Jornal de Pediatria Jornal de Pediatria
J Pediatr (Rio J)2017;93:294-300 DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.12.002
Artigo Original
Impact and seasonality of human rhinovirus infection in hospitalized patients for two consecutive years
Impacto e sazonalidade da infecção por rinovírus humano em pacientes internados por dois anos consecutivos
Jaqueline Leottea, Hygor Trombettaa, Heloisa Z. Faggiona, Bernardo M. Almeidab, Meri B. Nogueirac, Luine R. Vidalc, Sonia M. Rabonia,c,,
a Universidade Federal do Paraná (UFPR), Hospital de Clínicas, Divisão de Doenças Infecciosas, Curitiba, PR, Brasil
b Universidade Federal do Paraná (UFPR), Hospital de Clínicas, Divisão de Epidemiologia Hospitalar, Curitiba, PR, Brasil
c Universidade Federal do Paraná (UFPR), Hospital de Clínicas, Laboratório de Virologia, Curitiba, PR, Brasil
Recebido 27 Junho 2016, Aceitaram 29 Julho 2016
Resumo
Objetivos

Relatar as características epidemiológicas, as características clínicas e os resultados das infecções por rinovírus humano (RVH) em comparação a outras infecções por vírus respiratórios adquiridos na comunidade (VRCs) em pacientes internados por dois anos consecutivos.

Métodos

Este foi um estudo transversal. Foram revisados os dados clínicos, epidemiológicos e laboratoriais de pacientes internados com síndrome respiratória aguda em um hospital terciário de 2012 a 2013.

Resultados

O RVH foi o VRC mais comum observado (36%, 162/444) e esteve presente na maior parte das codetecções virais (69%, 88/128), principalmente em associação ao enterovírus humano (45%). A maioria dos pacientes infectados por RVH possuía menos de 2 anos (57%). De modo geral, os pacientes com RVH apresentaram uma menor frequência de infecção respiratória aguda grave que os pacientes infectados por outros VRCs (60% e 84%, respectivamente, p=0,006), porém mais comorbidades (40% e 27%, respectivamente; p=0,043). Contudo, em uma análise ajustada, essa associação não foi significativa. A taxa de mortalidade no grupo RVH foi 3%. A detecção de RVH foi mais prevalente durante o outono e inverno, com uma correlação negativa moderada entre a frequência de infecção viral e a temperatura (r=‐0,636, p<0,001), porém nenhuma correlação com a precipitação (r=−0,036, p=0,866).

Conclusão

O RVH é normalmente detectado em crianças internadas com infecções respiratórias e normalmente está presente em codetecções virais. As comorbidades estão estreitamente associadas a infecções por RVH. Essas infecçõesmostram variação sazonal, com predominância durante as estações mais frias.

Abstract
Objectives

To report epidemiological features, clinical characteristics, and outcomes of human rhinovirus (HRV) infections in comparison with other community acquired respiratory virus (CRV) infections in patients hospitalized for two consecutive years.

Methods

This was a cross‐sectional study. Clinical, epidemiological, and laboratory data of patients hospitalized with acute respiratory syndrome in a tertiary care hospital from 2012 to 2013 were reviewed.

Results

HRV was the most common CRV observed (36%, 162/444) and was present in the majority of viral co‐detections (69%, 88/128), mainly in association with human enterovirus (45%). Most HRV‐infected patients were younger than 2 years (57%). Overall, patients infected with HRV had a lower frequency of severe acute respiratory infection than those infected with other CRVs (60% and 84%, respectively, p=0.006), but had more comorbidities (40% and 27%, respectively; p=0.043). However, in the adjusted analysis this association was not significant. The mortality rate within the HRV group was 3%. Detection of HRV was more prevalent during autumn and winter, with a moderately negative correlation between viral infection frequency and temperature (r=−0.636, p<0.001) but no correlation with rainfall (r=−0.036, p=0.866).

Conclusion

HRV is usually detected in hospitalized children with respiratory infections and is often present in viral co‐detections. Comorbidities are closely associated with HRV infections. These infections show seasonal variation, with predominance during colder seasons.

Keywords
Human rhinovirus, Acute respiratory infections, Respiratory virus
Palavras‐chave
Rinovírus humano, Infecções respiratórias agudas, Vírus respiratório
J Pediatr (Rio J)2017;93:294-300 DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.12.002