)  0,771 
Avô materno  1,38 (1,12‐1,69)  0,002 
Avó paterna  0,89 (0,72‐1,09)  0,254 
Avô paterno  1,05 (0,76‐1,44)  0,770 
Genótipo AT
Pai  1,32 (1,04‐1,66)  0,021 
Mãe  0,90 (0,74‐1,09)  0,285 
Avó materna  1,21 (1,00‐1,47)  0,054 
Avô materno  0,78 (0,73‐0,82)  <0,001 
Avó paterna  1,10 (0,80‐1,53)  0,553 
Avô paterno  1,17 (0,74‐1,87)  0,505 
Genótipo AAa
Pai  1,15 (0,88‐1,49)  0,305 
Mãe  1,28 (1,14‐1,43)  <0,001 
Avó materna  1,22 (1,01‐1,48)  0,043 
Avô materno  1,04 (0,78‐1,39)  0,789 
Avó paterna  1,22 (1,01‐1,48)  0,043 
Avô paterno  1,32 (1,20‐1,46)  <0,001 

IMC, índice de massa corporal; regressão de Poisson considerando duas variáveis (baixo peso/normal versus sobrepeso/obesidade), ajustada para etnia; histórico familiar de obesidade: a ausência dessa condição foi considerada como referência; RP, razão de prevalência; IC 95%, intervalo de confiança para 95%.

a

Genótipo de risco para obesidade.

Discussão

Foi encontrada, no presente estudo, uma relação significante entre os genótipos do polimorfismo rs9939609 com o IMC, o percentual de sobrepeso e obesidade, no genótipo de risco para essa condição, é superior (57,4%), em comparação com os genótipos TT (33,1%) e AT (28,9%). Resultados semelhantes foram encontrados no estudo de Cecil et al.,3 com 97 escolares pré‐púberes da Escócia, de quatro a 10 anos. Os autores observaram que o alelo A se associou com o IMC (p=0,003) e o aumento de massa gorda (p=0,01). Estudo de Wardle et al.,13 com 131 crianças entre quatro e cinco anos, portadoras de sobrepeso/obesidade, encontrou o genótipo de risco para obesidade (AA) em 18%, embora não tenha sido encontrada relação com o IMC, os portadores do genótipo AA apresentaram maior percentual de gordura. Liu et al.14 observaram associação do IMC com o rs9939609 (FTO) tanto entre os jovens europeus quanto entre os jovens afro‐americanos. Em estudo com 289 sujeitos de seis a 19 anos, os indivíduos com pelo menos um alelo A tinham significativamente maiores índices de massa corporal e massa gorda.15 Também, em crianças e adolescentes chineses encontrou‐se risco aumentado para obesidade em sujeitos portadores do genótipo AA ou AT em comparação com sujeitos TT.16 Outro estudo, também feito na China, em Beijing, com 3.503 crianças e adolescentes, encontrou associação do rs9939609 com obesidade, cada alelo A foi associado com um aumento de 0,79 do IMC.17

Outro estudo feito com crianças e adolescentes chineses, de seis a 18 anos, com objetivo de avaliar a associação de rs9939609 FTO com IMC e o risco de obesidade, bem como determinar a idade em que essa associação se torna evidente, observou que essa associação não apareceu até as crianças atingirem 12 a 14 anos. Após essa faixa etária, a associação aumentou entre o sexo feminino, entre 15 e 18 anos, mas não entre o sexo masculino. Em um subgrupo que foi acompanhado, a associação de rs9939609 com IMC e obesidade foi observada apenas seis anos mais tarde e no sexo feminino,18 o que vem ao encontro do estudo de Henriksson et al.,19 em que não se observou associação do rs9939609 com a massa gorda nas primeiras 12 semanas de vida. Já no estudo de Silva et al.,20 feito com 348 crianças brasileiras avaliadas aos um, quatro e oito anos, com um ano não se observaram diferenças entre as médias de IMC e os genótipos. Já aos quatro anos observou‐se uma associação significante entre genótipo AA e maior média de IMC, bem como, aos oito anos, indivíduos com genótipo AA apresentavam maior média de IMC e somatório de dobras cutâneas.

Em populações de ilhas oceânicas (Polinésia, Malásia e Micronésia), não foi encontrada relação entre os alelos AA, TT e AT com IMC, 73% dos sujeitos eram obesos.21 De mesmo modo, em estudo feito com escolares de Queretaro (México), não foi observada relação entre os alelos e os indicadores de excesso de peso ou de risco metabólico.22 No estudo de Lopez‐Bernejo et al.23 não foi encontrada diferença significante na gordura corporal de bebês, ao nascer, com o alelo A. Após 13 dias, observou‐se que os bebês homozigotos para o alelo A apresentaram maior massa gorda. No estudo de Solak et al.24 não foi observada relação significante entre o genótipo FTO do gene rs9939609 e os indicadores antropométricos (IMC, RCQ e composição corporal). No estudo de Souza et al.,25 com crianças e adolescentes brasileiros, também não foi encontrada associação significante do FTO e parâmetros antropométricos e metabólicos, resultado que pode ser atribuído à miscigenação da população dos brasileiros e à heterogeneidade étnica.

Atualmente, não se sabe ao certo como o alelo A do polimorfismo rs9939609 influencia no acúmulo de gordura corporal. Sugere‐se que, devido à sua atuação no hipotálamo, por meio da ligação direta com o controle do apetite e o acúmulo de gordura, ocorre uma estimulação nessa região, que faz com que haja limite no uso da gordura e ela seja poupada.2 Em estudo feito com 289 jovens, de seis e 19 anos, foi observado que os sujeitos com um ou dois alelos A (AT ou AA) apresentavam com maior frequência perda de controle alimentar e preferência por alimentos com maior teor de gordura.15 Do mesmo modo, Wardle et al.13 observaram que crianças com genótipo TT comiam menos do que crianças com genótipo AA. Estudo com crianças e adolescentes chineses observou que enquanto os sujeitos com genótipo TT apresentavam preferência por uma dieta baseada em vegetais, sujeitos portadores do genótipo AA apresentavam preferência por uma dieta à base de carnes.16 Já, Wahlen, Sjolin e Hoffstedt26 sugerem uma relação entre o polimorfismo rs9939609 e o metabolismo celular de gorduras, portadores do alelo AT apresentavam maior liberação de glicerol pelos adipócitos e uma maior concentração de glicerol no plasma do que sujeitos portadores do alelo AA. Isso indica que portadores do alelo AT apresentam uma maior degradação dos lipídios.

Observamos, no presente estudo, que a associação entre o IMC do escolar e o histórico familiar de obesidade foi encontrada, principalmente entre as crianças e adolescentes com o genótipo de risco para obesidade (AA), para o polimorfismo rs9939609. São fatores associados ao sobrepeso/obesidade do escolar ter a mãe obesa (RP: 1,28; p<0,001), avó materna e paterna obesas (RP: 1,22; p=0,047) e avô paterno obeso (RP: 1,32; p<0,001). Lee, Red e Price27 destacam que a predisposição genética exerce papel importante na descendência familiar, o risco para obesidade em um indivíduo que apresenta parente de primeiro grau obeso, quando comparado com um indivíduo que tem apenas parentes de primeiro grau eutróficos, pode variar de 1,5 a 5. Por outro lado, Mustelin et al.28 destacam que a exposição a diferentes meios, como, por exemplo, um alto nível de atividade física, pode modificar os níveis herdáveis de obesidade. Em seu estudo, a exposição à atividade física modificou, de forma significante, o IMC. Em escolares de Santa Cruz do Sul (RS), o polimorfismo rs9939609 esteve associado com sobrepeso e obesidade, teve interação também com os níveis de aptidão cardiorrespiratória.29

O presente estudo apresenta relevância, pois poucos estudos com crianças e adolescentes que analisam o polimorfismo rs9939609, no gene FTO, foram feitos no Brasil. Além disso, apresentamos uma amostra relevante com dados do histórico familiar de obesidade. Porém, o estudo apresenta limitações, como o fato de os dados de obesidade familiar serem autorreferidos pelos pais. Além disso, não foram incluídos no modelo de regressão fatores socioeconômicos e ambientais; sabe‐se que há influência dos fatores socioambientais no crescimento das tendências de obesidade infanto‐juvenil, uma vez que influenciam nos comportamentos alimentares e na prática de atividade física.30 Essas variáveis podem influenciar na relação entre o polimorfismo e o fenótipo clínico de obesidade, se considerarmos que essa condição é multifatorial.

Conclui‐se que há significante relação entre o genótipo de risco para obesidade (AA), do polimorfismo rs9939609 (FTO), com o IMC dos escolares. Além disso, a relação entre sobrepeso/obesidade do escolar com o histórico familiar de obesidade foi encontrada, principalmente, entre os escolares com o genótipo AA.

Financiamento

Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc).

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
D.A. Luis, R. Aller, R. Conde, O. Izaola, B. Fuente, M. González Sagrado, et al.
Relación del polimorfismo rs9939609 del gen FTO com factores de riesgo cardiovascular y niveles de adipocitoquinas en pacientes com obesidad mórbida.
Nutr Hosp, 27 (2012), pp. 1184-1189
[2]
W.A. Lima, M.F. Glaner, A.P. Taylor.
Fenótipo da gordura, fatores associados e o polimorfismo rs9939609 do gene FTO.
Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, 12 (2010), pp. 164-172
[3]
J.E. Cecil, R. Tavendale, P. Watt, M.M. Hetheringnon, C.N.A. Palmer.
An obesity‐associated FTO gene variant and increased energy intake in children.
N Engl J Med, 359 (2008), pp. 2558-2566
[4]
R.M. Freathy, N.J. Timpson, D.A. Lawlor, A. Pouta, Y. Ben-Shlomo, A. Ruokonen, et al.
Common variation in the FTO gene alters diabetes‐related metabolic traits to the extent expected given its effect on BMI.
Diabetes, 57 (2008), pp. 1419-1426
[5]
T. Berentzen, S.I. Kring, C. Holst, E. Zimmermann, T. Jess, T. Hansen, et al.
Lack of association of fatness‐related FTO gene variants with energy expenditure or physical activity.
J Clin Endocrinol Metab, 93 (2008), pp. 2904-2908
[6]
Y.D. Apalasamy, M.F. Ming, S. Rampal, A. Bulgiba, Z. Mohamed.
Genetic association of SNPs in the FTO gene and predisposition to obesity in Malaysian Malays.
Braz J Med Biol Res, 45 (2012), pp. 1119-1126
[7]
K.S. Vimaleswaran, S. Li, J.H. Zhao, J. Luan, S.A. Bingham, K. Khaw, et al.
Physical activity attenuates the body mass index – Increasing influence of genetic variation in the FTO gene1‐3.
Am J Clin Nutr, 90 (2009), pp. 425-442
[8]
S.L. Anzman, B.Y. Rollins, L.L. Birch.
Parental influence on children's early eating environments and obesity risk: implications for prevention.
Int J Obes (Lond), 34 (2010), pp. 1116-1124
[9]
L.S. Flores, A.R. Gaya, R.D. Petersen, A. Gaya.
Tendência do baixo peso, sobrepeso e obesidade de crianças e adolescentes brasileiros.
J Pediatr (Rio J), 89 (2013), pp. 456-461
[10]
L.B. Christensen.
Experimental methodology.
2nd ed., Allyn/Bacon, (1980),
[11]
World Health Organization.
Growth reference data for 5‐19 years.
(2007),
[12]
I. Carvalho Filho, L. Monasterio.
Immigration and the origins of regional inequality: government‐sponsored European migration to southern Brazil before World War I.
Reg Sci Urban Econ, 42 (2012), pp. 794-807
[13]
J. Wardle, C. Llewellyn, S. Sanderson, R. Plomin.
The FTO gene and measured food intake in children.
Int J Obes (Lond), 33 (2009), pp. 42-45
[14]
G. Liu, H. Zhu, V. Lagou, B. Gutin, I.S. Stallmann-Jorgensen, F.A. Treiber, et al.
FTO variant rs9939609 is associated with body mass index and waist circumference, but not with energy intake or physical activity in European‐ and African‐American youth.
BMC Med Genet, 9 (2010), pp. 11-57
[15]
M. Tanofsky-Kraff, J.C. Han, K. Anandalingam, L.B. Shomaker, K.M. Columbo, L.E. Wolkoff, et al.
The FTO gene rs9939609 obesity‐risk allele and loss of control over eating.
Am J Clin Nutr, 90 (2009), pp. 1483-1488
[16]
M. Yang, Y. Xu, L. Liang, J. Fu, F. Xiong, G. Liu.
The effects of genetic variation in FTO rs9939609 on obesity and dietary preferences in Chinese Han children and adolescents.
PLOS ONE, 9 (2014), pp. 1-9
[17]
B. Xi, Y. Shen, M. Zhang, X. Liu, X. Zhao, L. Wu, et al.
The common rs9939609 variant of the fat mass and obesity‐associated gene is associated with obesity risk in children and adolescents of Beijing, China.
BMC Med Genet, 11 (2010), pp. 107
[18]
M. Zhang, X. Zhao, H. Cheng, L. Wang, B. Xi, Y. Shen, et al.
Age‐and sex‐dependent association between FTO rs9939609 and obesity‐related traits in Chinese children and adolescents.
[19]
P. Henriksson, M. Löf, P. Söderkvist, E. Forsum.
Variation in the fat mass and obesity‐related (FTO) genotype is not associated with body fatness in infants, but possibly with their length.
Pediatr Obes, 9 (2014), pp. 112-115
[20]
C.F. Silva, M.R. Zandoná, M.R. Vitolo, P.D. Campagnolo, L.N. Rotta, S. Almeida, et al.
Association between a frequent variant of the FTO gene and anthropometric phenotypes in Brazilian children.
BMC Med Genet, 14 (2013), pp. 34
[21]
J. Ohashi, I. Nakka, R. Kimura, K. Natsuhara, T. Yamauchi, T. Furusawa, et al.
FTO polymorphisms in oceanic populations.
J Hum Genet, 52 (2007), pp. 1031-1035
[22]
K. Flores, O. Garcia, M.C. Caamaño, D. Ronquillo, G. Martínez, J. Rosado, et al.
The presence of rs9939609 of FTO and rs17782313 of MC4R may not be associated with obesity, elevated glucose or altered lipid profile in school children of Queretaro: preliminary analysis.
FASEB J, 28 (2014), pp. LB336
[23]
F. Lopez-Bernejo, C.J. Petry, M. Dias, G. Sebastiani, F. Zegher, D.B. Dunger, et al.
The association between the FTO gene and fat mass in humans develops by the postnatal age of two weeks.
J Clin Endocrinol Metab, 93 (2008), pp. 1501-1505
[24]
M. Solak, M.O. Erdogan, S.H. Yildiz, K. Ucok, S. Yuksel, E.S. Terzi, et al.
Association of obesity with rs1421085 and rs9939609 polymorphisms of FTO gene.
Mol Biol Rep, 41 (2014), pp. 7381-7386
[25]
N.S. Souza, M.E. Melo, C.T. Fujiwara, H.L. Reinhardt, A. Santos, C. Cercato, et al.
rs9939609 in the FTO gene is not related to obesity and worst metabolic profile in a cohort of obese Brazilian children and adolescents.
Obesity, 19 (2011), pp. S1-S234
[26]
K. Wahlén, E. Sjolin, J. Hoffsted.
The common rs9939609 gene variant of the fat mass and obesity‐associated gene FTO is related to fat cell lipolysis.
J Lipid Res, 49 (2008), pp. 607-611
[27]
J.H. Lee, D.R. Reed, R.A. Price.
Familial risk ratios for extreme obesity: implications for mapping between obesity genes.
Int J Obstet Relat Metab Disorders, 21 (1997), pp. 935-940
[28]
L. Mustelin, K. Silventoinen, K. Pittilainen, A. Rissanen, J. Kaprio.
Physical activity reduces the influence of genetic effects on BMI and waist circumference: a study in young adults twins.
Int J Obes, 33 (2009), pp. 29-36
[29]
C.P. Reuter, A.R. Valim, A.R. Gaya, T.S. Borges, E.I. Klinger, L.G. Possuelo, et al.
FTO polymorphism, cardiorespiratory fitness, and obesity in Brazilian youth.
Am J Hum Biol, 28 (2016), pp. 381-386
[30]
M. De Onis.
Preventing childhood overweight and obesity.
J Pediatr (Rio J), 91 (2015), pp. 105-107

Como citar este artigo: Reuter CP, Burgos MS, Bernhard JC, Tornquist D, Klinger EI, Borges TS, et al. Association between overweight and obesity in schoolchildren with rs9939609 polymorphism (FTO) and family history for obesity. J Pediatr (Rio J). 2016;92:493–8.

Trabalho desenvolvido no Programa de Pós‐Graduação em Promoção da Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul, RS, Brasil; e no Programa de Pós‐Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Taxa de publicaçao Publication fee
Os artigos submetidos a partir de 1º de setembro de 2018, que forem aceitos para publicação no Jornal de Pediatria, estarão sujeitos a uma taxa para que tenham sua publicação garantida. O artigo aceito somente será publicado após a comprovação do pagamento da taxa de publicação. Ao submeterem o manuscrito a este jornal, os autores concordam com esses termos. A submissão dos manuscritos continua gratuita. Para mais informações, contate assessoria@jped.com.br. Articles submitted as of September 1, 2018, which are accepted for publication in the Jornal de Pediatria, will be subject to a fee to have their publication guaranteed. The accepted article will only be published after proof of the publication fee payment. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. Manuscript submission remains free of charge. For more information, contact assessoria@jped.com.br.
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.