Jornal de Pediatria Jornal de Pediatria
J Pediatr (Rio J)2017;93:538-43 DOI: 10.1016/j.jpedp.2017.04.007
Artigo Original
Hyperuricemia is associated with low cardiorespiratory fitness levels and excess weight in schoolchildren
Hiperuricemia está associada com baixos níveis de aptidão cardiorrespiratória e excesso de peso em escolares
Luiza N. Reisa, Jane D.P. Rennerb, Cézane P. Reuterc,d, Jorge A. Hortab, Dulciane N. Paivae, Andréia R. de M. Valimb, Ana P. Sehna, Elza D. de Melloc, Miria S. Burgose,,
a Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Santa Cruz do Sul, RS, Brasil
b Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Programa de Pós‐Graduação em Promoção da Saúde, Departamento de Biologia e Farmácia, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil
c Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós‐Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Porto Alegre, RS, Brasil
d Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Departamento de Educação Física e Saúde, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil
e Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Programa de Pós‐Graduação em Promoção da Saúde, Departamento de Educação Física e Saúde, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil
Recebido 25 Agosto 2016, Aceitaram 29 Novembro 2016
Resumo
Objetivo

Avaliar a possível relação entre hiperuricemia com aptidão cardiorrespiratória e o estado nutricional, agrupados, em escolares.

Método

Estudo transversal com 2.335 escolares da educação básica de 7 a 17 anos, de ambos os sexos, estratificados por conglomerados de um munícipio do sul do Brasil. Foi calculado o índice de massa corporal (IMC) e a aptidão cardiorrespiratória (APCR) foi avaliada pelo teste de corrida/caminhada de 6 minutos. O IMC e a APCR foram agrupados em uma única variável, considerando: 1) baixo peso‐normal/apto; 2) baixo peso‐normal/inapto; 3) sobrepeso‐obesidade/apto; 4) sobrepeso‐obesidade/inapto. A regressão de Poisson (razão de prevalência; RP) foi usada para associação entre hiperuricemia e a relação APCR/IMC com intervalos de confiança de 95% e diferenças significativas consideradas para p<0,05.

Resultados

Observa‐se associação, embora sutil, entre a presença de hiperuricemia com baixos níveis de APCR e a presença de excesso de peso, de forma agrupada. Meninos e meninas, com essa condição, têm maior prevalência de hiperuricemia (RP: 1,07; p=0,007; RP: 1,10; p<0,001, respectivamente), em comparação com seus pares com bons níveis de APCR e estado nutricional adequado.

Conclusão

De forma conjunta, o excesso de peso e os baixos níveis de aptidão cardiorrespiratória estão associados com a presença de hiperuricemia em escolares.

Abstract
Objective

To evaluate the possible association between hyperuricemia and cardiorespiratory fitness levels/nutritional profile, grouped into a single variable, in schoolchildren.

Method

Cross‐sectional study of 2335 students from Elementary schools, aged 7–17 years of both genders, stratified by conglomerates of a municipality in Southern Brazil. Body mass index (BMI) was calculated and cardiorespiratory fitness (CRF) was assessed by the 6‐minute run/walk test. The BMI and CRF were grouped into a single variable, considering: (1) low and normal weight/fit; (2) low and normal weight/unfit; (3) overweight‐obesity/fit; (4) overweight‐obesity/unfit. The Poisson regression (prevalence ratio, PR) was used for the association between hyperuricemia and BMI/CRF ratio with 95% confidence intervals and differences were considered significant when p<0.05.

Results

There is an association, although subtle, between the presence of hyperuricemia with low levels of CRF and the presence of excess weight, when grouped into a single variable. Boys and girls with this condition have higher prevalence of hyperuricemia (PR: 1.07; p=0.007 for boys; PR: 1.10; p<0.001 for girls).

Conclusion

Together, excess weight and low levels of cardiorespiratory fitness are associated with the presence of hyperuricemia in schoolchildren.

Keywords
Hyperuricemia, Physical fitness, Overweight, Child, Adolescent
Palavras‐chave
Hiperuricemia, Aptidão física, Excesso de peso, Criança, Adolescente
J Pediatr (Rio J)2017;93:538-43 DOI: 10.1016/j.jpedp.2017.04.007