Jornal de Pediatria Jornal de Pediatria
J Pediatr (Rio J)2017;93:343-50 DOI: 10.1016/j.jpedp.2017.02.003
Artigo original
A randomized controlled trial of the laryngeal mask airway for surfactant administration in neonates
Ensaio controlado randomizado de máscara laríngea para administração de surfactantes em neonatos
Rosilu F. Barbosaa,b,, , Ana C. Simões e Silvaa, Yerkes P. Silvaa,c
a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Faculdade de Medicina, Departamento de Pediatria, Laboratório Interdisciplinar de Investigação Médica, Belo Horizonte, MG, Brasil
b Maternidade Unimed-BH, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, Belo Horizonte, MG, Brasil
c Hospital Lifecenter, Departamento de Anestesia, Belo Horizonte, MG, Brasil
Recebido 23 Maio 2016, Aceitaram 17 Agosto 2016
Resumo
Objetivo

Comparar a eficácia de curto prazo da administração de surfactante por máscara laríngea em comparação com o tubo endotraqueal.

Métodos

Neonatos prematuros (28‐35 semanas de idade gestacional), com 1kg ou mais, com síndrome do desconforto respiratório, que necessitavam de pressão positiva nasal contínua nas vias aéreas, com aumento do esforço respiratório e/ou fração de oxigênio inspirado (FiO2)0,40 para manter a saturação de oxigênio 91‐95%, foram randomizados para receber surfactante por ML seguido por nCPAP ou por TE seguido por ventilação mecânica (VM). O resultado clínico primário foi definido como FiO2 ≤ 0,30 três horas após o surfactante. Os resultados secundários do grupo de ML foram: necessidade de segunda dose de surfactante nas primeiras 24 horas, necessidade de VM e presença de surfactante no conteúdo gástrico.

Resultados

Foram randomizados 48 pacientes; 26 no grupo de ML e 22 no grupo de TE. Seis dentre os 26 pacientes (23%) do grupo de ML e cinco dentre 22 pacientes (22,7%) do grupo de TE não apresentaram o resultado primário (p=0,977); 14 (53,8%) dos pacientes do grupo de ML não foram intubados nem ventilados; 12 (46,1%) foram submetidos a VM: por falha do surfactante (23%), por falha da nCPAP (11,5%) e por complicações tardias (11,5%). Os grupos foram semelhantes em relação às condições pré‐natais e de nascimento e a ocorrência de eventos adversos. Não foi encontrado conteúdo gástrico significativo em 61,5% dos pacientes do grupo de ML. As necessidades de oxigênio e da segunda dose de surfactante, o índice arterial/alveolar e as morbidades foram semelhantes entre os grupos.

Conclusões

A administração de surfactante por ML mostrou eficácia de curto prazo com necessidade complementar de oxigênio semelhante ao surfactante por TE e menor necessidade de VM. Serão necessários estudos adicionais com tamanho da amostra maior para confirmar esses resultados.

Abstract
Objective

To compare the short‐term efficacy of surfactant administration by laryngeal mask airway versus endotracheal tube.

Methods

Preterm infants (28–35 weeks of gestational age), weighing 1kg or more, with respiratory distress syndrome, requiring nasal continuous positive airway pressure, with increased respiratory effort and/or fraction of inspired oxygen (FiO2)0.40 to maintain oxygen saturation 91–95%, were randomized to receive surfactant by LMA following nCPAP or by ETT following mechanical ventilation (MV). The primary outcome was a clinical response defined as FiO20.30 three hours after surfactant. Secondary outcomes for LMA group were: need of surfactant retreatment during the first 24h, MV requirement, and presence of surfactant in gastric content.

Results

Forty‐eight patients were randomized; 26 in the LMA group and 22 in the ETT group. Six of 26 patients (23%) in the LMA group and five of 22 patients (22.7%) in the ETT group did not meet the primary outcome (p=0.977). Fourteen (53.8%) of the LMA patients were not intubated nor ventilated; 12 (46.1%) were ventilated: for surfactant failure (23%), for nCPAP failure (11.5%), and for late complications (11.5%). Groups were similar regarding prenatal status, birth conditions, and adverse events. No significant gastric content was found in 61.5% of the LMA patients. Oxygen and second dose surfactant requirements, arterial/alveolar ratio, and morbidities were similar among groups.

Conclusions

Surfactant administration by LMA showed short‐term efficacy, with similar supplementary oxygen need compared to surfactant by ETT, and lower MV requirement. Further studies with larger sample size are necessary to confirm these results.

Keywords
Laryngeal mask airway, Preterm infant, Pulmonary surfactant
Palavras‐chave
Máscara laríngea, Neonato prematuro, Surfactante pulmonar
J Pediatr (Rio J)2017;93:343-50 DOI: 10.1016/j.jpedp.2017.02.003