Jornal de Pediatria Jornal de Pediatria
J Pediatr (Rio J)2017;93:452-9 DOI: 10.1016/j.jpedp.2017.02.011
Artigo Original
Maternal depression and anxiety and fetal-neonatal growth
Depressão e ansiedade maternal e crescimento fetal-neonatal
Tiago Miguel Pintoa,, , Filipa Caldasb, Cristina Nogueira‐Silvac,d,e, Bárbara Figueiredoa
a Universidade do Minho, Escola de Psicologia, Braga, Portugal
b Universidade do Minho, Escola de Ciências da Saúde, Braga, Portugal
c Universidade do Minho, Escola de Ciências da Saúde, Instituto de Pesquisa em Ciências de Vida e Saúde (ICVS), Braga, Portugal
d ICVS/3B's – PT Government Associate Laboratory, Braga/Guimarães, Portugal
e Hospital de Braga, Departamento de Obstetrícia e Ginecologia, Braga, Portugal
Recebido 21 Agosto 2016, Aceitaram 10 Novembro 2016
Resumo
Objetivo

Foi constatado que a depressão e ansiedade materna afetam negativamente o crescimento fetal e neonatal. Contudo, o efeito independente da depressão e ansiedade materna sobre os resultados e as trajetórias de crescimento fetal e neonatal continua incerto. Este estudo visou a analisar simultaneamente o efeito da depressão e ansiedade materna pré‐natal (1) sobre os resultados de crescimento neonatal e (2) sobre as trajetórias do crescimento fetal-neonatal a partir do 2° trimestre de gravidez até o parto.

Métodos

Uma amostra de 172 mulheres foi recrutada e elas relataram graus de depressão e ansiedade no 2° e 3° trimestre de gravidez e parto. Os dados biométricos fetais e neonatais foram coletados dos prontuários clínicos nas mesmas ondas de avaliação.

Resultados

Os neonatos de mães ansiosas no período pré‐natal mostraram menor peso (p=0,006), comprimento (p=0,025) e índice ponderal (p=0,049) no nascimento do que os neonatos de mães não ansiosas no período pré‐natal. Além disso, os neonatos de mães muito ansiosas mostraram um menor aumento de peso do 2° trimestre de gravidez até o parto que os fetos‐neonatos de mães pouco ansiosas (p<0,001). Considerando simultaneamente a depressão e a ansiedade maternal, apenas o efeito da ansiedade materna foi constatado nesses marcadores de resultados e trajetórias de crescimento fetal-neonatal.

Conclusão

Este estudo demonstra o efeito longitudinal independente da ansiedade materna sobre os principais marcadores de resultados e trajetórias de crescimento fetal-neonatal, considerando simultaneamente o efeito da depressão e ansiedade materna.

Abstract
Objective

Maternal depression and anxiety have been found to negatively affect fetal and neonatal growth. However, the independent effects of maternal depression and anxiety on fetal-neonatal growth outcomes and trajectories remain unclear. This study aimed to analyze simultaneously the effects of maternal prenatal depression and anxiety on (1) neonatal growth outcomes, and (2), on fetal-neonatal growth trajectories, from the 2nd trimester of pregnancy to childbirth.

Methods

A sample of 172 women was recruited and completed self‐reported measures of depression and anxiety during the 2nd and 3rd trimesters of pregnancy, and at childbirth. Fetal and neonatal biometrical data were collected from clinical reports at the same assessment moments.

Results

Neonates of prenatally anxious mothers showed lower weight (p=0.006), length (p=0.025), and ponderal index (p=0.049) at birth than neonates of prenatally non‐anxious mothers. Moreover, fetuses‐neonates of high‐anxiety mothers showed a lower increase of weight from the 2nd trimester of pregnancy to childbirth than fetuses‐neonates of low‐anxiety mothers (p<0.001). Considering maternal depression and anxiety simultaneously, only the effect of maternal anxiety was found on these markers of fetal-neonatal growth outcomes and trajectories.

Conclusion

This study demonstrates the independent longitudinal effect of maternal anxiety on major markers of fetal-neonatal growth outcomes and trajectories, simultaneously considering the effect of maternal depression and anxiety.

Keywords
Maternal depression, Maternal anxiety, Fetal-neonatal growth outcomes, Fetal-neonatal growth trajectories
Palavras‐chave
Depressão maternal, Ansiedade maternal, Resultados de crescimento fetal e neonatal, Trajetórias de crescimento fetal e neonatal
J Pediatr (Rio J)2017;93:452-9 DOI: 10.1016/j.jpedp.2017.02.011