Compartilhar
Informação da revista
Vol. 93. Núm. 1.Janeiro - Fevereiro 2017
Páginas 1-106
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
1330
Vol. 93. Núm. 1.Janeiro - Fevereiro 2017
Páginas 1-106
Artigo Original
DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.07.005
Open Access
Body mass index reference charts for the individuals with Down syndrome aged 2‐18 years
Gráfico de referência do Índice de Massa Corporal para os indivíduos com síndrome de Down entre 2 e 18 anos de idade
Visitas
1330
Fabio Bertapellia,
Autor para correspondência
fbertapelli@gmail.com

Autor para correspondência.
, Maira R. Machadoa, Raísa do Val Rosoa, Gil Guerra‐Júniorb
a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP, Brasil
b Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Ciências Médicas, Departamento de Pediatria, Campinas, SP, Brasil
Este item recebeu
1330
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (2)
Tabelas (2)
Tabela 1. Valores de índice de massa corporal (IMC) de crianças e adolescentes com síndrome de Down do sexo masculino entre 2 e 18 anos
Tabela 2. Valores de índice de massa corporal (IMC) de crianças e adolescentes com síndrome de Down do sexo feminino entre 2 e 18 anos
Mostrar maisMostrar menos
Abstract
Objective

To develop Brazilian growth charts for body mass index (BMI‐for‐age) for individuals with Down syndrome (DS). The secondary objective was to compare the BMI‐for‐age with the Centers for Disease Control and Prevention standards (CDC).

Methods

A retrospective and cross‐sectional growth study of 706 youth with DS (56.7% males) was performed in 51 centers in São Paulo state, Brazil. Weight and height were used to calculate the BMI (kg/m2). The LMS method was applied to construct the growth charts. Z‐scores were based on the CDC 2000 growth standards.

Results

The BMI‐for‐age reference charts showed excellent goodness of fit statistics for boys and girls with DS aged 2–18 years. At 2 years of age, the mean BMI Z‐scores of boys and girls with DS were lower compared to those of the CDC (Z‐score=−0.2). In contrast, children with DS aged 3‐18 years had higher mean Z‐scores for BMI‐for‐age when compared to those of the CDC (Z‐scores=+0.2 to +1.3).

Conclusions

The BMI of Brazilian youth with DS differs from those references established by CDC. These are the first Brazilian BMI‐for‐age charts for individuals with DS and will hopefully guide clinicians and parents in the evaluation and management of the nutritional status in children and adolescents with DS in Brazil.

Keywords:
Trisomy 21
Body mass index
Weight
Height
Growth charts
Nutritional status
Resumo
Objetivo

Desenvolver curvas específicas de índice de massa corporal (IMC‐para‐idade) para população brasileira com síndrome de Down (SD). O objetivo secundário foi comparar os valores de IMC‐para‐idade com os valores normativos dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

Métodos

Estudo do tipo retrospectivo e transversal. A amostra foi constituída de 706 jovens com SD (56,7%, meninos) recrutados em 51 instituições no Estado de São Paulo, Brasil. Peso e estatura foram obtidos e empregados para o cálculo de IMC (Kg/m2). O método LMS foi usado para a construção das curvas. Escores Z foram calculados com base na referência do CDC 2000.

Resultados

As curvas de referência de IMC‐para‐idade para meninos e meninas com SD na faixa entre 2‐18 anos apresentaram excelente ajuste estatístico. Aos 2 anos, o escore Z médio IMC de crianças com SD apresentou‐se menor quando comparado com o CDC (escore Z=‐0,2). Em contraste, os escores Z médios de IMC de jovens com SD foram superiores entre 3‐18 anos (escores Z=+0,2 a +1,3).

Conclusões

A população brasileira com SD apresentou diferentes padrões de IMC quando comparada com as referências do CDC. As curvas desenvolvidas neste estudo representam a primeira referência nacional de IMC‐para‐idade para jovens com SD. Espera‐se, portanto, que essas curvas possam guiar pais e profissionais na avaliação do estado nutricional de crianças e adolescentes com SD no território brasileiro.

Palavras‐chave:
Trissomia 21
Índice de massa corporal
Peso
Estatura
Curvas de crescimento
Estado nutricional
Texto Completo
Introdução

Síndrome de Down (SD) é uma desordem cromossômica com estimativa aproximada entre 3,05 e 14 em 10.000 nascidos vivos em países como Estados Unidos e China.1,2 Em relação à prevalência populacional mais recente, estudos mostram variação entre 6,1 e 13,1 por 10.000 pessoas.3,4 A expectativa de vida entre pessoas com SD tem aumentado consideravelmente nas últimas décadas. Estudo sugere que 94,4% das crianças com SD nascidas em 2000 devem sobreviver em 2020, 90,8% em 2030 e 76,3% em 2050.3 O aumento na expectativa de vida relaciona‐se ao desenvolvimento de pesquisas e ofertas de serviços.5 Apesar dos avanços, crianças com SD apresentam condições de saúde que afetam a qualidade de vida, incluindo cardiopatias congênitas, hipotireoidismo, distúrbios gastrointestinais e apneia obstrutiva do sono.6 Segundo as diretrizes da Academia Americana de Pediatria e do Ministério da Saúde, pessoas com SD também apresentam restrição no crescimento e sobrepeso.7,8

Acompanhar adequadamente o estado nutricional de jovens com SD permite prevenir e identificar problemas gerais de saúde. O índice de massa corporal (IMC) é um indicador de saúde comumente usado para classificar o estado nutricional de crianças, adultos e idosos. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) têm recomendado o uso do IMC para avaliar as condições de saúde de crianças acima de 2 anos. No entanto, jovens com SD apresentam diferentes padrões de peso, estatura e IMC quando comparados com as crianças da população geral.9 Quando comparados com o CDC, jovens com SD entre 2‐20 anos apresentaram baixa estatura, bem como valores superiores de IMC após os 2 anos, o que sugere a necessidade de curvas específicas de crescimento para a população jovem com SD.10 No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda o uso das curvas de peso‐para‐idade de Cronk et al. (1988)11 para o acompanhamento do estado nutricional de jovens brasileiros com SD entre 2 e 18 anos.7 Essas curvas combinam dados transversais e longitudinais e incluem 730 jovens americanos com SD entre 1 mês e 18 anos.11 Essas curvas, no entanto, foram contestadas pela Academia Americana de Pediatria para aplicação clínica e prática.8

Devido às limitações das curvas existentes e à ausência de valores normativos de IMC‐para‐idade para jovens brasileiros com SD, o presente estudo teve como objetivo desenvolver curvas específicas de IMC‐para‐idade para a população brasileira com SD entre 2 e 18 anos. O objetivo secundário foi comparar os valores de IMC‐para‐idade dos participantes do presente estudo com os valores normativos estabelecidos pelo CDC 2000.

Métodos

Crianças e adolescentes com SD entre 2 e 18 anos foram recrutados a partir de um estudo do tipo retrospectivo e transversal desenvolvido entre 2012 e 2015. O estudo foi feito na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 48 centros especializados para o atendimento de pessoas com deficiência intelectual e em dois centros especializados para pessoas com SD, todos no Estado de São Paulo. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp (140.186/2012). O termo de consentimento livre e esclarecido foi assinado pelos pais e responsáveis.

Dados de registros clínicos foram obtidos por meio de entrevistas com as famílias e de prontuários médicos. Um questionário foi aplicado aos pais e responsáveis, incluindo informações de idade, sexo, idade gestacional, comorbidades, medicamentos, peso, estatura e perímetro cefálico. Na entrevista, também foram obtidas informações do cartão da criança e de formulários fornecidos aos pais (por unidades de saúde, clínicas médicas e hospitais da região de Campinas). Peso e estatura foram coletados por uma equipe de avaliadores treinados em 2012, 2013 e 2014. Os participantes foram medidos descalços e vestiam roupas leves. Em Campinas, a estatura foi avaliada mediante estadiômetro portátil, modelo E210 (Wiso®, SC, Brasil) e o peso foi aferido em balança digital, modelo W801 (Wiso®, SC, Brasil).

O tratamento dos dados foi feito em diferentes etapas, com exclusão de dados nas seguintes situações: 1) dados duplicados observados mediante o código de identificação, data de nascimento e data da avaliação; 2) dados discrepantes (cinco desvios‐padrão acima ou abaixo da média); 3) identificação de perda de estatura em amostras longitudinais. No caso de inconsistência dos dados, os questionários e registros clínicos foram reexaminados. Dados de peso e estatura foram usados para o cálculo do IMC, com a seguinte fórmula: IMC = Peso dividido pela estatura ao quadrado (Kg/m2). Modelos aditivos generalizados para posição, escala e forma (GAMLSS)12 foram usados para a construção das curvas de IMC/idade, com o software R (R Foundation for Statistical Computing, versão 3.2.2, Viena, Áustria). O método LMS e gráficos worm plots foram usados para modelagem das curvas.13,14

Os percentis gerados para IMC/idade foram os seguintes: 5, 10, 25, 50, 75, 85, 90, e 95. Escores Z médios foram calculados para comparar o IMC/idade com as referências normativas estabelecidas pelo CDC,15 mediante a seguinte equação: Z = [(X / M)L‐1] / L * S, na qual X foi a medida observada (IMC) de cada participante, M a mediana, L o valor de assimetria, ‐1 a constante e S o valor do coeficiente de variação. Os valores de L, M e S foram obtidos das tabelas normativas do CDC 2000.

ResultadosParticipantes

A amostra foi constituída de 706 participantes com SD entre 2 e 18 anos nascidos entre 1978 e 2012 (56,7%, meninos). No estudo, foram coletadas 1.986 observações de IMC. No que se refere à idade gestacional, 10,1% foram prematuros (< 37 semanas de gestação). Observando‐se a frequência de comorbidades, 17,9% apresentaram cardiopatias congênitas, 13,1% foram submetidos à cirurgia cardíaca e 22% apresentaram hipotireoidismo (todos controlados laboratorialmente). Informações faltantes relacionadas à idade gestacional, cardiopatias e hipotireoidismo foram de 57,9%, 31,3%, e 27,2%, respectivamente.

Gráfico de IMC

As curvas de referência de IMC‐para‐idade para meninos e meninas com SD entre 2‐18 anos apresentaram excelente ajuste estatístico. A maioria dos indivíduos apresentou mais do que uma única observação (82%). Número de observações, médias, desvios‐padrão, LMS e percentis por idade e sexo estão apresentados nas tabelas 1 e 2. Gráficos com os percentis de IMC/idade de meninos e meninas com SD podem ser observados nas figuras 1 e 2. Aos 2 anos, o escore Z médio de IMC de crianças com SD foi menor comparado com os valores normativos do CDC (escore Z = ‐0,2). Em contraste, os escores Z médios de IMC de crianças e adolescentes com SD de ambos os sexos foram superiores entre 3 e 18 anos (escores Z = +0,2 a +1,3).

Tabela 1.

Valores de índice de massa corporal (IMC) de crianças e adolescentes com síndrome de Down do sexo masculino entre 2 e 18 anos

Idade  Média  DP  Percentis (IMC, Kg/m2) ‐ Meninos
              5%  10%  25%  50%  75%  85%  90%  95% 
97  16,39  1,76  −1,2594  16,1884  0,1059  13,83  14,28  15,12  16,19  17,45  18,22  18,79  19,71 
86  16,60  1,69  −1,2747  16,3847  0,1107  13,91  14,38  15,26  16,38  17,72  18,55  19,16  20,16 
79  16,63  1,90  −1,2922  16,6125  0,1163  14,00  14,49  15,42  16,61  18,05  18,94  19,60  20,70 
72  17,47  2,27  −1,3133  16,9091  0,1235  14,12  14,64  15,62  16,91  18,47  19,45  20,19  21,42 
64  17,53  2,83  −1,3330  17,2500  0,1317  14,26  14,81  15,86  17,25  18,96  20,06  20,89  22,28 
72  18,11  3,24  −1,3468  17,6922  0,1418  14,44  15,04  16,17  17,69  19,60  20,84  21,79  23,41 
75  19,28  3,93  −1,3417  18,2846  0,1537  14,71  15,35  16,59  18,28  20,44  21,87  22,99  24,90 
70  20,35  4,04  −1,3018  18,9805  0,1660  15,03  15,73  17,10  18,98  21,42  23,06  24,35  26,60 
10  77  20,57  4,41  −1,2190  19,7185  0,1772  15,37  16,14  17,64  19,72  22,44  24,28  25,72  28,27 
11  76  21,13  4,60  −1,0920  20,6106  0,1867  15,81  16,66  18,32  20,61  23,60  25,62  27,20  29,96 
12  69  23,15  4,74  −0,9386  21,7209  0,1938  16,44  17,38  19,20  21,72  24,97  27,14  28,82  31,72 
13  65  23,27  4,18  −0,7887  22,8300  0,1982  17,08  18,11  20,10  22,83  26,30  28,57  30,31  33,28 
14  68  24,63  5,09  −0,6574  23,8454  0,2011  17,68  18,79  20,94  23,85  27,49  29,84  31,63  34,62 
15  49  25,75  5,10  −0,5447  24,7468  0,2030  18,21  19,40  21,68  24,75  28,53  30,94  32,76  35,78 
16  40  26,14  5,63  −0,4393  25,5368  0,2046  18,66  19,92  22,33  25,54  29,44  31,90  33,74  36,76 
17  39  26,53  5,58  −0,3356  26,2865  0,2060  19,07  20,41  22,95  26,29  30,31  32,81  34,66  37,67 
18  30  28,00  5,85  −0,2346  27,0475  0,2074  19,48  20,90  23,57  27,05  31,18  33,72  35,59  38,60 
Tabela 2.

Valores de índice de massa corporal (IMC) de crianças e adolescentes com síndrome de Down do sexo feminino entre 2 e 18 anos

Idade  Média  DP  Percentis (IMC, Kg/m2) ‐ Meninas
              5%  10%  25%  50%  75%  85%  90%  95% 
81  16,06  2,00  −0,0422  15,8660  0,1166  13,11  13,67  14,67  15,87  17,17  17,91  18,43  19,23 
76  16,19  1,80  −0,0230  16,1631  0,1262  13,14  13,75  14,85  16,16  17,60  18,42  19,01  19,90 
73  16,67  2,22  0,0019  16,5153  0,1360  13,20  13,87  15,07  16,52  18,10  19,01  19,66  20,65 
62  17,12  2,57  0,0362  16,9481  0,1459  13,32  14,05  15,36  16,95  18,70  19,71  20,42  21,52 
53  17,59  2,93  0,0761  17,4851  0,1557  13,50  14,30  15,74  17,49  19,41  20,53  21,31  22,53 
54  18,44  3,12  0,1135  18,1450  0,1649  13,78  14,65  16,22  18,14  20,27  21,49  22,36  23,70 
60  19,32  3,88  0,1491  18,9270  0,1734  14,14  15,10  16,82  18,93  21,25  22,60  23,55  25,03 
61  19,57  3,18  0,1836  19,8402  0,1810  14,61  15,65  17,54  19,84  22,39  23,86  24,90  26,51 
10  45  20,75  4,12  0,2129  20,8954  0,1878  15,18  16,32  18,38  20,90  23,68  25,29  26,42  28,18 
11  46  22,44  4,31  0,2358  22,0355  0,1937  15,82  17,06  19,30  22,04  25,06  26,81  28,05  29,96 
12  46  24,04  5,23  0,2525  23,1548  0,1987  16,46  17,80  20,20  23,15  26,42  28,30  29,64  31,70 
13  47  25,51  4,96  0,2652  24,1529  0,2029  17,03  18,45  21,01  24,15  27,63  29,64  31,06  33,26 
14  44  25,75  4,73  0,2762  24,9738  0,2064  17,48  18,97  21,67  24,97  28,63  30,74  32,24  34,55 
15  35  26,56  5,78  0,2878  25,6252  0,2093  17,83  19,38  22,19  25,63  29,43  31,63  33,18  35,58 
16  37  26,40  5,92  0,3008  26,1495  0,2118  18,10  19,70  22,60  26,15  30,07  32,34  33,94  36,42 
17  23  25,70  5,73  0,3136  26,6092  0,2137  18,33  19,98  22,96  26,61  30,64  32,96  34,61  37,14 
18  20  25,94  5,11  0,3252  27,0592  0,2154  18,57  20,26  23,32  27,06  31,19  33,57  35,25  37,84 
Figura 1.
(0,4MB).

Curvas de índice de massa corporal (IMC) para crianças e adolescentes com síndrome de Down do sexo masculino entre 2 e 18 anos.

Figura 2.
(0,37MB).

Curvas de índice de massa corporal (IMC) para crianças e adolescentes com síndrome de Down do sexo feminino entre 2 e 18 anos.

Discussão

Este estudo apresenta a primeira referência brasileira de IMC‐para‐idade desenvolvida para crianças e adolescentes com SD de ambos os sexos entre 2 e 18 anos. O estudo também encontrou diferenças nos valores de IMC entre as crianças e adolescentes com SD e os valores normativos estabelecidos pelo CDC. Os resultados têm implicações clínicas e práticas em relação ao monitoramento do estado nutricional de crianças e adolescentes com SD no Brasil.

Aos 2 anos, os valores médios de IMC de meninos e meninas com SD apresentaram‐se abaixo dos padrões estabelecidos pelo CDC. Estudos mostram que crianças com SD nos primeiros dois anos de vida são caracterizadas por valores reduzidos de peso corporal.10,16 O baixo peso pode estar relacionado às taxas decrescentes de crescimento e a desordens que envolvem a ingestão de alimentos.17,18 A restrição do crescimento relaciona‐se à fatores genéticos.19 Desordens na sucção/deglutição relacionam‐se à hipotonia e a disfunções no sistema oromotor.18 Após os 2 anos, os escores Z médios de IMC/idade de crianças e adolescentes com SD resultaram em aproximadamente um desvio‐padrão acima dos valores normativos do CDC. Zemel et al. (2015)10 também reportaram valores superiores de IMC/idade em crianças americanas com SD, após os 2 anos, em relação às normas do CDC. Após os 2 anos, crianças com SD tendem a apresentar elevada prevalência de sobrepeso e obesidade quando comparadas com as crianças da população em geral.20,21 Fatores de risco para obesidade na SD incluem alterações do hormônio leptina, taxa metabólica basal reduzida, dieta desequilibrada e baixos níveis de atividade física.22–25

Os percentis de IMC/idade das crianças com SD aumentaram gradativamente entre 2 e 18 anos. Percentis de IMC/idade de crianças americanas com SD entre 2 e 20 anos apresentaram padrões similares.10 Esses aumentos ininterruptos de IMC observados em jovens com SD não condizem com os padrões de IMC da população infantil em geral. Referências internacionais mostram uma rápida aceleração nos percentis medianos de IMC/idade no primeiro ano de vida, seguido de declínio até os 5 anos e reaceleração em idades posteriores.15,26,27

No que se refere à aplicação clínica e prática, as curvas de IMC/idade representam padrões descritivos de crescimento de crianças e adolescentes com SD. Enfatiza‐se que as curvas não indicam um padrão ideal de peso, no qual todas as crianças com SD devem crescer ou o qual devem almejar. O uso dessas curvas, no entanto, permite comparar e monitorar as condições de peso corporal de populações com SD em território brasileiro. Para monitorar o estado nutricional da população jovem brasileira com SD, o Ministério da Saúde recomenda o uso das curvas de peso‐para‐idade de Cronk et al. (1988).11 Essas curvas, no entanto, foram contestadas pela Academia Americana de Pediatria para aplicação clínica e prática.8 A distribuição dos percentis de IMC/idade entre a população do presente estudo e CDC tem se mostrado diferente do ponto de vista prático. Por exemplo, uma criança com SD do sexo masculino com 14 anos (IMC: 23,85kg/m2, percentil 50, ver tabela 1) seria classificada na categoria de sobrepeso quando avaliada pelo CDC (IMC: 22,66kg/m2, percentil 85). Os resultados sugerem que novos estudos devem examinar a associação entre os pontos de cortes de IMC e o estado geral de saúde de crianças e adolescentes com SD.

Esse estudo apresenta algumas limitações. Primeiro, os dados foram obtidos de registros clínicos e podem apresentar erros de medidas. No entanto, na tentativa de minimizar tal viés, foi feito um rigoroso tratamento dos dados. Segundo, a mostra foi restrita ao Estado de São Paulo e não representa a população total de crianças com SD do Brasil. Por outro lado, o Estado de São Paulo, cuja população estimada é de 44.035.304 pessoas (27% do Brasil), pode representar a diversidade econômica e étnica do país. Finalmente, as curvas não representam o estado ótimo de crescimento de crianças com SD, tendo em vista que alguns fatores de influência do crescimento não foram controlados, tais como amamentação, apoio à lactação, comorbidades, saúde materna e situação socioeconômica. Novos estudos devem investigar a relação entre esses fatores e o crescimento de crianças e adolescentes com SD.

Em conclusão, a população brasileira com SD apresentou diferentes padrões de IMC quando comparada com as referências do CDC. As curvas desenvolvidas neste estudo representam a primeira referência nacional de IMC‐para‐idade para jovens com SD. Espera‐se, portanto, que essas curvas possam guiar pais e profissionais na avaliação do estado nutricional de crianças e adolescentes com SD no território brasileiro.

Financiamento

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes, BEX 3546/15‐2), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica [PIBIC]).

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Agradecimentos

A Roberto A. Soares, João F. Cosmo, Alessandra C.P.D. Costa, Eliane T. Nogueira, Fabio Crozara, Célia de Oliveira e Maria A.C. Pacheco pela excelente assistência técnica. Às Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais do Estado de São Paulo (Apaes/SP), ao Ambulatório de Integração das Especialidades Pediátricas da Faculdade de Ciências Médicas (AIEP/FCM/Unicamp), ao Departamento de Genética Médica (DGM/FCM/Unicamp) e ao Centro de Investigação em Pediatria (Ciped/FCM/Unicamp) da Universidade Estadual de Campinas, à Federação das Apaes do Estado de São Paulo (Feapaes/SP), ao Centro de Educação Especial Síndrome de Down (Ceesd) e à Fundação Síndrome de Down (FSD) pela fundamental colaboração no presente estudo.

Referências
[1]
C. Deng, L. Yi, Y. Mu, J. Zhu, Y. Qin, X. Fan
Recent trends in the birth prevalence of Down's syndrome in China: impact of prenatal diagnosis and subsequent terminations
Prenat Diagn, 35 (2015), pp. 311-318 http://dx.doi.org/10.1002/pd.4516
[2]
S.E. Parker, C.T. Mai, M.A. Canfield, R. Rickard, Y. Wang, R.E. Meyer
Updated national birth prevalence estimates for selected birth defects in the United States, 2004‐2006
Birth Defects Res A Clin Mol Teratol, 88 (2010), pp. 1008-1016 http://dx.doi.org/10.1002/bdra.20735
[3]
G. de Graaf, J.C. Vis, M. Haveman, G. van Hove, E.A.B. de Graaf, J.G.P. Tijssen
Assessment of prevalence of persons with Down's syndrome: a theory based demographic model
J Appl Res Intellect Disabil, 24 (2011), pp. 247-262
[4]
A.P. Presson, G. Partyka, K.M. Jensen, O.J. Devine, S.A. Rasmussen, L.L. McCabe
Current estimate of Down's syndrome population prevalence in the United States
J Pediatr, 163 (2013), pp. 1163-1168 http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2013.06.013
[5]
S.M. Day, D.J. Strauss, R.M. Shavelle, R.J. Reynolds
Mortality and causes of death in persons with Down's syndrome in California
Dev Med Child Neurol, 47 (2005), pp. 171-176
[6]
N.J. Roizen, C.I. Magyar, E.S. Kuschner, S.B. Sulkes, C. Druschel, E. van Wijngaarden
A community cross‐sectional survey of medical problems in 440 children with Down's syndrome in New York State
J Pediatr, 164 (2014), pp. 871-875 http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2013.11.032
[7]
Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas
Ministério da Saúde, (2012)
Série F: Comunicação e Educação em Saúde
[8]
M.J. Bull
Health supervision for children with Down's syndrome
Pediatrics, 128 (2011), pp. 393-406 http://dx.doi.org/10.1542/peds.2011-1605
[9]
F. Bertapelli, J.E. Martin, E.M. Goncalves, V.J. de Oliveira Barbeta, G. Guerra-Junior
Growth curves in Down's syndrome: implications for clinical practice
Am J Med Genet Part A, 164A (2014), pp. 844-847 http://dx.doi.org/10.1002/ajmg.a.36337
[10]
B.S. Zemel, M. Pipan, V.A. Stallings, W. Hall, K. Schadt, D.S. Freedman
Growth charts for children with Down's syndrome in the United States
Pediatrics, 136 (2015), pp. e1204-e1211 http://dx.doi.org/10.1542/peds.2015-1652
[11]
C. Cronk, A.C. Crocker, S.M. Pueschel, A.M. Shea, E. Zackai, G. Pickens
Growth charts for children with Down's syndrome: 1 month to 18 years of age
Pediatrics, 81 (1988), pp. 102-110
[12]
D.M. Stasinopoulos, R.A. Rigby
Generalized additive models for location scale and shape (GAMLSS) in R
J Stat Softw, 23 (2007), pp. 1-46
[13]
S. van Buuren, M. Fredriks
Worm plot: a simple diagnostic device for modelling growth reference curves
Stat Med, 20 (2001), pp. 1259-1277 http://dx.doi.org/10.1002/sim.746
[14]
T.J. Cole, P.J. Green
Smoothing reference centile curves: the LMS method and penalized likelihood
Stat Med, 11 (1992), pp. 1305-1319
[15]
R.J. Kuczmarski, C.L. Ogden, S.S. Guo, L.M. Grummer-Strawn, K.M. Flegal, Z. Mei
2000 CDC Growth Charts for the United States: methods and development
Vital Health Stat, 11 (2002), pp. 1-190
[16]
J.K. Morris, T.J. Cole, A.L. Springett, J. Dennis
Down's syndrome birth weight in England and Wales: implications for clinical practice
Am J Med Genet Part A, 167 (2015), pp. 3070-3075
[17]
B. Weisz, A.L. David, L. Chitty, D. Peebles, P. Pandya, P. Patel
Association of isolated short femur in the mid‐trimester fetus with perinatal outcome
Ultrasound Obstet Gynecol, 31 (2008), pp. 512-516 http://dx.doi.org/10.1002/uog.5349
[18]
Q. Spender, A. Stein, J. Dennis, S. Reilly, E. Percy, D. Cave
An exploration of feeding difficulties in children with Down's syndrome
Dev Med Child Neurol, 38 (1996), pp. 681-694
[19]
J.D. Blazek, A.M. Malik, M. Tischbein, M.L. Arbones, C.S. Moore, R.J. Roper
Abnormal mineralization of the Ts65Dn Down's syndrome mouse appendicular skeleton begins during embryonic development in a Dyrk1a‐independent manner
Mech Dev, 136 (2015), pp. 133-142 http://dx.doi.org/10.1016/j.mod.2014.12.004
[20]
H.B. Van Gameren-Oosterom, P. Van Dommelen, Y. Schonbeck, A.M. Oudesluys-Murphy, J.P. Van Wouwe, S.E. Buitendijk
Prevalence of overweight in Dutch children with Down's syndrome
Pediatrics, 130 (2012), pp. e1520-e1526 http://dx.doi.org/10.1542/peds.2012-0886
[21]
M. Alexander, H. Petri, Y. Ding, C. Wandel, O. Khwaja, N. Foskett
Morbidity and medication in a large population of individuals with Down's syndrome compared to the general population
Dev Med Child Neurol, 58 (2016), pp. 246-254 http://dx.doi.org/10.1111/dmcn.12868
[22]
S.N. Magge, K.L. O’Neill, J. Shults, V.A. Stallings, N. Stettler
Leptin levels among prepubertal children with Down's syndrome compared with their siblings
J Pediatr, 152 (2008), pp. 321-326 http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2007.08.008
[23]
D.L. Hill, E.P. Parks, B.S. Zemel, J. Shults, V.A. Stallings, N. Stettler
Resting energy expenditure and adiposity accretion among children with Down's syndrome: a 3‐year prospective study
Eur J Clin Nutr, 67 (2013), pp. 1087-1091 http://dx.doi.org/10.1038/ejcn.2013.137
[24]
K.L. O’Neill, J. Shults, V.A. Stallings, N. Stettler
Child‐feeding practices in children with Down's syndrome and their siblings
J Pediatr, 146 (2005), pp. 234-238 http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2004.10.045
[25]
K. Pitetti, T. Baynard, S. Agiovlasitis
Children and adolescents with Down's syndrome, physical fitness, and physical activity
J Sport Health Sci, 2 (2013), pp. 47-57
[26]
M. de Onis, A.W. Onyango, E. Borghi, A. Siyam, C. Nishida, J. Siekmann
Development of a WHO growth reference for school‐aged children and adolescents
Bull World Health Organ, 85 (2007), pp. 660-667
[27]
WHO Multicentre Growth Reference Study Group
WHO Child Growth Standards based on length/height, weight and age
Acta Paediatr Suppl, 450 (2006), pp. 76-85

Como citar este artigo: Bertapelli F, Machado MR, Roso RV, Guerra‐Júnior G. Body mass index reference charts for the individuals with Down syndrome aged 2‐18 years. J Pediatr (Rio J). 2017;93:94–9.

Estudo vinculado à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Copyright © 2016. Sociedade Brasileira de Pediatria
Idiomas
Jornal de Pediatria

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Taxa de publicaçao Publication fee
Os artigos submetidos a partir de 1º de setembro de 2018, que forem aceitos para publicação no Jornal de Pediatria, estarão sujeitos a uma taxa para que tenham sua publicação garantida. O artigo aceito somente será publicado após a comprovação do pagamento da taxa de publicação. Ao submeterem o manuscrito a este jornal, os autores concordam com esses termos. A submissão dos manuscritos continua gratuita. Para mais informações, contate assessoria@jped.com.br. Articles submitted as of September 1, 2018, which are accepted for publication in the Jornal de Pediatria, will be subject to a fee to have their publication guaranteed. The accepted article will only be published after proof of the publication fee payment. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. Manuscript submission remains free of charge. For more information, contact assessoria@jped.com.br.
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.