Jornal de Pediatria Jornal de Pediatria
J Pediatr (Rio J)2017;93:209-10 DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.11.011
Editorial
Bronchiolitis and asthma: the next step
Bronquiolite e asma: o próximo passo
Louis Bont
University Medical Center Utrecht (UMCU), Wilhelmina Children's Hospital (WKZ), Department of Pediatrics, Utrecht, Países Baixos

A asma é uma das condições crônicas mais comuns na infância. A origem da asma não é totalmente entendida, porém está claro que se trata de uma doença complexa com mecanismos genéticos, bem como fatores ambientais envolvidos. Nesta publicação do Jornal de Pediatria, Brandão et al. analisaram a relação entre a bronquiolite viral aguda no primeiro ano de vida e a asma em idade escolar em uma coorte de 672 crianças no Nordeste do Brasil.1 A bronquiolite viral aguda foi definida de acordo com as diretrizes da Academia Americana de Pediatria (AAP), que basicamente exige uma combinação de sintomas respiratórios superiores e inferiores no primeiro ano de vida. Mesmo após o ajuste para possíveis variáveis de confusão, incluindo atopia familiar ou exposição a fumaça de cigarro, a bronquiolite no primeiro ano de vida foi associada de maneira independente a asma em idade escolar. Por que esse estudo é importante? Sugere a possibilidade de que possamos conseguir evitar a asma e prevenir infecções virais na primeira infância. Essa possibilidade depende da relação causal entre a bronquiolite e a asma subsequente. Para bronquiolite por rinovírus, a associação é forte, porém estudos epidemiológicos sugerem que a bronquiolite por rinovírus “revela” asma em vez de ser causativa.2,3 Para vírus sincicial respiratório (VSR), a associação é menos forte, porém a associação pode muito bem ser causal. A infecção por VSR causa forte inflamação neutrofílica das vias aéreas, o que pode causar mudanças persistentes nas vias áreas,4,5 o que resulta em doença crônica das vias aéreas sem causar sensibilização alérgica. Em linha com essa hipótese, um estudo de coorte de nascimento anterior, por Renato Stein, demonstrou que o VSR não aumentou o risco de sensibilização alérgica.6 A causalidade foi sugerida por um estudo longitudinal complexo por Wu et al. Mostraram que o intervalo de tempo entre o momento do nascimento e o pico da temporada de VSR determina o risco de asma em idade escolar.7 A comprovação mais convincente supostamente vem de testes de prevenção contra VSR. Para infecção por VSR, a maioria dos testes indicou que a prevenção de doenças causadas por VSR reduz o risco de sibilância subsequente,8–10 apesar de isso não ter sido confirmado por um estudo recente.11 Os resultados desses testes devem ser usados com cautela, pois todos foram feitos em populações especiais, deixaram a possibilidade de que a direção ou o tamanho do efeito de longo prazo do VSR sobre a asma é diferente na população normal. A vacinação contra gripe, por vacinação materna ou infantil, é uma das possíveis intervenções a ser considerada. Provavelmente, o mais importante são as vacinas contra VSR desenvolvidas recentemente.12 Várias empresas atualmente entraram no desenvolvimento clínico de suas vacinas contra VSR. As vacinas à base de nanopartículas para vacinação materna já entraram na fase III. Essa vacina é desenvolvida com o apoio da Fundação Bill e Melinda Gates e destina‐se a ser acessível, e, assim, com disponibilidade futura em países de alta, média e baixa rendas. Os programas clínicos de vacinação contra VSR de outras grandes empresas seguem rapidamente, então parece ser uma questão de tempo até que tenhamos uma vacina contra VSR. Esses próximos testes de prevenção contra VSR na população normal abordarão a relação causal entre o VSR e a asma e mostrarão o potencial de prevenção primária da asma. O desenvolvimento clínico de todas as vacinas contra VSR conta com o apoio de estudos, como os de Brandão, que mostram que a prevenção da bronquiolite viral aguda não apenas reduz o risco de uma doença aguda com risco de vida, mas também pode afetar a saúde pulmonar das crianças ao longo da infância e posteriormente.

Conflitos de interesse

O UMCU recebeu financiamento de estudos de investigadores de Louis Bont, AbbVie, MedImmune, Janssen e MeMed Diagnostics. O UMCU recebeu honorários por consultoria ou palestras convidadas de AbbVie, Ablynx, MabXience, Novavax e Janssen.

Referências
1
H.V. Brandão,G.O. Vieira,T.O. Vieira,Á.A. Cruz,A.C. Guimarães,C. Teles
Acute viral bronchiolitis and risk of asthma in schoolchildren: analysis of a Brazilian newborn cohort
J Pediatr (Rio J), 93 (2017), pp. 223-229
2
D.J. Jackson,M.D. Evans,R.E. Gangnon,C.J. Tisler,T.E. Pappas,W.M. Lee
Evidence for a causal relationship between allergic sensitization and rhinovirus wheezing in early life
Am J Respir Crit Care Med, 185 (2012), pp. 281-285 http://dx.doi.org/10.1164/rccm.201104-0660OC
3
D.J. Jackson,R.E. Gangnon,M.D. Evans,K.A. Roberg,E.L. Anderson,T.E. Pappas
Wheezing rhinovirus illnesses in early life predict asthma development in high‐risk children
Am J Respir Crit Care Med, 178 (2008), pp. 667-672 http://dx.doi.org/10.1164/rccm.200802-309OC
4
R.J. Geerdink,J. Pillay,L. Meyaard,L. Bont
Neutrophils in respiratory syncytial virus infection: a target for asthma prevention
J Allergy Clin Immunol, 136 (2015), pp. 838-847 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2015.06.034
5
G.A. Funchal,N. Jaeger,R.S. Czepielewski,M.S. Machado,S.P. Muraro,R.T. Stein
Respiratory syncytial virus fusion protein promotes TLR‐4‐dependent neutrophil extracellular trap formation by human neutrophils
6
R.T. Stein,C.J. Holberg,D. Sherrill,A.L. Wright,W.J. Morgan,L. Taussig
Influence of parental smoking on respiratory symptoms during the first decade of life: the Tucson Children's Respiratory Study
Am J Epidemiol, 149 (1999), pp. 1030-1037
7
P. Wu,W.D. Dupont,M.R. Griffin,K.N. Carroll,E.F. Mitchel,T. Gebretsadik
Evidence of a causal role of winter virus infection during infancy in early childhood asthma
Am J Respir Crit Care Med, 178 (2008), pp. 1123-1129 http://dx.doi.org/10.1164/rccm.200804-579OC
8
E.A. Simões,X. Carbonell-Estrany,C.H. Rieger,I. Mitchell,L. Fredrick,J.R. Groothuis
The effect of respiratory syncytial virus on subsequent recurrent wheezing in atopic and nonatopic children
J Allergy Clin Immunol, 126 (2010), pp. 256-262 http://dx.doi.org/10.1016/j.jaci.2010.05.026
9
S. Yoshihara,S. Kusuda,H. Mochizuki,K. Okada,S. Nishima,E.A. Simões
Effect of palivizumab prophylaxis on subsequent recurrent wheezing in preterm infants
Pediatrics, 132 (2013), pp. 811-818 http://dx.doi.org/10.1542/peds.2013-0982
10
M.O. Blanken,M.M. Rovers,J.M. Molenaar,P.L. Winkler-Seinstra,A. Meijer,J.L. Kimpen
Respiratory syncytial virus and recurrent wheeze in healthy preterm infants
N Engl J Med, 368 (2013), pp. 1791-1799 http://dx.doi.org/10.1056/NEJMoa1211917
11
K.L. O’Brien,A. Chandran,R. Weatherholtz,H.S. Jafri,M.P. Griffin,T. Bellamy
Efficacy of motavizumab for the prevention of respiratory syncytial virus disease in healthy Native American infants: a phase 3 randomised double‐blind placebo‐controlled trial
Lancet Infect Dis, 15 (2015), pp. 1398-1408 http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(15)00247-9
12
N.I. Mazur,F. Martinón-Torres,E. Baraldi,B. Fauroux,A. Greenough,T. Heikkinen
Lower respiratory tract infection caused by respiratory syncytial virus: current management and new therapeutics
Lancet Respir Med, 3 (2015), pp. 888-900 http://dx.doi.org/10.1016/S2213-2600(15)00255-6

Como citar este artigo: Bont L. Bronchiolitis and asthma: the next step. J Pediatr (Rio J). 2017;93:209–10.

Ver artigo de Brandão et al. nas páginas 223–9.

J Pediatr (Rio J)2017;93:209-10 DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.11.011